Hotel Adèle & Jules

adelejules-21

Paris tem a capacidade de nos brindar com uma diversidade hoteleira que vai muito além da maioria das cidades. Tanto encontramos um hotel com mais de um século de história, como encontramos uma grande cadeia internacional, como encontramos um simples mas extremamente elegante Boutique Hotel. E é sobre este último que vos falo hoje.

O Hotel Adèle & Jules é um acolhedor e charmoso Boutique Hotel de quatro estrelas com poucos meses de existência, que combina o conforto de uma casa de família com o luxo de um hotel.

adelejules-31
É propriedade da família De Lattre, e chegou para se juntar aos “irmãos” mais velhos, os bem sucedidos Hotel Recamier e Hotel Thérèse (ver) também em Paris.

Desenhado pelo gabinete de arquitetura Artefak – Bastie & Behzadi, o hotel está dividido entre dois edifícios repletos de janelas, cada um com a sua sala de pequeno-almoço, o seu bar e os seus 30 quartos. O interior ficou a cargo do famoso designer de interiores Stéphane Poux.

adelejules-29

Primeira Impressão
Localizado no 9º Bairro, com a agitação habitual da cidade, era de esperar que isto se refletisse no hotel, mas não é isso que acontece, o Adèle & Jules está estrategicamente escondido numa calma e pequena ruela que lhe confere um cunho de refúgio.

A elegância e o charme tipicamente parisienses sentem-se ainda mesmo no exterior do hotel, uma fachada branca e ornamentada de janelas.

À entrada, uma pequena e acolhedora receção onde consegue perceber-se na perfeição um estilo urbano, com elementos retro misturados com mobiliário contemporâneo elegante.

adelejules-28

Somos acompanhados à sala que se encontra mesmo ao lado da receção para relaxarmos um pouco enquanto nos fazem o check in. A decoração da sala arrebata-me de imediato!

Uma conjugação de cores vibrantes criando diferentes formas e contrastes entre móveis, peças de arte e paredes. Viemos a perceber que esta é também a área onde os hóspedes podem descontrair, beber algo, e tomar o pequeno-almoço.

adelejules-36

Quartos
Contam-se 60 divididos pelas duas áreas do hotel. São de quatro tipos, o Parisian Superior, Faubourg Deluxe, Boulevard Club e o Capital Junior Suite. Ficamos num Boulevard Club, um espaçoso quarto de 23m2, com mistura de cores onde se destaca o verde, um local eclético, elegante com motivos gráficos combinados com algum exotismo.

adelejules-33
À nossa espera estava um presente, um saboroso chocolate da Angelina, assim com uma carta de boas vindas escrita à mão – algo, infelizmente, tão raro nos dias que correm!

adelejules-34

A casa de banho, lindíssima, num branco imaculado, brindou-nos com os perfumados produtos Fragonard.

adelejules-35

adelejules-27

Restaurante/Bar
O hotel não possui restaurante mas sim um espaço de Bar e Lounge, em jeito de Honesty Bar, perfeito para se relaxar. Num estilo moderno e boémio, marcado pelo exotismo da conjugação de cores, com sofás confortáveis, música interessante e luz suave.

adelejules-22

Aqui tivemos a oportunidade de tomar o pequeno-almoço, e petiscar algo num final de tarde descontraído. Das 16h às 18h os hóspedes podem aproveitar para relaxar enquanto bebem um chá ou um refresco e petiscam algo, tudo complementar à estadia.

adelejules-39

adelejules-25

Serviços
O Adèle & Jules é um quatro estrelas que se comporta quase como um cinco estrelas. Possui Wifi, Lavandaria, Concierge, Serviço de quartos durante o dia, transporte de e para aeroporto ou estação de comboios.

Além disto, possui também um ginásio das 7 às 22h, e a possibilidade de efetuar massagens no quarto.

adelejules-37

Para quem pretende conhecer a cidade, além do hotel organizar programas/excursões culturais, também disponibiliza o aluguer de bicicletas.

Para quem viaja em trabalho ou simplesmente para quem pretende a organização de um evento ou comemoração, o hotel apresenta uma sala com capacidade para 16 pessoas sentadas ou 20 de pé, com uma atmosfera que vai ao encontro do restante hotel e com um bar privado.

adelejules-38

Atendimento
Sorrisos genuínos receberam-nos do princípio ao fim, num ambiente descontraído que bem poderia ser a nossa casa!

