Six Senses Douro Valley

sixsenses-82Rodeado de vinhas em socalcos com o Douro a seus pés assim se ergue o Six Senses Douro Valley, um dos mais idílicos e memoráveis hotéis de Portugal.

Tudo o que tem a marca Six Senses é sinónimo de luxo e beleza inigualável, e quando a isso se junta o ambiente natural do Douro, sabemos que este será o paraíso na terra!

sixsenses-76

Assim, em 2015 nasceu o Six Senses Douro Valley, numa antiga quinta do século XIX e onde outrora existiu outro hotel.

O caminho que percorremos para lá chegar foi feito com o Douro como companheiro e com os belíssimos vermelhos, amarelos e verdes dados pelas vinhas em pleno Outono.

sixsenses-78
Mas a ansiedade aumenta quando o avistamos envolvido pelas vinhas e na sua altivez de casa senhorial tocada pela arquitetura romântica do século XIX.

sixsenses-16

Primeira Impressão
Chegamos num dia Outono, bastante chuvoso infelizmente, mas fomos recebidos da forma mais calorosa possível.

Fomos acompanhados desde o momento que saímos do carro e encaminhados de imediato à receção. A nós não tardou a chegar um chá de gengibre e as toalhinhas quentes que tanto me fazem recordar a Ásia.

sixsenses-18Os detalhes de decoração não são deixados ao acaso

Recebidos com sorrisos genuínos, e encantados com a decoração contemporânea do Lobby tão bem conjugada com o estilo rústico e natural dados pela madeira e a pedra que envolvem todo o ambiente, fomos posteriormente encaminhados ao nosso quarto.

sixsenses-13

O caminho que se percorre para lá chegar é feito através do elevador panorâmico que permite ir visualizando todo o Douro e as vinhas que embelezam ainda mais a paisagem circundante.

sixsenses-21

sixsenses-74

sixsenses-7

Quartos
Já imaginaram adormecer e acordar todos os dias com o Douro como confidente? Esta é a sensação que temos quando ficamos hospedados neste Six Senses.

O hotel possui 50 quartos, dos quais nove são suites e 21 Villas – Villas Douro (com piscina privada) e Villas da Vinha (que se localizam na zona mais intimista da propriedade).

sixsenses-8
Ficamos no quarto Quinta River que me roubou toda a atenção com a sua enorme janela do chão ao teto e que deixa entrar o Douro e as vinhas de imediato!

sixsenses-9
O quarto segue a linha do restante hotel, uma decoração contemporânea conjugada com um estilo rústico/natural com o cinza a dominar o ambiente.

Todo o quarto é extremamente funcional, com alta tecnologia que agiliza todas as funcionalidades, desde o simples fechar de cortinas até ao jogo de luzes.

sixsenses-11 sixsenses-12

A cama é das mais confortáveis que já experimentei, e a zona de leitura e de estar, diretamente em frente à janela sobre o rio, fez as delícias do meu relaxamento de fim de tarde!

sixsenses-5
No quarto está disponível chá e café e à nossa espera estavam umas deliciosas nozes.

sixsenses-38A equipa em jeito de peça de teatro na Open Kitchen do restaurante Vale Abraão

Restaurantes
As diferentes opções de restauração do hotel têm algo em comum, a celebração da região, com muitos dos produtos a vir diretamente da horta orgânica que o Six Senses possui.

sixsenses-53Vale do Abraão

Aqui privilegia-se a sazonalidade, o biológico, o orgânico e o regional.
O restaurante principal do hotel é o Vale Abraão, onde são servidas as diferentes refeições ao longo do dia. Este é dividido em duas zonas, uma mais intimista, com uma lareira enorme seguida de uma mesa iluminada por um candeeiro majestoso que se traduz numa belíssima obra de arte contemporânea, e uma sala mais ao estilo de open space, elegante e contemporânea também, com um espaço aberto em que os chefes vão cozinhando os mais saborosos e frescos produtos do dia, este espaço remete-nos facilmente para a casa da avózinha, rodeada de prateleiras com pickles de todas as cores!

A cozinha conta com a assinatura de Ljubomir Stanisic, o famoso jugoslavo que se apaixonou por Portugal e que faz sucesso nos seus 100Maneiras em Lisboa.

sixsenses-4

sixsenses-49 sixsenses-47 sixsenses-51
Aqui tomamos um ótimo pequeno-almoço e um jantar divertido e munido de produtos frescos e da época, em conceito de Open Kitchen.

Instalados, e bem, na chef’s table do espaço, pudemos  acompanhar a par e passo a confecção de todos os pratos degustados e perceber a forma como Ljubomir interpretou a filosofia do Hotel, o uso de produtos biológicos, a ligação com a natureza e a preocupação com a saúde e bem estar. Destaque para o prato “veggie” com Cuscos transmontanos e legumes, o Pâté en Croûte e os Milhos (polenta) com clorofila que acompanhavam a carne maturada.

sixsenses-44

sixsenses-43

sixsenses-45

Uma degustação de excelente nível, que merecia uma longa e exclusiva dissertação, mas de onde se resume e se destaca a qualidade dos produtos utilizados, muitos deles produzidos na própria Quinta ou nas proximidades, assim como a capacidade técnica e criativa de deixar cada elemento dos pratos brilharem por si só.

Quando visitarem o hotel não deixem de tentar reservar a chef’s Table!

sixsenses-30

sixsenses-32sixsenses-29Quinta Bar and Lounge

Outra das opções de gastronomia é o Quinta Bar and Lounge, uma autêntica sala de jogos e bar que nos dá a garantia duma tarde ou noite muito bem passadas, com jogos que nos trazem à memória a infância, e tapas e cocktails que nos preenchem não só o estômago mas também o espírito!

sixsenses-28
Para os dias de sol, que não foi de todo o caso da nossa estadia, o Terrace é o lugar certo. Um bonito pátio com o chão em lajes de granito e mesas que circundam uma belíssima fonte, aqui é possível saborear uma ótima refeição com as vinhas como vista principal.

sixsenses-55

sixsenses-54Wine Library & Terrace

No verão também funciona o Pool Bar & Restaurant, que permite aos hóspedes ter acesso a refeições e bebidas ao longo do dia sem ter que se levantar sequer da espreguiçadeira!

sixsenses-23

Por último, mas não menos importante apresento-vos um dos mais elegantes espaços do Six Senses, o Wine Library & Terrace. Para mim, um dos ex libris do hotel e o refúgio ideal para qualquer hora do dia, pois garante-nos duas das melhores coisas do mundo, Livros e Vinho!

sixsenses-27
Aqui temos imensas zonas de relaxamento, uma decoração impressionante com detalhes de contemporaneidade e rusticidade sem igual, com peças que eu levaria para casa num instante. O vinho está presente em cada detalhe, e o seu melhor amigo é um bom livro dos muitos que se encontram espalhados pelas diferentes estantes.

Para os menos entendidos nos assuntos vínicos vão passando vídeos explicativos das diferentes castas.

sixsenses-37Prova de vinhos

Neste local tivemos oportunidade de participar numa animada prova de vinhos, atividade que se realiza quase diariamente e que dá a conhecer aos hóspedes os diferentes vinhos de Portugal. Nesta prova o Sommelier do hotel escolheu vinhos que acompanham muito bem petiscos e entradas, servindo assim de aperitivos.

sixsenses-36 Vinhos mais leves, e que muitas vezes são menosprezados em detrimento dos outros. Em prova esteve o espumante Vértice 2013 rosé, o branco Poças Reserva 2013, o tinto Quinta da Casa Amarela 2013 e o Porto Branco da Quinta do Portal. Vinhos todos eles muito distintos, mas que cumprem muito bem as funções a que se propõem, iniciar um belo momento de prazer.

Nota alta para o Sommelier que além de ter um inglês “vínico” de grande nível (sim, a prova foi em inglês, pois a grande maioria do público era estrangeiro!), falou de vinhos duma forma bastante acessível, clara mas com imenso conhecimento.

sixsenses-65

Serviços
Estando em cima do Douro é óbvio que o Six Senses oferece toda uma panóplia de experiências à volta deste. Assim, diferentes atividades são organizadas em torno do rio. Seja um lindíssimo cruzeiro no PipaDouro (ver), seja um interessante curso sobre vinhos do Douro, seja uma agradável visita às diferentes quintas históricas da região com a oportunidade de ser enólogo por um dia e de participar nas vindimas (se for época delas, claro).

sixsenses-56
Para quem viaja em negócios, o hotel dispõe de cinco salas de reuniões.
Para quem pretende fazer caminhadas e observar de perto a natureza, ou simplesmente relaxar num dia de sol, o hotel está situado em cima de 8hectares de terra, com diferentes locais ao longo de toda a sua extensão, seja a piscina exterior com vista sobre o rio e as vinhas, seja o Jardim Orgânico, o Campo de Padel, os Jardins Suspensos, a Zona de Picnic, a Catarata e o Lago dos Lírios, as Ruínas da Casa de Chá, o Túnel Secreto ou simplesmente os percursos a pé ao longo do majestoso rio Douro!

sixsenses-69

Até aqui é bem visível a minha paixão pelo Six Senses Douro Valley e a razão pela qual ela existe, mas por que não levar isto a um nível ainda mais elevado?!

sixsenses-59
O Spa do hotel é dos melhores spas que já tive o prazer de experienciar, o maior de Portugal e muito provavelmente o melhor, nada que já não suspeitasse pois o cunho deste grupo é não falhar em nenhum pormenor! E foram os seus Spas que os tornaram famosos!

sixsenses-68É uma experiência sem igual, memorável, única, luxuosa e que nos retira num ápice do mundo em que vivemos e nos leva para algo bem divino!

sixsenses-67
O Spa tem 10 salas de tratamentos e é, nada mais nada menos, que uma perfeita comunhão de paz e prazer.

