Linguini alla Amatriciana

Numa altura em que o “Álvaro” (como gosta de ser chamado) fala na exportação do Pastel de nata, infelizmente julgava-o um pouco mais genial,  a cozinha italiana continua a sua exportação, essa sim bem feita e com benefícios para os produtos Italianos. Na base dessa exportação estão as suas pizzas, as pastas e os seus tradicionais molhos. Um desses Molhos é o Amatriciana, originário da cidade de Amatrice na zona montanhosa da região de Lázio, é hoje um dos mais emblemáticos pratos da cozinha Romana quando servido com Bucatini ( massa tipo de entremeada).

Linguini alla Amatriciana

Para 2 pessoas
180 gr de Linguini
250 gr de tomate pelado em lata
90 gr de Guanciale, pancetta ou bacon*
40 gr de queijo Pecorino Romano**
1 cálice de vinho branco seco
1 fio de azeite
q.b. sal
q.b. pimenta preta
q.b. malagueta
q.b. água da cozedura da massa

Cortar o Guanciale em pequenos lardos (pedaços verticais que intercalem carne com gordura), cortar os tomates e colocar a água a ferver com sal (juntar a massa quando a água ferver).
Num Sauté saltear o Guanciale com um fio de azeite,quando estiverem bem cozinhados juntar a malagueta, o tomate e deixar cozinhar um pouco.
Refrescar com o vinho branco e deixar cozinhar em lume brando.
Temperar com pimenta e sal e caso seja necessário juntar um pouco da água de cozer a massa.
Quando a massa estiver al dente, passar de imediato para o sauté, juntar um pouco de água e mexer bem.
Juntar 30 gr do queijo ralado, aos poucos, mexendo sempre para incorporar o molho e a massa.
Retificar temperos.
Servir com o restante queijo.

Nota
* Guanciale é um tipo de charcutaria italiano semelhante ao bacon mas feito com as bochecas, sendo uma carne mais delicada. No entanto pode usar um bacon normal para esta receita.
** O Queijo usado na cidade de Roma é o Pecorino Romano ou o Pecorino Amatrice (menos picante), são queijos dificeis de encontrar nas lojas Portuguesas pelo que pode ser substituido por um bom Machego ou Parmigiano-Reggiano.

This entry was posted in Massas/Arroz and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

6 Comments

  1. Posted Janeiro 16, 2012 at 2:27 pm | Permalink

    A cor deste Linguini alla Amatriciana está lindissima, a convidar todo e qualquer garfo!

    Podiamos de facto exportar muita coisa em Portugal, a começar pela nossa culinária, tão rica, saborosa e variada. É com alguma tristeza que leio livros sobre culinária mundial e contam-se pelos dedos as referências a Portugal, enquanto que Espanha e Itália nos passam a perna enquanto o diabo esfrega um olho. Para já encontrei a excepção no “Dicionário de sabores”, que tem (até onde li) algumas referências a pratos e combinações portuguesas…

    • Posted Janeiro 16, 2012 at 5:35 pm | Permalink

      Olá Ondina.
      Obrigado pelas palavras. É verdade, tenho a versão inglesa do livro e felizmente tem algumas referências nossas. No que diz respeito a exportação o nosso país é limitado, exportamos bem no passado o nosso conceito de padaria para a América Latina, mas isso ao contrário do que pensa o sr Alvaro nada traz para a ecomonia nacional, e no que diz respeito à cozinha tradicional Portuguesa se infelizmente nos povo português mal a respeitamos, quanto mais exportar.

  2. Posted Janeiro 16, 2012 at 6:32 pm | Permalink

    Temos uma culinária tão rica, tão variada e tão equilibrada, que merecia, de facto, uma exportação em massa! Um país tão pequeno, mas tão diverso nas tradições. Até há bem pouco tempo (uns 30 anos, vá), as tradições gastronómicas, por exemplo, do Natal, eram totalmente diferentes consoante a região. Do prato principal da Ceia, (bacalhau com todos, polvo, açorda de bacalhau, pasteis de bacalhau…) às sobremesas (aletria vs arroz doce, rabanadas vs coscorões etc e tal) tudo é riqueza exportável!…
    Os italianos fazem isso muito bem…. E a pasta alla amatriciana é disso um bom exemplo!
    Babette

    • Posted Janeiro 16, 2012 at 11:25 pm | Permalink

      Olá Babette,
      Eu acho que o grande problema de Portugal é não achar que nada nacional é bom, mudamos facilmente os hábitos alimentares por aquilo que vem de fora e não era preciso… temos restaurantes que vendem tapas quando deveriam vender petiscos… digo eu! mas contra mim falo nesse campo… O problema é cultural e isso verifica-se bem no vestuário e calçado, as marcas nacionais mais famosas tem de se valer de nomes estrangeiros para venderem por cá, ainda hoje existem pessoas que acham que Sacoor e Fly London são marcas “lá de fora”. o português tende a não gostar da sua identidade.

  3. Juliana Furtado
    Posted Março 10, 2012 at 4:17 pm | Permalink

    Olá
    sou brasileira e li os comentários sem nenhuma surpresa, pois o Brasil sendo filho de Portugal apresenta os mesmos erros… por aqui também se valoriza mais o que vem de fora e esquecem-se as raízes…
    Mas tenho que discordar de uma coisa: Portugal exporta boa cozinha sim!!! Pode não ter a mesma influência que a cozinha Italiana, mas é impossível esquecer a Bacalhoada Portuguesa, os maravilhosos doces como Pastel de Belém, quindim, ambrosia, etc…
    Talvez a maior dificuldade esteja no fato de que a cozinha portuguesa é mais lenta, e hoje em dia tudo é apressado…e a culinária italiana se presta mais a isso…

    • Posted Março 12, 2012 at 11:25 am | Permalink

      Olá Juliana,
      eu concordo que Portugal exporta boa comida e que não é uma cozinha fácil, contudo acho que não a exporta da forma correcta. No Brasil é claramente mais fácil, e algumas coisas portuguesas fazem imenso sucesso por lá, eu acho é que se apresenta mal ao mundo, mas as coisas começam a mudar.

      Obrigado pelo comentário,
      João Oliveira

Napisz odpowiedź na Babette. Anuluj odpowiedź

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*