Aparentemente somos deixados à vontade, com toda a descrição possível, fazendo com que o maior luxo seja a paz e a serenidade com que tudo decorre no hotel, mas sim, existe sempre alguém atento às nossas necessidades.

adelejules-30

Um hotel que ainda é um bebé, mas com um futuro bem promissor, que se aproxima imenso dos viajantes atuais, que procuram conforto, arte e bem-estar sem nenhum tipo de pretensiosismos.

Até breve!

Hotel Adèle & Jules
Quartos a partir de 215€
2 & 4 bis Cité Rougemont – Paris
+33 1 48 24 60 70 

bonjour@hoteladelejules.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Hotel Adèle & Jules a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Caso necessitem de transportes privados recomendamos o uso da Blacklane, que nos transportou durante os nossos dias em Paris.

Posted in Hotéis | Skomentuj

Paris – Les Tablettes de Jean-Louis Nomicos*

lestablettes-14

lestablettes-14É certo e sabido que hoje a vanguarda espanhola, a cozinha nórdica e até a peruana roubaram o protagonismo da Nouvelle Cuisine francesa dos principais holofotes da gastronomia, como está bem patente em rankings como o The World’s 50 Best Restaurants – concorde-se ou não…

Mas modernismos, tendências e novas formas de comer à parte, o meu fascínio pela cozinha francesa mantêm-se inalterado, seja pela forma como a cozinha de Antonin Carême e Jules Gouffé foi evoluindo no tempo ou como Escoffier, durante o desenvolvimento da Haut Cuisine, conseguiu desenvolver um esquema de brigadas que permanece até hoje quase inalterado na maioria dos grandes restaurantes.  Sem, como é óbvio, esquecer a cozinha de Bocuse, Troisgros, Senderens, Alain Chapel ou Roger Vergé que no seu tempo iniciaram um movimento que mexia com as suas tradições e a sua cozinha.

Por falar no esquema de brigadas de Escoffier, do trabalho árduo e intenso e da hierarquia de uma cozinha, foi assim que Jean-Louis Nomicos, um jovem dos arredores de Marselha que se fez primeiro pasteleiro e mais tarde cozinheiro ao lado de Alain Ducasse, com quem trabalhou por mais de 25 anos, se tornou um chef de renome.

Nomicos acompanhou Ducasse em vários restaurantes até que este lhe entregou a cozinha do lindíssimo La Grande Cascade (ver), onde conquistou a sua primeira estrela e mais tarde do famosíssimo Lasserre (uma das principais instituições gastronómicas de Paris) onde conquistou duas estrelas e permaneceu cerca de 10 anos até dedicir quebrar algumas barreiras e abrir o seu Les Tablettes em 2011, tendo conquistado a sua única estrela desde 2012.

lestablettes-13

Ao estabelecer-se por conta própria, Jean-Louis Nomicos decidiu abandonar o lado clássico e quase imperial da cozinha do Lasserre para abraçar a sua grande paixão e as suas origens, o mediterrâneo, criando uma cozinha mais fresca, mais leve e sedutora sem descorar no rigor e exigência que a sua formação lhe trouxeram.

E isso está bem patente quando entramos no restaurante e rapidamente esquecemos que estamos em Paris e somos transportados até Manhattan ou Londres, dada a decoração mais cosmopolita, as mesas sem toalhas e a fluidez do serviço.

Mas bom, vamos mas é comer que a história já vai longa!

lestablettesAmuse Bouche

Se havia falado em quebra de barreiras e de um novo lado mediterrânico na cozinha de Nomicos, as dúvidas estão desfeitas quando surge na mesa um brilhante pão de trigo sarraceno com azeite (sim, estamos a falar de um restaurante parisiense sem manteiga!), e um pequeno amuse bouche à base queijo Scarmoza, cebola, parmesão, funcho e tomate que ativaram as papilas de forma certeira.

lestablettes-2Sablé de Parmesão, Velouté de courgette , alcachofras, pimento e azeitona
Um prato bem de Verão com legumes frescos e crus a contrastar bem com os aveludados dos cremes e do velouté. Um belíssimo jogo de texturas e sabores que são elevados pelo sablé de parmesão que traz ao prato as notas lácteas e picantes do queijo. Um grande início!