A água, pedra e madeira estão presentes em cada detalhe, e tranquilizam-nos mal entramos na área de spa, o aroma finaliza a experiência sensorial através dos produtos The Organic Pharmacie.

sixsenses-70
Aqui há também um ginásio com diferentes equipamentos e orientação por parte de profissionais qualificados e aulas de Yoga numa sala toda em vidro no meio da natureza.

sixsenses-60
A zona de bem estar contém uma imensa piscina interior aquecida com jactos de água, zonas de relaxamento com confortáveis camas e baloiços, e um circuito de banhos que me pôs como nova – banho de ervas (jasmin, lemongrass e camomila), duches frios, banho turco, banho lacónico, e por fim a sauna suspensa na natureza! Ao dispor do hóspede estão sempre chá de gengibre, e água detox.

No spa há também uma zona de workshops sobre como utilizar produtos caseiros para fazer esfoliantes faciais e corporais.

sixsenses-58
Para quem quiser levar para casa um bocadinho deste local há uma loja com alguns destes produtos e materiais dentro do próprio spa, assim como acessórios totalmente reciclados, e vestuário.

sixsenses-34

Atendimento
Sinceramente do melhor, se não o melhor, que já tive em Portugal.
Aquilo que mais satisfação me dá é ser recebida com um sorriso genuíno e sentir que a equipa me trata bem, não porque a sua função profissional assim o obriga, mas porque tem gosto em me tratar como se eu fosse amiga ou familiar. E isso foi o que eu senti no Six Senses Douro Valley, um acompanhamento constante, com uma simpatia natural e sincera.

sixsenses-40
Nada, mesmo nada é deixado ao acaso e a nossa experiência é transformada em algo mais do que memorável.

Fazem-nos sentir deuses não recorrendo ao servilismo mas sim à dedicação!

O Six Senses Douro Valley é, sem dúvida alguma, um dos expoentes máximos do luxo em Portugal.

Situado num dos mais belos e idílicos locais do mundo, o Douro, consegue traspor-nos para um autêntico retiro espiritual, em que a natureza é a rainha.

A sua filosofia é criar momentos que a nossa mente possa reter para sempre.
Além de tudo isto, louva-se a preocupação com a manutenção do ambiente em que está inserido, utilizando produtos regionais, premiando o que é tradicional, e criando um modelo de subsistência que privilegia o orgânico e reciclável.

sixsenses-22
Tudo isto lhe tem valido, em tão pouco tempo de existência, diversos prémios e artigos das mais conceituadas revistas e jornais. Além de pertencer ao conceituado grupo Small Luxury Hotels of The World, foi eleito este ano um dos melhores hotéis/resorts do mundo a abrir nos últimos 12 meses, pela Condé Nast Traveler.

Que vos posso garantir que foi mais do que merecidíssimo!

sixsenses-81Um agradecimento especial à querida Joana Van Zeller que nos acompanhou e enalteceu ainda mais a nossa estadia neste paraíso!

Até breve Six Senses Douro Valley!!!

Hotel Six Senses Douro Valley
Quartos a partir de 270€
Quinta de Vale Abraão– Samodães, Lamego
+351 254 660 600
reservations-dourovalley@sixsenses.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Six Senses Douro Valley a convite do grupo Six Senses, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , | Skomentuj

Paris – Les Fables de la Fontaine*

 lesfablesdelafoutaine-6A Rue Saint-Dominique no 7º bairro parisiense é o berço do império de Christian Constant e foi por lá também que “noutra vida” abriu um restaurante dedicado ao mar, o Les Fables de la Fontaine – num jeito de trocadilho entre a Fontaine de Mars, onde o restaurante se insere, e o famoso livro de Jean de la Fontaine – que em 2005 entregou ao então director do seu Violon d’Ingres (ver), David Bottreau, que rapidamente conquistou uma estrela no famoso guia vermelho.

Em 2o15 foi altura de mudança, e depois de reformular totalmente a decoração do espaço, criando um ambiente mais acolhedor, moderno e informal, David faz uma das suas grandes apostas, entregando as mãos da cozinha a Julia Sedefdjian, uma jovem cozinheira, que aos 21 anos se tornou provavelmente na mais jovem líder de um restaurante estrelado no país.

lesfablesdelafoutaine-8

Motivo mais do que suficiente para aguçar a curiosidade sobre o espaço que procura hoje fundir a cozinha gastronómica com um ambiente de Bistrò e preços convidativos. Trabalhando com os melhores peixes em cada estação e com algum receituário clássico e de influência mediterrânica, ou não fosse a chef nascida em Nice.

Chegados e instalados na esplanada ao jeito de bons parisienses, rapidamente percebemos que não estamos num michelin “habitual”, há ruído, há mesas juntas, há descontração e muita vida, numa combinação de clientes habituais e cidadãos do mundo.

O pão e a manteiga sobem logo a fasquia e mostram que afinal não estamos no café da esquina e daí partimos à descoberta do menu.

lesfablesdelafoutaineCavala, batata, tomate, azeitona e creme de mostarda
O primeiro prato fazia parte do menu do dia, e rapidamente nos conquistou e nos mostrou as “pretensões” culinárias de Julia. Um peixe dito menos nobre, cozinhado de forma irrepreensível, acompanhado por elementos que lhe deram frescura e textura sem esquecer o conforto, no caso da batata, e da ligação de todos os elementos bem conseguida pelo excelente creme. Destaque ainda para o fantástico crocante. Um belo início!

lesfablesdelafoutaine-2Ovo, Eglefim, alho francês com vinagrete picante
A gema de ovo envolta numa capa crocante é um arraso técnico e visual, num prato interessante, em que as notas salgadas e a textura do peixe (cru e cozinhado) se ligaram muito bem com o alho francês, as notas picantes, o molho delicado e elevado pela gema. Menos interessante a massa um pouco seca em que repousava a gema.

A acompanhar esteve um Petit Chablis “Hauterivien” do Domaine Pommier 2015, um elegante e acessível vinho de produção bio. Um vinho de grande frescura, ligeiro, notas cítricas e flores brancas, com uma acidez contida e uma mineralidade superior. Uma bela companhia para as entradas.

lesfablesdelafoutaine-3Bacalhau  fresco, aioli, legumes da estação, azeite La Laguna de Fuente de Piedra
Este é um dos pratos de assinatura de Julia e um dos que mostra bem a aparente simplicidade da sua cozinha e a irrepreensível execução com que trata quer legumes quer o peixe. Coacções delicadas, legumes saborosos e com boa textura, molhos interessantes que fizeram muito bem a ligação entre os vegetais e o peixe, dando-lhe outra dimensão.

A harmonizar esteve um menos entusiasmante Sauvignon Saint-Bris do Domaine Verret 2014, um dos raros sauvignon produzidos na Borgonha. Não comprometeu o peixe com o seu lado aromático, mas trouxe pouco à boca.

lesfablesdelafoutaine-4Sablé Breton, Curd e sorbet de Limão, Merengue
Por condição espero quase sempre menos da parte doce de um restaurante, mas Julia surpreendeu logo com a sua interpretação da clássica tarte de limão, tão apreciada na cidade. Excelente o sablé, muito bom curd e o sorbet, com o equilíbrio perfeito entre a acidez e a doçura. Nota alta ainda para o toque de pimenta do merengue. Muito bom!

lesfablesdelafoutaine-5Morango, panna cotta, bolo de pistachio e chantilly 
Se existem elementos que ficam bem juntos são estes, morangos, natas e pistachio, aqui bem trabalhados num excelente jogo de texturas e sabores, com destaque para a panna cotta sem excessos de gelatina, o chantilly e o sorbet de morango. O bolo poderia ter um sabor um pouco mais intenso ao fruto seco. Ainda assim, uma deliciosa sobremesa!

A sala, ou neste caso a esplanada, pareceu-me ser o ponto onde o restaurante precisa ainda de afinar ligeiramente a equipa. É certo que se pretende mais informal do que o habitual, mas ainda assim existem pequenos detalhes que não devem “escapar entre os dedos”.

Nota de destaque ainda para o facto de haver 3 vinhos do Porto disponíveis a copo na curta carta de vinhos do espaço – Graham’s e Quinta da Romaneira.

Por falar em Graham’s aproveitamos a pequena conversa que pudemos ter com a jovem  Julia Sedefdjian para lhe oferecer o Graham’s Tawny 30 anos que nos acompanhou nesta viagem.

lesfablesdelafoutaine-7

Considerações Finais
O Les Fables de la Fontaine é hoje um dos interessantes projectos gastronómicos, não só do 7º Bairro, mas de toda a cidade de Paris, quebra barreiras de protocolo à luz dos famosos espaços da bistronomie, e alia uma cozinha sofisticada e de bons ingredientes a preços justos – o menu de almoço por exemplo começa nos 25€ com entrada e prato, algo raro para um restaurante estrelado na cidade. A mão de  Julia Sedefdjian indica trabalho e talento e uma aposta claramente ganha de David, resta-nos ir acompanhando a sua evolução e percurso enquanto cozinheira, que certamente a levarão a grandes voos.

Um espaço a visitar e revisitar!

Les Fables de La Fontaine
+33 1 44 18 37 55
fablesdelafontaine@orange.fr
Rua Saint-Dominique, 131  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Estivemos no Les Fables de La Fontaine a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.
Graham’s 30 anos gentilmente cedido pela Graham’s Port.

Posted in Restaurantes - França | Otagowano jako , , , , , | Skomentuj

Paris – David Toutain*

davidtoutain-17Nos dias de hoje, para entender ou interpretar o trabalho de um cozinheiro  contemporâneo é preciso viajar no tempo, conhecer as suas raízes, a sua formação e perceber a sua filosofia e onde quer colocar a sua cozinha. É assim com René Redzepi do Noma, Alex Atala do D.O.M ou Massimo Bottura da Osteria Francescana (actual nº1 do guia Worlds 50 Best Restaurants), só para citar alguns. Na cozinha francesa, e ao contrário da sentença de morte/esquecimento que muitos lhe traçaram, existe uma nova geração de talentos difíceis de igualar, como é possível ver na última temporada do famoso Chef’s Table da Netflix.

Neste capítulo, um dos chefs que mais curiosidade me despertou foi o jovem David Toutain, nascido num campo agrícola da Normandia, fez a sua formação ao lado de nomes como Marc Veyrat, Alain Passard, Bernard Pacaud, Pierre Gagnaire ou Andoni Aduriz, e tomou pela primeira vez Paris de assalto quando assumiu o comando de uma cozinha no Agapé Substance, conquistando os parisienses e todos os críticos com a lufada de ar fresco que trouxe à cidade e à sua cena gastronómica.

davidtoutain-18

Entrando em Dezembro de 2013, David Toutain abriu em nome próprio, e a uma curta distância da Torre Eiffel, um espaço que reflete a sua paixão e a sua vocação, um restaurante de decoração minimalista, onde predomina o uso de madeira e os tons sóbrios, numa clara alusão à influência que a natureza irá ter no decorrer de toda a refeição.

davidtoutain-15

Já instalados, recebemos a indicação do menu único que seria servido naquela noite – o restaurante trabalha diariamente com menus de degustação, permitindo ao cliente apenas a escolha do número de pratos ou  a harmonização com vinhos – enquanto nos fazem as habituais perguntas sobre alergias ou alimentos fora do gosto.  Posto isto, começa um festim de pequenos snacks que demonstram bem que entramos num restaurante sério onde impera o rigor técnico e a qualidade do produto.

davidtoutainCarpaccio de novilho, trevo e pó de Avelã

davidtoutain-2Beterraba fumada, cebola roxa e amoras

Todos os snacks apresentavam um rigor de execução bem acima da média e os sabores começavam a preparar-nos para esperar conjugações inesperadas e estranhamente brilhantes, como algumas que se seguiriam. Destaque para a Beterraba fumada, com amoras e cebola roxa, em duas texturas, mousse e crocante, e o Pé de porco crocante, com noz e creme de cogumelos – surpreendente.

davidtoutain-3Pé de porco crocante, com noz e creme de cogumelos

Como não podia deixar de ser, numa boa mesa francesa, existe sempre tempo e espaço para pão e manteiga. 1º com uma excelente emulsão de manteiga acompanhada de um ótimo Brioche.  Seguindo-se uma manteiga clássica, um surpreendente pão de sourdough e pão de milho. Ainda não tínhamos “passado da porta” e já estava conquistado com a degustação.

davidtoutain-4Brioche e emulsão de Manteiga 

davidtoutain-5Gema de ovo, creme de milho, caramelo de cominhos e cebolinho
Este ovo é um dos clássicos de Toutain – uma pecaminosa combinação de texturas e sabores untuosos e reconfortantes, elevados pela frescura do cebolinho e das notas doces e de especiarias do caramelo. Muito bom!

davidtoutain-6Tomate, morango, amêndoa verde, água de tomate, pó de manjericão e ikura 
Com o tomate no seu pico, este prato ganhou outras proporções. Primeiro mostra a importância dos tempos que o chef passou ao lado de Alain Passard e também da sua paixão pelos vegetais e pela cozinha sazonal. Segundo mostra uma sensibilidade e uma capacidade de louvar – leve, fresco, elegante, com contraste de texturas, e um ótimo equilíbrio entre o doce, o ácido, o amargo e o salgado. Um grande prato, provavelmente o melhor prato de tomate que já comi!

davidtoutain-7Choco, avelã, emulsão de soja fermentada
Outro prato de aparência simples, e de uma refinada elegância mascarada de subtileza. Choco em jeito de Tagliatelle, numa proposta que nos transporta para uma espécie de carbonara do mar, em que a soja fermentada acrescenta notas ao prato e a avelã se revela um ótimo contraste Terra-mar. Delicioso!

davidtoutain-8Bacalhau, courgette, e verbena 
Bacalhau fresco, cozinhado com rigor, numa boa e leve combinação com courgette em duas texturas e a fresca emulsão de verbena. Um bom prato, ainda assim não tão surpreendente como os anteriores.

davidtoutain-9Enguia fumada, creme de sésamo preto e maça granny smith 
Se o prato anterior era mais “clássico” na sua forma, este volta a trazer toda uma nova conjectura. Enguia irrepreensível na textura e com a medida certa de notas fumadas, bem enquadrado com o espesso e untuoso creme de sésamo  num conjunto refrescado e elevado pela maçã verde que se encontrava no fundo do prato. Mais uma combinação daquelas difíceis de esquecer.

davidtoutain-10Pato, cogumelos cantarelos, alperce e quinoa
Mais uma vez, grandes pontos de cocção, numa conjugação mais clássica, onde o elemento doce é substituído pelo alperce, as notas de terra com os cogumelos, a textura com a cenoura, a frescura com a pétala de cebola e para finalizar um molho delicioso, onde apetece molhar o pão até não aguentar mais. Reconfortante e satisfatório!

davidtoutain-11Couve Flor, chocolate branco, coco e baunilha
Esta pré-sobremesa é outro dos clássicos de Toutain, e uma das suas combinações mais inusitadas. Somos convidados a descobrir o elemento “fora da caixa” do conjunto, e o que para uns parece algum tipo de queijo, ou para outros uma raiz, é mesmo couve flor, combinada com leite de coco, chocolate branco e baunilha e duas texturas e temperaturas – creme e gelado. Um momento singular, que nos faz olhar para a couve flor com outros olhos. Surpreendente!

davidtoutain-12Leite cru e mel de Madagáscar
O segredo de dominar a simplicidade é um dos melhores atributos da cozinha de Toutain, aqui a combinação de texturas de leite e mel, com destaque para as finas capas crocantes de leite, foi de um outro nível.

davidtoutain-13Maça e muesli
Gosto de cereais, de frutos secos, de bagas e sementes, e gosto consequentemente de muesli, uma boa forma de começar o dia aqui servida para terminar uma das melhores refeições de 2016. Fantástico muesli, bem conjugado com as lascas finas e intensas de sabor a maça (fruto da leve desidratação).

davidtoutain-14petit fours

Para terminar houve ainda espaço para os habituais petit fours, a não descerem o nível face à recepção, excelente mochi (doce japonês), macaron em forma de pedra e umas pecaminosas trufas de chocolate.