lestablettes-3Salmonete, Tomate zebra e Roma, rouille de açafrão 
Mais um prato de grande elegância e frescura onde mais uma vez se percebe bem o registo de cozinha do chef. Peixe no ponto, com uma capa crocante e delicada acompanhado por fresquissimos tomates zebra e maça verde e uma pasta de tomate Roma de sabor bem intenso, tudo ligado pelo ótimo molho de açafrão. Um grande prato, que evidencia muito bem o respeito pela sazonalidade, sabor e simplicidade dos ingredientes.

lestablettes-4Macaroni de Trufas
Este é o prato que tornou famosa a cozinha de Nomicos no La Grande Cascade e que o tem acompanhado desde então. Um pecaminoso macarrão recheado com trufas, aipo e foie gras, gratinado com bechamel e regado com um indescritível molho de carne e trufas. O prato é comida de conforto elevada ao extremo, daqueles que não se esquecem facilmente e que anseio provar numa altura em que as Trufas estejam no seu auge. Delicioso!

lestablettes-5 E como o funcionário lá leu os meus pensamentos deixou-me a pequena caçarola com os resto do molho para eu dar uso pão.

A harmonizar com os primeiros pratos esteve um Viognier 2015, Marius, de Michel Chapoutier. Um vinho modesto e sem grande história, onde sobressaem notas de flores brancas e pera, ganhando na boca com uma interessante frescura e uma estrutura que beneficia com a comida.

lestablettes-7 Filet mignon de raça Salersberingela, batatas soufflée e molho provençal
Mais um prato irrepreensível ainda que no que toque a surpresa e sabor estivesse uns pontos abaixo dos anteriores. Carne  saborosa e no ponto ainda que sem grande destaque, que vai direto para o ótimo molho provençal e as fantásticas batatas soufflée, que certamente deixam qualquer cozinheiro com os nervos à flor da pele.

No copo esteve um Côtes du Rhône Parallèle 45 de 2014 , o entrada de gama de casa Paul Jaboulet Aîné, que se apresentou fácil, com uma cor elegante e um corpo fino, cheio de frutos vermelhos e umas notas de especiarias no final que benificiou a carne e o molho. Uma harmonização simples e sem comprometer!

lestablettes-10Parece que algo de especial está para vir!

lestablettes-8Frutos Vermelhosemulsão de formage Blanc e gelado de framboesa e manjericão
À primeira vista não parece uma sobremesa criada com base na pastelaria francesa, mas ao metermos a primeira colherada na boca rapidamente se percebe que estão lá todos os predicados para uma ótima sobra, e fresca como gosto, excelente textura do gelado, equilíbrio de doçura e a untuosidade do queijo com laivos de frescura e acidez da zeste de lima. Um belo final.

Mas, ainda é cedo para irmos embora, e com a sala já praticamente vazia foi tempo de uns gulosos e deliciosos petit fours enquanto discutimos um pouco com o escanção os benefícios de servir o Porto a temperaturas  mais baixas, provando o elegante e refinado Graham’s Tawny 30 anos que não deixa ninguém indiferente. Um vinho que se enquadra muito bem no gosto francês para vinhos fortificados.

lestablettes-11

lestablettes-9petit fours – baba ao rum, chocolate e caramelo e mascarpone com manjericão

O serviço de sala acompanha a “descontração” da cozinha, bem diferente da anterior casa de Nomicos, com um sorriso no rosto mas com interessante rigor e precisão mascarados de alguma informalidade.

Considerações Finais
Jean-Louis Nomicos criou no seu Les Tablettes um destino gastronómico de referência em Paris sem se deixar levar pelo seu passado mais clássico e em jeito de Nouvelle Cuisine. Abraçou a sua origem e os sabores mediterrânicos e provençais com que foi criado e criou uma carta com um certo lado feminino de elegância e refinamento.

Talvez por isso tenha sido o escolhido para comandar a cozinha do Frank, o restaurante desenhado por Frank Gehry na Fundação Louis Vuitton.

Os preços são os habituais para este nível de restaurante na cidade Luz, mas o Les Tabletettes apresenta uma das melhores opções estreladas ao almoço com o menu “Club” servido por 58€ (entrada, prato, queijo, sobremesa, café e vinho).

Um destino obrigatório!