O serviço de sala funciona de forma irrepreensível, sem os formalismos e a pressão da haute cuisine, mas com rigor e acerto além de demonstrarem um bom conhecimento sobre os pratos e os seus componentes. Acompanhamos a refeição com Vouvray Sec 2014 do Domaine du Clos Naudin , um interessante Chenin blanc da região do Loire, cuja frescura e acidez contrastaram bem com o seu lado mais concentrado, tornando-o numa boa companhia para esta degustação.

davidtoutain-16Graham’s Tawny 30 anos

Para terminar houve ainda tempo para agradecer ao chef David Toutain pela fantástica experiência que nos proporcionou naquela noite em Paris, e para isso nada melhor do que presenteá-lo com  um pouco do melhor que se faz em Portugal, desta feita com o belíssimo Tawny 30 anos da Graham’s que nos acompanhou na viagem a Paris.

Considerações Finais
A cozinha de Toutain reflete bem a sua formação e as suas características de aluno exemplar, seja na capacidade técnica, na paixão pelos legumes e o respeito pela sua sazonalidade e o seu pico, ou no seu interesse particular em combinações de sabores e texturas invulgares. Vemos no prato um reflexo de uma vida, de uma história e de muito trabalho, e no final de contas é isso que nos faz sentir estimulados quando visitamos um restaurante de fine dining, conhecer a identidade de um cozinheiro e perceber como a mesma se reflete na sua obra. Toutain podia ser uma celebridade mediática da gastronomia francesa, enchendo as reservas e explorando equipas e clientes ao bom jeito da cidade luz, no entanto vive para o seu trabalho, nota-se que é ao fogão que se sente bem e os pratos denotam essa mesma felicidade!

Uma das melhores relações qualidade/preço e claramente um dos mais excitantes chefs de Paris, que certamente irá deixar a sua marca numa próxima geração da cozinha francesa.

Um restaurante obrigatório!

David Toutain
+33 1 45 50 11 10
reservations@davidtoutain.com 
Rua Surcouf, 29  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Graham’s 30 anos gentilmente cedido pela Graham’s Port.

Posted in Restaurantes - França | Otagowano jako , , , , , | Skomentuj

Paris – Le Violon D’Ingres *

violondingres

Se para os estrangeiros o nome Christian Constant poderá, à primeira vista, não soar a grandes memórias, no entanto, na “cena” gastronómica francesa o caso muda de figura, o Chef Constant passou pela cozinha do Ritz e do Crillon onde assegurou as duas estrelas por mais de 10 anos até que em 1996 decidiu mudar de vida e abrir o seu primeiro restaurante, o Le Violon d’Ingres.

Hoje são cerca de 6 restaurantes, 4 deles na rua Saint-Dominique em Paris, a dois passos da Torre Eiffel, outro em Toulouse e um em Montech. Célebre pela sua participação enquanto jurado na edição francesa do programa Top Chef, a grande marca de Constant na gastronomia passa pela formação, com alguns dos seus “discípulos” do Crillon a tornarem-se hoje os principais nomes de referência da gastronomia francesa, como Eric Fréchon (3 estrelas), Emmanuel Renaut (3 estrelas), Jean-François Piège ( 2 estrelas), Jean-François Rouquette (1 estrela), Yves Camdeborde ou Christian  Etchebest, só para citar alguns!

violondingres-7

Mas, passemos ao restaurante que nos trouxe até aqui, o Le Violon D’Ingres que depois de uma reformulação em 2014, quer de decoração quer de registo culinário, tem conseguido manter a famosa estrela do guia vermelho, com uma cozinha feita de história e clássicos do receituário de Constant.

Fomos gentilmente recebidos, como já é apanágio em Paris, e acompanhados à nossa mesa, a sala foge do registo michelin, e aproxima-se mais do de um novo Bistrò, com mesas pequenas e próximas e um ambiente agitado que mistura clientes regulares com turistas e fãs do chef.

Dois dedos de conversa com o chef Sala e entre as sugestões surge, para nossa surpresa, que o chef responsável pelo restaurante seria um português, mais propriamente João Duarte, um jovem de Santarém cuja paixão pela cozinha o levou até ao Le Cordon Bleu de Paris,  cidade que nunca mais abandonou!

violondingres-4Amuse bouche

Para começar, uns improváveis mas delicados e saborosos rabanetes,  uma tosta com uma terrina de foie e língua de vaca (?), além da habitual manteiga e de um delicioso pão artesanal de sourdough. A acompanhar, um champanhe leve, com boa frescura e corpo leve, ideal para o início de um longo jantar – Mallard Blanc des Blanc.

violondingres-5Ovos Panadostostas de manteiga trufada
É certo que é impossível falhar quando se juntam ovos com manteiga e trufa, e talvez por isto este seja um dos pratos mais clássicos da carreira de Christian Constant. No entanto, e tendo em conta os dias de hoje, revelou-se um prato sem grande interesse, o panado apresentava defeitos e as tostas estavam pouco crocantes. Boas conjugações mas pouca graça.

violondingres-6Ravioli de Lagostim, mousseline de alcachofra e coulis de lavagante 
Se na entrada anterior tínhamos estado uns níveis abaixo, nesta tudo mudou, massa fina e cozinhada no ponto, excelente combinação de texturas e sabores do mar com as notas de terra da alcachofra a dar corpo e outra dimensão ao prato. Muito, muito bom!

A harmonizar com as entradas esteve um vinho da Nova Zelândia, um Riesling 2002 da Waipara West, um vinho com uma ótima relação qualidade/preço e bem mais próximo dos rieslings envelhecidos da Austrália do que da Nova Zelândia, com umas saborosas notas de manteiga e tosta refrescadas pelo lado cítrico. Uma bela surpresa!

violondingres-9Supremo de Robalo, crosta crocante de amêndoa, óleo de caril e pimentos
Outro clássico da carta, e aqui percebe-se bem porquê! Excelente crosta, peixe no ponto e sabores muito bem equilibrados entre o pimento, as alcaparras e as notas de especiarias do molho. Belo prato!

No copo esteve um ótimo Mas Neuf Costieres de Nimes Compostelle de 2013.

violondingres-8Pombo, chalotas, favas e ervilhas à francesa
Um prato que faz lembrar a cozinha de outros tempos, dose farta, pombo suculento e cozinhado no ponto, bem acompanhado pelas notas doces do puré de cenoura e combinação de favas e ervilhas. A frescura ficou a cargo da mistura de salsa e chalotas.

A acompanhar esteve um interessantíssimo Cabernet Sauvignon Château Montus 2008 da região dos Pirineus.

violondingres-10Selecção de Queijos de Marie-Anne Cantin
Quando o nome de Marie-Anne Cantin surge numa carta já se sabe que a qualidade está garantida e aqui, como é óbvio, não foi exceção, Camembert, Fourme d’Ambert, Saint-Nectaire e Salers. Todos de grande qualidade, mas o camembert, mon dieu! Não será fácil de esquecer!

Para harmonizar, uma pequena provocação ao nosso Porto, um Maydie Vintage Tannat do Château d’audie. Feito com o mesmo processo que se utiliza para fazer um vinho do Porto, esta é uma pequena produção feita com as uvas Tannat, que se revelou doce e rico, com um equilíbrio bem conseguido entre a acidez e a compota.

violondingres-11Soufflé de Grand Marnier
Nas sobremesas é caso para dizer que ninguém pode ficar mal com os incontornáveis da doçaria francesa, como é o caso deste soufflé. Técnica irrepreensível e sabor mais distinto ainda. E porque um “mal” nunca vem só, regam-nos o interior do soufflé com um delicioso caramelo salgado. Muito bom!violondingres-12Mil Folhas
A foto diz quase tudo sobre esta sobremesa – pecado, pecado, pecado! Excelente e crocante o folhado com um volumoso mas leve créme légère aromatizado com baunilha. Um daqueles crimes que compensam!

A acompanhar as sobremesas, dois habitués dos vinhos doces franceses, um Sauternes 2011 do Château du Haut Pick e o Juraçon 2015 do Domaine Cauhapé.

Nota alta para o serviço de sala, e muito em particular do escanção, não só pelas harmonizações, mas também pela forma descontraída mas profissional com que nos foi abordando em todos os momentos do jantar, aproximando o cliente da experiência e quebrando as barreiras tantas vezes impostas pelo serviço francês  clássico.

violondingres-13João Duarte e o escanção com o Tawny Graham’s 30 anos

Havendo um pouco de sotaque português na equipa do restaurante, com a presença do Chef João Duarte, nada como presentear toda a brigada com um elegante e memorável Vinho do Porto, neste caso o Graham’s Tawny 30 anos que nos acompanhou nesta viagem a Paris.

Considerações Finais
Quem visita o Violon D’Ingres não procura inovação, criatividade e sensações diferentes, procura sim tradição, ingredientes e sabor num ambiente bem parisiense com alguma informalidade, e claro o nome de Christian Constant também ajuda.

Com alguns altos e baixos, o sabor e a qualidade dos produtos são uma condição que fazem deste Violon D’Ingres uma aposta mais do que segura para quem quer conhecer e saborear alguns grandes clássicos de cozinha francesa.

Ps – Numa próxima visita temos de provar o famoso Cassoulet do Chef Constant.

Le Violon D’Ingres
(33) 1 45 55 15 05
Rua Saint-Dominique, 135  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Estivemos no Violon D’Ingres a convite da Maison Constant, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.
Graham’s 30 anos gentilmente cedido pela Graham’s Port.

Posted in Restaurantes - França | 2 Responses

Hotel Adèle & Jules

adelejules-21

Paris tem a capacidade de nos brindar com uma diversidade hoteleira que vai muito além da maioria das cidades. Tanto encontramos um hotel com mais de um século de história, como encontramos uma grande cadeia internacional, como encontramos um simples mas extremamente elegante Boutique Hotel. E é sobre este último que vos falo hoje.

O Hotel Adèle & Jules é um acolhedor e charmoso Boutique Hotel de quatro estrelas com poucos meses de existência, que combina o conforto de uma casa de família com o luxo de um hotel.

adelejules-31
É propriedade da família De Lattre, e chegou para se juntar aos “irmãos” mais velhos, os bem sucedidos Hotel Recamier e Hotel Thérèse (ver) também em Paris.

Desenhado pelo gabinete de arquitetura Artefak – Bastie & Behzadi, o hotel está dividido entre dois edifícios repletos de janelas, cada um com a sua sala de pequeno-almoço, o seu bar e os seus 30 quartos. O interior ficou a cargo do famoso designer de interiores Stéphane Poux.

adelejules-29

Primeira Impressão
Localizado no 9º Bairro, com a agitação habitual da cidade, era de esperar que isto se refletisse no hotel, mas não é isso que acontece, o Adèle & Jules está estrategicamente escondido numa calma e pequena ruela que lhe confere um cunho de refúgio.

A elegância e o charme tipicamente parisienses sentem-se ainda mesmo no exterior do hotel, uma fachada branca e ornamentada de janelas.

À entrada, uma pequena e acolhedora receção onde consegue perceber-se na perfeição um estilo urbano, com elementos retro misturados com mobiliário contemporâneo elegante.

adelejules-28

Somos acompanhados à sala que se encontra mesmo ao lado da receção para relaxarmos um pouco enquanto nos fazem o check in. A decoração da sala arrebata-me de imediato!

Uma conjugação de cores vibrantes criando diferentes formas e contrastes entre móveis, peças de arte e paredes. Viemos a perceber que esta é também a área onde os hóspedes podem descontrair, beber algo, e tomar o pequeno-almoço.

adelejules-36

Quartos
Contam-se 60 divididos pelas duas áreas do hotel. São de quatro tipos, o Parisian Superior, Faubourg Deluxe, Boulevard Club e o Capital Junior Suite. Ficamos num Boulevard Club, um espaçoso quarto de 23m2, com mistura de cores onde se destaca o verde, um local eclético, elegante com motivos gráficos combinados com algum exotismo.

adelejules-33
À nossa espera estava um presente, um saboroso chocolate da Angelina, assim com uma carta de boas vindas escrita à mão – algo, infelizmente, tão raro nos dias que correm!

adelejules-34

A casa de banho, lindíssima, num branco imaculado, brindou-nos com os perfumados produtos Fragonard.

adelejules-35

adelejules-27

Restaurante/Bar
O hotel não possui restaurante mas sim um espaço de Bar e Lounge, em jeito de Honesty Bar, perfeito para se relaxar. Num estilo moderno e boémio, marcado pelo exotismo da conjugação de cores, com sofás confortáveis, música interessante e luz suave.

adelejules-22

Aqui tivemos a oportunidade de tomar o pequeno-almoço, e petiscar algo num final de tarde descontraído. Das 16h às 18h os hóspedes podem aproveitar para relaxar enquanto bebem um chá ou um refresco e petiscam algo, tudo complementar à estadia.

adelejules-39

adelejules-25

Serviços
O Adèle & Jules é um quatro estrelas que se comporta quase como um cinco estrelas. Possui Wifi, Lavandaria, Concierge, Serviço de quartos durante o dia, transporte de e para aeroporto ou estação de comboios.

Além disto, possui também um ginásio das 7 às 22h, e a possibilidade de efetuar massagens no quarto.

adelejules-37

Para quem pretende conhecer a cidade, além do hotel organizar programas/excursões culturais, também disponibiliza o aluguer de bicicletas.

Para quem viaja em trabalho ou simplesmente para quem pretende a organização de um evento ou comemoração, o hotel apresenta uma sala com capacidade para 16 pessoas sentadas ou 20 de pé, com uma atmosfera que vai ao encontro do restante hotel e com um bar privado.

adelejules-38

Atendimento
Sorrisos genuínos receberam-nos do princípio ao fim, num ambiente descontraído que bem poderia ser a nossa casa!

Aparentemente somos deixados à vontade, com toda a descrição possível, fazendo com que o maior luxo seja a paz e a serenidade com que tudo decorre no hotel, mas sim, existe sempre alguém atento às nossas necessidades.

adelejules-30

Um hotel que ainda é um bebé, mas com um futuro bem promissor, que se aproxima imenso dos viajantes atuais, que procuram conforto, arte e bem-estar sem nenhum tipo de pretensiosismos.

Até breve!

Hotel Adèle & Jules
Quartos a partir de 215€
2 & 4 bis Cité Rougemont – Paris
+33 1 48 24 60 70 

bonjour@hoteladelejules.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Hotel Adèle & Jules a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Caso necessitem de transportes privados recomendamos o uso da Blacklane, que nos transportou durante os nossos dias em Paris.

Posted in Hotéis | Skomentuj

Paris – Les Tablettes de Jean-Louis Nomicos*

lestablettes-14

lestablettes-14É certo e sabido que hoje a vanguarda espanhola, a cozinha nórdica e até a peruana roubaram o protagonismo da Nouvelle Cuisine francesa dos principais holofotes da gastronomia, como está bem patente em rankings como o The World’s 50 Best Restaurants – concorde-se ou não…

Mas modernismos, tendências e novas formas de comer à parte, o meu fascínio pela cozinha francesa mantêm-se inalterado, seja pela forma como a cozinha de Antonin Carême e Jules Gouffé foi evoluindo no tempo ou como Escoffier, durante o desenvolvimento da Haut Cuisine, conseguiu desenvolver um esquema de brigadas que permanece até hoje quase inalterado na maioria dos grandes restaurantes.  Sem, como é óbvio, esquecer a cozinha de Bocuse, Troisgros, Senderens, Alain Chapel ou Roger Vergé que no seu tempo iniciaram um movimento que mexia com as suas tradições e a sua cozinha.

Por falar no esquema de brigadas de Escoffier, do trabalho árduo e intenso e da hierarquia de uma cozinha, foi assim que Jean-Louis Nomicos, um jovem dos arredores de Marselha que se fez primeiro pasteleiro e mais tarde cozinheiro ao lado de Alain Ducasse, com quem trabalhou por mais de 25 anos, se tornou um chef de renome.

Nomicos acompanhou Ducasse em vários restaurantes até que este lhe entregou a cozinha do lindíssimo La Grande Cascade (ver), onde conquistou a sua primeira estrela e mais tarde do famosíssimo Lasserre (uma das principais instituições gastronómicas de Paris) onde conquistou duas estrelas e permaneceu cerca de 10 anos até dedicir quebrar algumas barreiras e abrir o seu Les Tablettes em 2011, tendo conquistado a sua única estrela desde 2012.

lestablettes-13

Ao estabelecer-se por conta própria, Jean-Louis Nomicos decidiu abandonar o lado clássico e quase imperial da cozinha do Lasserre para abraçar a sua grande paixão e as suas origens, o mediterrâneo, criando uma cozinha mais fresca, mais leve e sedutora sem descorar no rigor e exigência que a sua formação lhe trouxeram.

E isso está bem patente quando entramos no restaurante e rapidamente esquecemos que estamos em Paris e somos transportados até Manhattan ou Londres, dada a decoração mais cosmopolita, as mesas sem toalhas e a fluidez do serviço.