Les Tablettes de Jean-Louis Nomicos
(33) 1 56 28 16 16
Avenue Bugeaud, 16  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Estivemos no Les Tablettes a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.
Graham’s 30 anos gentilmente cedido pela Graham’s Port.

 

Posted in Restaurantes - França | Otagowano jako , , , , , , | Skomentuj

Paris – Shang Palace* – Hotel Shangri-la Paris

shangpalace-15

A abertura de um hotel de luxo Paris vai muito além do glamour da sua inauguração ou da quantidade e qualidade das camas oferecidas, mais ainda quando se trata de um Palace Hotel, cuja a assinatura vem com o nome de um grupo asiático, olhado na altura com uma certa desconfiança, ou não estivéssemos a falar da capital do luxo e do serviço de qualidade.

Mas a verdade é que hoje são os Asiáticos o novo Benchmark no que diz respeito a hospitalidade, e o Shangri-La Paris (ver) foi um dos primeiros hotéis a demonstrar isso mesmo.

E se o hotel já me havia fascinado no passado, a vontade de conhecer a cozinha do seu Shang Palace foi crescendo, enquanto ia aguardando por um regresso à cidade luz.

O restaurante revolucionou a forma como a cozinha chinesa era vista na cidade, desde a sua abertura em 2011, traçando para os pratos de cozinha cantonesa o mesmo nível de exigência e de qualidade de qualquer grande restaurante de Haute cuisine de Paris, tornando-se rapidamente no primeiro restaurante chinês a conquistar uma estrela no guia michelin Francês.

shangpalace-13

Quanto à decoração, e à semelhança do restante hotel, nada foi deixado ao acaso, fazendo com que ao entrarmos no restaurante façamos uma viajem no espaço até uma sumptuosa mesa que poderia estar em qualquer capital asiática. Os dourados, a madeira, as lindíssimas peças de decoração ou até mesmo a música ao vivo entoada por uma lindíssima harpa chinesa, nada falha!

E assim numa mistura de exaltação e ansiedade lá nos instalamos e analisamos o extenso menu a cargo do jovem talento Samuel Lee Sum, que depois de vários anos no grupo Shangri-la assumiu a exigente cozinha do restaurante de Paris.

shangpalace-2Salmão “Lo Hei”
E não tardou a surgir na mesa o primeiro prato, um clássico do restaurante, o Lo Hei, um prato tipicamente servido no ano novo chinês, com tiras de peixe cru, servidas com uma série de legumes laminados e um delicioso molho de sésamo e amendoim, representando assim prosperidade, abundância e vigor. Uma excelente forma de começar a noite com uma combinação simples e rica em sabores e texturas.

shangpalaceTomate cherry, molho de ameixa e menta e manjericão tailandês
Entretanto surgem na mesa alguns pratos que servem também de acompanhamento, como estes fantásticos tomates cherry, sem pele e marinados, com molho de ameixa, menta e manjericão tailandês, resultando num conjunto fresco com um excelente equilíbrio de acidez e doçura.

shangpalace-3Rolo de couve marinada, molho de mostarda
Couve cozida e marinada, com um molho excelente de mostarda, picante e ácido quanto baste. Muito bom!

shangpalace-4Lula frita com molho de lima, pomelo e zestes de limão 
Molusco com grande fritura, seco e crocante com o interior ainda húmido e com a textura certa, acompanhado por um molho cheio de elegância e frescura que corta na perfeição toda a untuosidade da fritura.

shangpalace-5Leitão crocante, panqueca de camarão e caviar
Um prato que revela toda a técnica e rigor com que trabalham associado à alta qualidade dos ingredientes. Uma levíssima panqueca à base de camarão  com muito pouca farinha, com uma fina e super crocante camada de leitão e o sumptuoso caviar. Um conjunto terra mar, que conjuga a doçura do camarão e do porco com o sal e mar do caviar. Um prato de extrema elegância que não apetece parar de comer. Delicioso!

shangpalace-6Carabineiro, favas,  cantarelos, espuma de clara de ovo e gelatina de álcool
Carabineiro cozinhado na perfeição, num prato que foge daquilo que habitualmente conhecemos da cozinha chinesa. Uma combinação aparentemente estranha de elementos que no final resulta num conjunto interessante – bom jogo de texturas e sabores com destaque para a leveza da espuma que tapa o fundo do prato.