Mas bom, vamos mas é comer que a história já vai longa!

lestablettesAmuse Bouche

Se havia falado em quebra de barreiras e de um novo lado mediterrânico na cozinha de Nomicos, as dúvidas estão desfeitas quando surge na mesa um brilhante pão de trigo sarraceno com azeite (sim, estamos a falar de um restaurante parisiense sem manteiga!), e um pequeno amuse bouche à base queijo Scarmoza, cebola, parmesão, funcho e tomate que ativaram as papilas de forma certeira.

lestablettes-2Sablé de Parmesão, Velouté de courgette , alcachofras, pimento e azeitona
Um prato bem de Verão com legumes frescos e crus a contrastar bem com os aveludados dos cremes e do velouté. Um belíssimo jogo de texturas e sabores que são elevados pelo sablé de parmesão que traz ao prato as notas lácteas e picantes do queijo. Um grande início!

lestablettes-3Salmonete, Tomate zebra e Roma, rouille de açafrão 
Mais um prato de grande elegância e frescura onde mais uma vez se percebe bem o registo de cozinha do chef. Peixe no ponto, com uma capa crocante e delicada acompanhado por fresquissimos tomates zebra e maça verde e uma pasta de tomate Roma de sabor bem intenso, tudo ligado pelo ótimo molho de açafrão. Um grande prato, que evidencia muito bem o respeito pela sazonalidade, sabor e simplicidade dos ingredientes.

lestablettes-4Macaroni de Trufas
Este é o prato que tornou famosa a cozinha de Nomicos no La Grande Cascade e que o tem acompanhado desde então. Um pecaminoso macarrão recheado com trufas, aipo e foie gras, gratinado com bechamel e regado com um indescritível molho de carne e trufas. O prato é comida de conforto elevada ao extremo, daqueles que não se esquecem facilmente e que anseio provar numa altura em que as Trufas estejam no seu auge. Delicioso!

lestablettes-5 E como o funcionário lá leu os meus pensamentos deixou-me a pequena caçarola com os resto do molho para eu dar uso pão.

A harmonizar com os primeiros pratos esteve um Viognier 2015, Marius, de Michel Chapoutier. Um vinho modesto e sem grande história, onde sobressaem notas de flores brancas e pera, ganhando na boca com uma interessante frescura e uma estrutura que beneficia com a comida.

lestablettes-7 Filet mignon de raça Salersberingela, batatas soufflée e molho provençal
Mais um prato irrepreensível ainda que no que toque a surpresa e sabor estivesse uns pontos abaixo dos anteriores. Carne  saborosa e no ponto ainda que sem grande destaque, que vai direto para o ótimo molho provençal e as fantásticas batatas soufflée, que certamente deixam qualquer cozinheiro com os nervos à flor da pele.

No copo esteve um Côtes du Rhône Parallèle 45 de 2014 , o entrada de gama de casa Paul Jaboulet Aîné, que se apresentou fácil, com uma cor elegante e um corpo fino, cheio de frutos vermelhos e umas notas de especiarias no final que benificiou a carne e o molho. Uma harmonização simples e sem comprometer!

lestablettes-10Parece que algo de especial está para vir!

lestablettes-8Frutos Vermelhosemulsão de formage Blanc e gelado de framboesa e manjericão
À primeira vista não parece uma sobremesa criada com base na pastelaria francesa, mas ao metermos a primeira colherada na boca rapidamente se percebe que estão lá todos os predicados para uma ótima sobra, e fresca como gosto, excelente textura do gelado, equilíbrio de doçura e a untuosidade do queijo com laivos de frescura e acidez da zeste de lima. Um belo final.

Mas, ainda é cedo para irmos embora, e com a sala já praticamente vazia foi tempo de uns gulosos e deliciosos petit fours enquanto discutimos um pouco com o escanção os benefícios de servir o Porto a temperaturas  mais baixas, provando o elegante e refinado Graham’s Tawny 30 anos que não deixa ninguém indiferente. Um vinho que se enquadra muito bem no gosto francês para vinhos fortificados.

lestablettes-11

lestablettes-9petit fours – baba ao rum, chocolate e caramelo e mascarpone com manjericão

O serviço de sala acompanha a “descontração” da cozinha, bem diferente da anterior casa de Nomicos, com um sorriso no rosto mas com interessante rigor e precisão mascarados de alguma informalidade.

Considerações Finais
Jean-Louis Nomicos criou no seu Les Tablettes um destino gastronómico de referência em Paris sem se deixar levar pelo seu passado mais clássico e em jeito de Nouvelle Cuisine. Abraçou a sua origem e os sabores mediterrânicos e provençais com que foi criado e criou uma carta com um certo lado feminino de elegância e refinamento.

Talvez por isso tenha sido o escolhido para comandar a cozinha do Frank, o restaurante desenhado por Frank Gehry na Fundação Louis Vuitton.

Os preços são os habituais para este nível de restaurante na cidade Luz, mas o Les Tabletettes apresenta uma das melhores opções estreladas ao almoço com o menu “Club” servido por 58€ (entrada, prato, queijo, sobremesa, café e vinho).

Um destino obrigatório!

Les Tablettes de Jean-Louis Nomicos
(33) 1 56 28 16 16
Avenue Bugeaud, 16  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Estivemos no Les Tablettes a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.
Graham’s 30 anos gentilmente cedido pela Graham’s Port.

 

Posted in Restaurantes - França | Otagowano jako , , , , , , | Skomentuj

Paris – Shang Palace* – Hotel Shangri-la Paris

shangpalace-15

A abertura de um hotel de luxo Paris vai muito além do glamour da sua inauguração ou da quantidade e qualidade das camas oferecidas, mais ainda quando se trata de um Palace Hotel, cuja a assinatura vem com o nome de um grupo asiático, olhado na altura com uma certa desconfiança, ou não estivéssemos a falar da capital do luxo e do serviço de qualidade.

Mas a verdade é que hoje são os Asiáticos o novo Benchmark no que diz respeito a hospitalidade, e o Shangri-La Paris (ver) foi um dos primeiros hotéis a demonstrar isso mesmo.

E se o hotel já me havia fascinado no passado, a vontade de conhecer a cozinha do seu Shang Palace foi crescendo, enquanto ia aguardando por um regresso à cidade luz.

O restaurante revolucionou a forma como a cozinha chinesa era vista na cidade, desde a sua abertura em 2011, traçando para os pratos de cozinha cantonesa o mesmo nível de exigência e de qualidade de qualquer grande restaurante de Haute cuisine de Paris, tornando-se rapidamente no primeiro restaurante chinês a conquistar uma estrela no guia michelin Francês.

shangpalace-13

Quanto à decoração, e à semelhança do restante hotel, nada foi deixado ao acaso, fazendo com que ao entrarmos no restaurante façamos uma viajem no espaço até uma sumptuosa mesa que poderia estar em qualquer capital asiática. Os dourados, a madeira, as lindíssimas peças de decoração ou até mesmo a música ao vivo entoada por uma lindíssima harpa chinesa, nada falha!

E assim numa mistura de exaltação e ansiedade lá nos instalamos e analisamos o extenso menu a cargo do jovem talento Samuel Lee Sum, que depois de vários anos no grupo Shangri-la assumiu a exigente cozinha do restaurante de Paris.

shangpalace-2Salmão “Lo Hei”
E não tardou a surgir na mesa o primeiro prato, um clássico do restaurante, o Lo Hei, um prato tipicamente servido no ano novo chinês, com tiras de peixe cru, servidas com uma série de legumes laminados e um delicioso molho de sésamo e amendoim, representando assim prosperidade, abundância e vigor. Uma excelente forma de começar a noite com uma combinação simples e rica em sabores e texturas.

shangpalaceTomate cherry, molho de ameixa e menta e manjericão tailandês
Entretanto surgem na mesa alguns pratos que servem também de acompanhamento, como estes fantásticos tomates cherry, sem pele e marinados, com molho de ameixa, menta e manjericão tailandês, resultando num conjunto fresco com um excelente equilíbrio de acidez e doçura.

shangpalace-3Rolo de couve marinada, molho de mostarda
Couve cozida e marinada, com um molho excelente de mostarda, picante e ácido quanto baste. Muito bom!

shangpalace-4Lula frita com molho de lima, pomelo e zestes de limão 
Molusco com grande fritura, seco e crocante com o interior ainda húmido e com a textura certa, acompanhado por um molho cheio de elegância e frescura que corta na perfeição toda a untuosidade da fritura.

shangpalace-5Leitão crocante, panqueca de camarão e caviar
Um prato que revela toda a técnica e rigor com que trabalham associado à alta qualidade dos ingredientes. Uma levíssima panqueca à base de camarão  com muito pouca farinha, com uma fina e super crocante camada de leitão e o sumptuoso caviar. Um conjunto terra mar, que conjuga a doçura do camarão e do porco com o sal e mar do caviar. Um prato de extrema elegância que não apetece parar de comer. Delicioso!

shangpalace-6Carabineiro, favas,  cantarelos, espuma de clara de ovo e gelatina de álcool
Carabineiro cozinhado na perfeição, num prato que foge daquilo que habitualmente conhecemos da cozinha chinesa. Uma combinação aparentemente estranha de elementos que no final resulta num conjunto interessante – bom jogo de texturas e sabores com destaque para a leveza da espuma que tapa o fundo do prato.

A harmonizar esteve um branco de Sancerre, um 2015 do Domaine Vacheron, um vinho de produção orgânica, bem seco, ao contrário dos vinhos que dão fama à região, 100% Sauvignon Blanc, com um nariz bem aromático e uma boca rica em que a mineralidade e a acidez ganham destaque. Muito bom!

shangpalace-7Feijão Verde salteado, porco picado e molho XO
Adoro os habituais legumes salteados dos bons restaurantes chineses e aqui isso foi levado a um alto extremo, feijão tenro e estaladiço, picante e com um excelente XO (molho afamado da cozinha de Hong Kong à base de mariscos secos), conjugado com porco picado que dá volume e sabor ao prato. Top!

shangpalace-17Sopa de cogumelos
É-me impossível resistir a um bom caldo, e aqui não foi excepção, com um límpido e saboroso caldo de aves enriquecido com cogumelos, onde se destaca o estranho e peculiar véu de noiva, e pequenas couves pak-choi. Um prato delicado e saboroso como todas as boas sopas devem ser.

shangpalace-9Arroz “Shang Palace” em Folha de lótus
O aparentemente “pobre” e tradicional prato de arroz é uma das marcas de assinatura, e à primeira prova percebe-se bem porquê! O sabor é quase indescritível e é certamente um dos melhores pratos de arroz que já provei. Enriquecido com camarão, frango, pato e vegetais é certamente na marinada ou caldo em que é cozinhado que se guarda o segredo de um arroz impossível de parar de comer…

shangpalace-8Vitela Charolesa, cogumelos do cardo, chalotas e cebolinhas 
Um salteado no Wok, com uma carne suculenta e saborosa bem ladeada pelo cogumelo e os vegetais. Um prato clássico da cozinha chinesa em que o molho que liga todos os elementos ganha destaque, assim como o contraste de texturas conseguido com o “ninho” crocante.

shangpalace-10Creme de Amêndoa em crosta de sésamo
Para terminar a já longa degustação eis que chega a mesa outro dos clássicos, uma esfera  crocante meticulosamente conseguida, à base de sésamo, água e farinha (e muito provavelmente um pouco de banha??) que esconde no seu interior uma espécie de leite creme feito com leite de amêndoa. Leve, quente e muito, muito delicado !

No copo esteve um borgonhês Morey-Saint-Denis 2013 de François Feuillet, um tinto leve e elegante que cumpriu bem com a harmonização com pratos exigentes como o salteado de charolesa.

Por falar em vinhos, a carta é uma daquelas que impressiona, com todas as grandes referências francesas com destaque para a Borgonha e Bordéus, onde não faltam várias colheitas dos principais nomes mundiais.

O serviço decorreu sem falhas à boa maneira dos grandes restaurantes parisienses, com a equipa de sala a demonstrar um grande conhecimento sobre os pratos, além de todo o rigor técnico – Vê-los preparar um Pato à Pequim na mesa do lado foi um pequeno deleite.

Mas porque ainda havia tempo e estômago para um momento final, nada melhor do que brindar a um grande jantar com um pouco de Portugal, pelo que levamos connosco um belíssimo Graham’s 30 anos que serviu de mote para um brinde e dois dedos de conversa com o chef Samuel Lee.

shangpalace-11Graham’s 30 anos complementados na perfeição por tiras de gengibre doce com chocolate

E são momentos como este, em que podemos fazer brilhar um pouco da nossa cultura junto de outras tão distintas, que fazem tudo valer a pena. Um grande vinho que viria mais tarde a surpreender não só o chef (habituado ao Porto apenas na cozinha) como a exigente equipa de sala e escanção.

shangpalace-14

Considerações Finais 
Gosto de acreditar que o Ocidente começa a abrir os olhos para a alta cozinha asiática e muito especificamente para a chinesa, que é garantidamente uma das mais ricas e evoluídas cozinhas do mundo, mas que vai perdendo pontos por ser vista como low cost e com produtos de baixa qualidade. Mas são restaurantes como este Shang Palace ou o grupo Hakkasan em Londres (ver), que redefinem essa conotação da cozinha chinesa, posicionando-a no lugar de destaque em que esta merece estar. Agora, resta-nos a esperança de voltar para conhecer o menu de Dim Sum (uma das minhas perdições) apenas disponível ao almoço.

Um restaurante especial e imperdível, que nos transporta para outro lado do mundo por algumas horas. Ao nível do que de melhor a cidade tem para oferecer!

Shang Palace – Shangri-la Paris
(33) 1 536 7992
Avenue d’Iéna, 10  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Estivemos no Shang Palace a convite do Shangri-la Paris, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.
Graham’s 30 anos gentilmente cedido pela Graham’s Port.

Posted in Restaurantes - França | Skomentuj

A Cabify já está no Porto!

cabifyO luxo ao serviço dos transportes privados

Somos ávidos consumidores de novos meios de transporte que incluam conforto, requinte e muita qualidade de serviço, por isso depois de muitos utilizações da Uber e da Blacklane (no estrangeiro) é com bons olhos que vemos a chegada da Cabify ao Porto.

Depois de quatro meses de sucesso em Lisboa é a vez do Grande Porto receber esta nova aplicação de mobilidade que difere um pouco da tão conhecida Uber. Mas vejamos essas diferenças:

– A 1ª grande diferença é o Preço – não que seja propriamente mais caro ou mais barato, mas na Cabify pagamos sempre o valor que é estipulado ao efectuarmos a reserva, o que se torna uma vantagem com o trânsito que tende a aumentar cada vez mais no centro da cidade. Assim sabemos sempre quanto iremos pagar antes de iniciarmos a viagem!

– A 2ª diferença, e a meu ver uma das suas grandes vantagens, é a hipótese de efectuar uma Reserva. Podendo assim preparar de antemão uma viagem sem entraves de horas ou disponibilidade de viaturas.

– 3ª, mas não menos importante, é a frota de viaturas prontas a estrear que fazem o serviço “normal” da Cabify, veículos que noutros serviços estão apenas incluídos nas versões premium.

cabify-2

Mas aqui o que interessa mesmo é experimentar e por isso associamo-nos à Cabify para vos oferecer um voucher de 12€ para a vossa primeira viagem com a aplicação.

Para isso basta fazerem o download da aplicação aqui:

cabify

Fazerem o registo habitual e depois colocarem o código FLAVORS&SENSES na secção Promoções.

Agora apressem-se porque o voucher só é válido até dia 15 de Outubro de 2016.

Posted in Passatempos | Otagowano jako , , , | Skomentuj

Hotel Marignan Champs-Elysées

hmarignan-5

Localizado no coração do Triângulo de Ouro, no 8º bairro, entre a Avenue Montaigne, Champs-Elysées e a Avenue George V, o Hotel Marignan é uma verdadeira obra-prima do estilo contemporâneo.

O Marignan remonta a sua história ao século XVIII, quando ainda era uma residência privada, tendo sido também utilizado como embaixada, até que em 1920 se transformou num Palace Hotel.

hmarignan-15

A frase que melhor define este hotel está presente na grande escadaria desde o século XIX, “Que esta casa seja preenchida com verdadeiros amigos!” e foi preservada, não só a escadaria mas também o lema, pela proprietária Natalie Richard, que desde 2004 comanda o lema deste emblemático hotel.

hmarignan-13
Com a ajuda do arquiteto Pierre Yovanovitch, Natalie revitalizou o hotel respeitando a sua história e a arquitetura francesa, mas dando-lhe um toque que excede completamente o luxo contemporâneo.

hmarignan-14

Primeira Impressão
Eu fico extremamente entusiasmada quando sei que vou ficar hospedada num Hotel Design, mas tendo vindo recentemente duma viagem marcada (num dos hotéis) pelo design do carismático Philippe Stark (ver), a expectativa era bastante elevada. Pelas fotos, o Marignan parecia-me deslumbrante, por isso a curiosidade adensava-se à medida que chegávamos próximos do hotel.

hmarignan-16
Quando finalmente chegamos fomos recebidos por dois simpáticos funcionários que nos abriram a imensa porta escura e espelhada que nada deixava antever o que se seguia, transformando a experiência num momento bem intimista e discreto.

E quando a porta se abriu fomos agraciados com um Lobby de cortar a respiração! Um estilo contemporâneo (muito na linha dos trabalhos de Philippe Stark) onde se misturam uma mobília nitidamente feita por medida com obras de arte e objetos de design, criteriosamente combinados para criar um estilo gráfico que vai muito além de contemporâneo habitual.

hmarignan-12

O staff da receção, que se encarregou do nosso check in, recebeu-nos como se fossemos amigos de longa data, a experiência começou da forma mais descontraída possível mas com um toque de luxo típico de Paris. Daqui fomos levados ao quarto, tendo assim a oportunidade de ir percorrendo a histórica escadaria, perfeitamente preservada e que nos vai surpreendendo com as suas inscrições.

hmarignan

Quartos
São 45 e de cinco categorias distintas, Première, Deluxe, Eiffel Tower Deluxe, Prestige Deluxe, e Eiffel Tower Prestige. E cinco Suites, de três tipos, Prestige, Eiffeil Terrace e Marignan Eiffel, estas duas últimas com um terraço tipicamente parisiense e vistas deslumbrantes para a Torre Eifel.

hmarignan-3

Ficamos num quarto Deluxe, que bem se poderia chamar de apartamento! Um duplex, onde caberiam facilmente 4 pessoas, há ainda alguns Deluxe que são apropriados para amantes de desporto pois contêm equipamento de ginásio no próprio quarto.

hmarignan-6
O quarto segue a mesma decoração do todo o hotel, estilo contemporâneo com peças criadas especialmente para o hotel, com um charme e elegância sem igual e com um cunho deveras extravagante.

hmarignan-21
A casa de banho também não dispensa os luxos, com ótimas toalhas, roupões e os ótimos produtos da Guerlain.