A harmonizar esteve um branco de Sancerre, um 2015 do Domaine Vacheron, um vinho de produção orgânica, bem seco, ao contrário dos vinhos que dão fama à região, 100% Sauvignon Blanc, com um nariz bem aromático e uma boca rica em que a mineralidade e a acidez ganham destaque. Muito bom!

shangpalace-7Feijão Verde salteado, porco picado e molho XO
Adoro os habituais legumes salteados dos bons restaurantes chineses e aqui isso foi levado a um alto extremo, feijão tenro e estaladiço, picante e com um excelente XO (molho afamado da cozinha de Hong Kong à base de mariscos secos), conjugado com porco picado que dá volume e sabor ao prato. Top!

shangpalace-17Sopa de cogumelos
É-me impossível resistir a um bom caldo, e aqui não foi excepção, com um límpido e saboroso caldo de aves enriquecido com cogumelos, onde se destaca o estranho e peculiar véu de noiva, e pequenas couves pak-choi. Um prato delicado e saboroso como todas as boas sopas devem ser.

shangpalace-9Arroz “Shang Palace” em Folha de lótus
O aparentemente “pobre” e tradicional prato de arroz é uma das marcas de assinatura, e à primeira prova percebe-se bem porquê! O sabor é quase indescritível e é certamente um dos melhores pratos de arroz que já provei. Enriquecido com camarão, frango, pato e vegetais é certamente na marinada ou caldo em que é cozinhado que se guarda o segredo de um arroz impossível de parar de comer…

shangpalace-8Vitela Charolesa, cogumelos do cardo, chalotas e cebolinhas 
Um salteado no Wok, com uma carne suculenta e saborosa bem ladeada pelo cogumelo e os vegetais. Um prato clássico da cozinha chinesa em que o molho que liga todos os elementos ganha destaque, assim como o contraste de texturas conseguido com o “ninho” crocante.

shangpalace-10Creme de Amêndoa em crosta de sésamo
Para terminar a já longa degustação eis que chega a mesa outro dos clássicos, uma esfera  crocante meticulosamente conseguida, à base de sésamo, água e farinha (e muito provavelmente um pouco de banha??) que esconde no seu interior uma espécie de leite creme feito com leite de amêndoa. Leve, quente e muito, muito delicado !

No copo esteve um borgonhês Morey-Saint-Denis 2013 de François Feuillet, um tinto leve e elegante que cumpriu bem com a harmonização com pratos exigentes como o salteado de charolesa.

Por falar em vinhos, a carta é uma daquelas que impressiona, com todas as grandes referências francesas com destaque para a Borgonha e Bordéus, onde não faltam várias colheitas dos principais nomes mundiais.

O serviço decorreu sem falhas à boa maneira dos grandes restaurantes parisienses, com a equipa de sala a demonstrar um grande conhecimento sobre os pratos, além de todo o rigor técnico – Vê-los preparar um Pato à Pequim na mesa do lado foi um pequeno deleite.

Mas porque ainda havia tempo e estômago para um momento final, nada melhor do que brindar a um grande jantar com um pouco de Portugal, pelo que levamos connosco um belíssimo Graham’s 30 anos que serviu de mote para um brinde e dois dedos de conversa com o chef Samuel Lee.

shangpalace-11Graham’s 30 anos complementados na perfeição por tiras de gengibre doce com chocolate

E são momentos como este, em que podemos fazer brilhar um pouco da nossa cultura junto de outras tão distintas, que fazem tudo valer a pena. Um grande vinho que viria mais tarde a surpreender não só o chef (habituado ao Porto apenas na cozinha) como a exigente equipa de sala e escanção.

shangpalace-14

Considerações Finais 
Gosto de acreditar que o Ocidente começa a abrir os olhos para a alta cozinha asiática e muito especificamente para a chinesa, que é garantidamente uma das mais ricas e evoluídas cozinhas do mundo, mas que vai perdendo pontos por ser vista como low cost e com produtos de baixa qualidade. Mas são restaurantes como este Shang Palace ou o grupo Hakkasan em Londres (ver), que redefinem essa conotação da cozinha chinesa, posicionando-a no lugar de destaque em que esta merece estar. Agora, resta-nos a esperança de voltar para conhecer o menu de Dim Sum (uma das minhas perdições) apenas disponível ao almoço.