À nossa disposição temos também café e chá.

hmarignan-7

Restaurantes/Bares
O hotel conta com dois espaços, o restaurante Nubé, e o Le Bar.
O restaurante está a cargo do jovem chefe colombiano Juan Arbelaez, que nos traz sabores de todo o mundo conjugados num ambiente informal e descontraído mantendo a alta cozinha bem presente. O nome do restaurante significa nuvem em espanhol e pretende personificar a atmosfera duma “refeição nas nuvens”!

hmarignan-8
A decoração do restaurante remete-nos para um autêntico jardim secreto, mais uma vez pelas mãos de Pierre Yovanovitch, tudo isto sob a proteção de suspensão em forma de nuvem, uma instalação assinada por Céline Wright. Aqui é o local certo para nos afastarmos da azáfama do dia-a-dia da cidade. A equipa tem também um papel bastante preponderante nesta experiência, mostrando-se descontraída e animada!

O restaurante serve todas as refeições do dia.

hmarignan-9
Quanto ao Le Bar ou “Simone Veille” Bar, é um verdadeiro ex-libris do hotel e de Paris, um ambiente extremamente cosmopolita, elegante e intimista, com cocktails ou mocktails de assinatura, ideal para um fim de tarde animado.

hmarignan-19

Serviços
Além de todos os serviços típicos dum hotel de luxo, como Concierge, Wi-Fi, Lavandaria, Serviço de Quartos 24/24, Serviço de Babysitter e Motorista Privado, o Marignan conta com algumas experiências únicas.

O serviço que mais distingue o hotel dos seus semelhantes é talvez a elegante sala de cinema com capacidade para 40 pessoas, e que serve para variadíssimos efeitos, seja para a sua funcionalidade principal, como assistir a um bom filme, seja para conferências ou congressos.

Outra das opções para diferentes eventos, é a utilização do Le Bar ou do restaurante Nubé, ou melhor ainda, de uma das suites com terraço direcionado para a Torre Eifel!

hmarignan-11

Atendimento
Como já fui referindo ao longo do texto, o que mais me agradou no atendimento do Marignan foi a capacidade que o staff tem de ser descontraído sem deixar de lado a elegância.

Isto por norma é típico dum hotel design, em que o atendimento vai ao encontro da decoração, ou seja, descontraído, mas extremamente personalizado e despretensioso.

No fundo, no Marignan sentimo-nos na casa de férias dos amigos de longa data, há simpatia, sinceridade, e diversão a cada momento.

hmarignan-17

O Hotel Marignan conjuga duas das coisas que mais me fascinam, história e arte!

É incrível o trabalho levado a cabo por Nathalie Richard e a sua equipa, que devolveu alma ao local sem alterar a sua história. A combinação dum ambiente cosmopolita com estilo contemporâneo num edifício com séculos de vida é algo brilhante.

Tudo isto aliado a uma equipa atenta, dinâmica e simpática é um sucesso garantido!

Hotel Marignan 
Quartos a partir de 250€
Rua de Marignan, 12 – Paris
+33 1 40 76 34 56
reservation@hotelmarignan.fr

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Hotel Marignan a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Caso necessitem de transportes privados recomendamos o uso da Blacklane, que nos transportou durante os nossos dias em Paris.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , , , | Skomentuj

Hotel de Vendôme

hvendome

A Place Vendôme é um dos locais mais belos e luxuosos de Paris, é um dos templos da joalharia francesa, da alta costura, das galerias de arte e da hotelaria, além de ser um dos meus locais preferidos, onde já tivemos também uma das nossas melhores experiências em hotéis (ver).

A sua proximidade à Ópera e ao Museu do Louvre, as diferentes lojas, os diversos hotéis de luxo e a atmosfera elegante fazem com que esta praça seja das mais requisitadas na cidade.

hvendome-13

O Hôtel de Vendôme é um verdadeiro marco histórico nesta praça, ocupando o espaço nº 1 da mesma. Foi construído em 1723 pelo mesmo arquiteto do Palais de l´Élysée, Armand-Claude Mollet, para Pierre Perrin, o secretário do famoso Rei Sol (Louis XIV) e tornou-se no primeiro hotel de luxo de Paris. Desde então já foi, então, uma residência privada, a sede de escritórios e a embaixada da República do Texas (em 1842).

O hotel deve o seu nome à localização, já que em 1685 Louis XIV comprou a mansão do Duque de Vendôme para construir aquela que viria a ser uma das praças mais mediáticas da capital francesa.

hvendome-27

Primeira Impressão
Quando encontramos um local numa das mais belas praças de Paris, que reúne três séculos de arte, cultura e luxo sabemos que a experiência vai correr da melhor forma e quando a isso se junta uma receção tão calorosa que nos faz sentir em casa, então é a perfeição!

Logo à entrada do hotel somos agraciados com uma acolhedora recepção de decoração única e elegante, com um certo charme dos anos 20 e da gloriosa Belle Époque!

Fomos rapidamente encaminhados ao quarto e vamos observando toda a atmosfera de glamour à nossa volta.

hvendome-24 O charmoso elevador central do Hotel

hvendome-3

Quartos
Contam-se 29, 19 quartos e 10 suites. Ficamos numa Junior Suite cujos luxuriosos 40m2 me fizeram render de imediato. Um local elegante e de decoração clássica. Uma sala enorme, onde predominava a madeira e os tons verdes e vermelhos/bordeaux, ornamentada com confortáveis poltronas e sofás aveludados. Um quarto no mesmo estilo, com uma cama confortável e uma janela que ostentava cortinas que desciam dos céus e se abriam para a agitada Rue Saint Honoré!

hvendome-9

   hvendome-10       hvendome-8       hvendome-12

hvendome-20

Restaurante
O único restaurante do hotel, o 1Place de Vêndome, tem todas as funcionalidades necessárias, seja para servir todas as refeições ao longo do dia, seja para eventos, seja como bar.

E podemos dizer que este local é o ex libris do Hotel.

Um ambiente completamente cosy mas com a elegância da decoração Dior Grey, onde predomina o cinza, como o próprio nome indica, conjugado com o rosa, uma combinação perfeita e que faz desta sala umas das mais bonitas que já vi.

hvendome-23
A cozinha está a cargo do jovem chefe Josselin Marie que combina a alta cozinha com produtos frescos e tradicionais.

O restaurante serve ainda de sala de pequeno almoço, onde pudemos começar o dia com uma ótima selecção de produtos.

hvendome-22

Serviços
Como seria de esperar, o Hotel de Vêndome oferece todos os serviços comuns dum hotel cinco estrelas, desde Concierge, serviço de quartos 24h/dia, lavandaria, Wi-Fi, motorista privado, parque de estacionamento.

Apesar de não possuir spa, possui serviço de massagem e tratamentos realizados no próprio quarto e um contrato com um Spa privado instalado junto ao Hotel.

hvendome-16

Para quem pretende a realização de eventos, conferências ou reuniões tem uma sala de 160m2, a Belle Époque, preparada para vários tipos de funcionalidades, ou então, para celebrações e eventos de comemoração ou de negócios tem sempre a belíssima sala do 1 Place de Vêndome.

E claro, porque a praça é famosa pelos seus joalheiros, não podia faltar nas instalações do hotel uma magnífica loja da Chopard.

hvendome-21

Atendimento
O atendimento de luxo em Paris nunca desilude, e o Hotel de Vêndome provou isso mais uma vez.

Um sorriso genuíno que nos recebeu como se fossemos da família, uma preocupação em falar algumas palavras básicas de língua portuguesa para alegrar a nossa estadia, e uma atenção constante aos detalhes.

Um hotel de charme, membro do grupo Small Luxury Hotels of The World, de dimensões mais pequenas que os habituais gigantes da hotelaria de luxo, mas onde nos sentimos em casa, um espaço de elegância, um local com séculos de história, e sobretudo com uma das melhores localizações da cidade, tudo isto é o Hotel de Vêndome!

hvendome-26

Hotel de Vêndome
Quartos a partir de 319€
Place Vêndome, 1 – Paris
+33 1 55 04 55 00
reservations@hoteldevendome.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Hotel de Vêndome a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Caso necessitem de transportes privados recomendamos o uso da Blacklane, que nos transportou durante os nossos dias em Paris.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , , , | Skomentuj