Um restaurante especial e imperdível, que nos transporta para outro lado do mundo por algumas horas. Ao nível do que de melhor a cidade tem para oferecer!

Shang Palace – Shangri-la Paris
(33) 1 536 7992
Avenue d’Iéna, 10  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Estivemos no Shang Palace a convite do Shangri-la Paris, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.
Graham’s 30 anos gentilmente cedido pela Graham’s Port.

Posted in Restaurantes - França | Skomentuj

A Cabify já está no Porto!

cabifyO luxo ao serviço dos transportes privados

Somos ávidos consumidores de novos meios de transporte que incluam conforto, requinte e muita qualidade de serviço, por isso depois de muitos utilizações da Uber e da Blacklane (no estrangeiro) é com bons olhos que vemos a chegada da Cabify ao Porto.

Depois de quatro meses de sucesso em Lisboa é a vez do Grande Porto receber esta nova aplicação de mobilidade que difere um pouco da tão conhecida Uber. Mas vejamos essas diferenças:

– A 1ª grande diferença é o Preço – não que seja propriamente mais caro ou mais barato, mas na Cabify pagamos sempre o valor que é estipulado ao efectuarmos a reserva, o que se torna uma vantagem com o trânsito que tende a aumentar cada vez mais no centro da cidade. Assim sabemos sempre quanto iremos pagar antes de iniciarmos a viagem!

– A 2ª diferença, e a meu ver uma das suas grandes vantagens, é a hipótese de efectuar uma Reserva. Podendo assim preparar de antemão uma viagem sem entraves de horas ou disponibilidade de viaturas.

– 3ª, mas não menos importante, é a frota de viaturas prontas a estrear que fazem o serviço “normal” da Cabify, veículos que noutros serviços estão apenas incluídos nas versões premium.

cabify-2

Mas aqui o que interessa mesmo é experimentar e por isso associamo-nos à Cabify para vos oferecer um voucher de 12€ para a vossa primeira viagem com a aplicação.

Para isso basta fazerem o download da aplicação aqui:

cabify

Fazerem o registo habitual e depois colocarem o código FLAVORS&SENSES na secção Promoções.

Agora apressem-se porque o voucher só é válido até dia 15 de Outubro de 2016.

Posted in Passatempos | Otagowano jako , , , | Skomentuj

Hotel Marignan Champs-Elysées

hmarignan-5

Localizado no coração do Triângulo de Ouro, no 8º bairro, entre a Avenue Montaigne, Champs-Elysées e a Avenue George V, o Hotel Marignan é uma verdadeira obra-prima do estilo contemporâneo.

O Marignan remonta a sua história ao século XVIII, quando ainda era uma residência privada, tendo sido também utilizado como embaixada, até que em 1920 se transformou num Palace Hotel.

hmarignan-15

A frase que melhor define este hotel está presente na grande escadaria desde o século XIX, “Que esta casa seja preenchida com verdadeiros amigos!” e foi preservada, não só a escadaria mas também o lema, pela proprietária Natalie Richard, que desde 2004 comanda o lema deste emblemático hotel.

hmarignan-13
Com a ajuda do arquiteto Pierre Yovanovitch, Natalie revitalizou o hotel respeitando a sua história e a arquitetura francesa, mas dando-lhe um toque que excede completamente o luxo contemporâneo.

hmarignan-14

Primeira Impressão
Eu fico extremamente entusiasmada quando sei que vou ficar hospedada num Hotel Design, mas tendo vindo recentemente duma viagem marcada (num dos hotéis) pelo design do carismático Philippe Stark (ver), a expectativa era bastante elevada. Pelas fotos, o Marignan parecia-me deslumbrante, por isso a curiosidade adensava-se à medida que chegávamos próximos do hotel.

hmarignan-16
Quando finalmente chegamos fomos recebidos por dois simpáticos funcionários que nos abriram a imensa porta escura e espelhada que nada deixava antever o que se seguia, transformando a experiência num momento bem intimista e discreto.

E quando a porta se abriu fomos agraciados com um Lobby de cortar a respiração! Um estilo contemporâneo (muito na linha dos trabalhos de Philippe Stark) onde se misturam uma mobília nitidamente feita por medida com obras de arte e objetos de design, criteriosamente combinados para criar um estilo gráfico que vai muito além de contemporâneo habitual.

hmarignan-12

O staff da receção, que se encarregou do nosso check in, recebeu-nos como se fossemos amigos de longa data, a experiência começou da forma mais descontraída possível mas com um toque de luxo típico de Paris. Daqui fomos levados ao quarto, tendo assim a oportunidade de ir percorrendo a histórica escadaria, perfeitamente preservada e que nos vai surpreendendo com as suas inscrições.

hmarignan

Quartos
São 45 e de cinco categorias distintas, Première, Deluxe, Eiffel Tower Deluxe, Prestige Deluxe, e Eiffel Tower Prestige. E cinco Suites, de três tipos, Prestige, Eiffeil Terrace e Marignan Eiffel, estas duas últimas com um terraço tipicamente parisiense e vistas deslumbrantes para a Torre Eifel.

hmarignan-3

Ficamos num quarto Deluxe, que bem se poderia chamar de apartamento! Um duplex, onde caberiam facilmente 4 pessoas, há ainda alguns Deluxe que são apropriados para amantes de desporto pois contêm equipamento de ginásio no próprio quarto.

hmarignan-6
O quarto segue a mesma decoração do todo o hotel, estilo contemporâneo com peças criadas especialmente para o hotel, com um charme e elegância sem igual e com um cunho deveras extravagante.

hmarignan-21
A casa de banho também não dispensa os luxos, com ótimas toalhas, roupões e os ótimos produtos da Guerlain.

À nossa disposição temos também café e chá.

hmarignan-7

Restaurantes/Bares
O hotel conta com dois espaços, o restaurante Nubé, e o Le Bar.
O restaurante está a cargo do jovem chefe colombiano Juan Arbelaez, que nos traz sabores de todo o mundo conjugados num ambiente informal e descontraído mantendo a alta cozinha bem presente. O nome do restaurante significa nuvem em espanhol e pretende personificar a atmosfera duma “refeição nas nuvens”!

hmarignan-8
A decoração do restaurante remete-nos para um autêntico jardim secreto, mais uma vez pelas mãos de Pierre Yovanovitch, tudo isto sob a proteção de suspensão em forma de nuvem, uma instalação assinada por Céline Wright. Aqui é o local certo para nos afastarmos da azáfama do dia-a-dia da cidade. A equipa tem também um papel bastante preponderante nesta experiência, mostrando-se descontraída e animada!

O restaurante serve todas as refeições do dia.

hmarignan-9
Quanto ao Le Bar ou “Simone Veille” Bar, é um verdadeiro ex-libris do hotel e de Paris, um ambiente extremamente cosmopolita, elegante e intimista, com cocktails ou mocktails de assinatura, ideal para um fim de tarde animado.

hmarignan-19

Serviços
Além de todos os serviços típicos dum hotel de luxo, como Concierge, Wi-Fi, Lavandaria, Serviço de Quartos 24/24, Serviço de Babysitter e Motorista Privado, o Marignan conta com algumas experiências únicas.

O serviço que mais distingue o hotel dos seus semelhantes é talvez a elegante sala de cinema com capacidade para 40 pessoas, e que serve para variadíssimos efeitos, seja para a sua funcionalidade principal, como assistir a um bom filme, seja para conferências ou congressos.

Outra das opções para diferentes eventos, é a utilização do Le Bar ou do restaurante Nubé, ou melhor ainda, de uma das suites com terraço direcionado para a Torre Eifel!

hmarignan-11

Atendimento
Como já fui referindo ao longo do texto, o que mais me agradou no atendimento do Marignan foi a capacidade que o staff tem de ser descontraído sem deixar de lado a elegância.

Isto por norma é típico dum hotel design, em que o atendimento vai ao encontro da decoração, ou seja, descontraído, mas extremamente personalizado e despretensioso.

No fundo, no Marignan sentimo-nos na casa de férias dos amigos de longa data, há simpatia, sinceridade, e diversão a cada momento.

hmarignan-17

O Hotel Marignan conjuga duas das coisas que mais me fascinam, história e arte!

É incrível o trabalho levado a cabo por Nathalie Richard e a sua equipa, que devolveu alma ao local sem alterar a sua história. A combinação dum ambiente cosmopolita com estilo contemporâneo num edifício com séculos de vida é algo brilhante.

Tudo isto aliado a uma equipa atenta, dinâmica e simpática é um sucesso garantido!

Hotel Marignan 
Quartos a partir de 250€
Rua de Marignan, 12 – Paris
+33 1 40 76 34 56
reservation@hotelmarignan.fr

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Hotel Marignan a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Caso necessitem de transportes privados recomendamos o uso da Blacklane, que nos transportou durante os nossos dias em Paris.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , , , | Skomentuj

Hotel de Vendôme

hvendome

A Place Vendôme é um dos locais mais belos e luxuosos de Paris, é um dos templos da joalharia francesa, da alta costura, das galerias de arte e da hotelaria, além de ser um dos meus locais preferidos, onde já tivemos também uma das nossas melhores experiências em hotéis (ver).

A sua proximidade à Ópera e ao Museu do Louvre, as diferentes lojas, os diversos hotéis de luxo e a atmosfera elegante fazem com que esta praça seja das mais requisitadas na cidade.

hvendome-13

O Hôtel de Vendôme é um verdadeiro marco histórico nesta praça, ocupando o espaço nº 1 da mesma. Foi construído em 1723 pelo mesmo arquiteto do Palais de l´Élysée, Armand-Claude Mollet, para Pierre Perrin, o secretário do famoso Rei Sol (Louis XIV) e tornou-se no primeiro hotel de luxo de Paris. Desde então já foi, então, uma residência privada, a sede de escritórios e a embaixada da República do Texas (em 1842).

O hotel deve o seu nome à localização, já que em 1685 Louis XIV comprou a mansão do Duque de Vendôme para construir aquela que viria a ser uma das praças mais mediáticas da capital francesa.

hvendome-27

Primeira Impressão
Quando encontramos um local numa das mais belas praças de Paris, que reúne três séculos de arte, cultura e luxo sabemos que a experiência vai correr da melhor forma e quando a isso se junta uma receção tão calorosa que nos faz sentir em casa, então é a perfeição!

Logo à entrada do hotel somos agraciados com uma acolhedora recepção de decoração única e elegante, com um certo charme dos anos 20 e da gloriosa Belle Époque!

Fomos rapidamente encaminhados ao quarto e vamos observando toda a atmosfera de glamour à nossa volta.

hvendome-24 O charmoso elevador central do Hotel

hvendome-3

Quartos
Contam-se 29, 19 quartos e 10 suites. Ficamos numa Junior Suite cujos luxuriosos 40m2 me fizeram render de imediato. Um local elegante e de decoração clássica. Uma sala enorme, onde predominava a madeira e os tons verdes e vermelhos/bordeaux, ornamentada com confortáveis poltronas e sofás aveludados. Um quarto no mesmo estilo, com uma cama confortável e uma janela que ostentava cortinas que desciam dos céus e se abriam para a agitada Rue Saint Honoré!

hvendome-9

   hvendome-10       hvendome-8       hvendome-12

hvendome-20

Restaurante
O único restaurante do hotel, o 1Place de Vêndome, tem todas as funcionalidades necessárias, seja para servir todas as refeições ao longo do dia, seja para eventos, seja como bar.

E podemos dizer que este local é o ex libris do Hotel.

Um ambiente completamente cosy mas com a elegância da decoração Dior Grey, onde predomina o cinza, como o próprio nome indica, conjugado com o rosa, uma combinação perfeita e que faz desta sala umas das mais bonitas que já vi.

hvendome-23
A cozinha está a cargo do jovem chefe Josselin Marie que combina a alta cozinha com produtos frescos e tradicionais.

O restaurante serve ainda de sala de pequeno almoço, onde pudemos começar o dia com uma ótima selecção de produtos.

hvendome-22

Serviços
Como seria de esperar, o Hotel de Vêndome oferece todos os serviços comuns dum hotel cinco estrelas, desde Concierge, serviço de quartos 24h/dia, lavandaria, Wi-Fi, motorista privado, parque de estacionamento.

Apesar de não possuir spa, possui serviço de massagem e tratamentos realizados no próprio quarto e um contrato com um Spa privado instalado junto ao Hotel.

hvendome-16

Para quem pretende a realização de eventos, conferências ou reuniões tem uma sala de 160m2, a Belle Époque, preparada para vários tipos de funcionalidades, ou então, para celebrações e eventos de comemoração ou de negócios tem sempre a belíssima sala do 1 Place de Vêndome.

E claro, porque a praça é famosa pelos seus joalheiros, não podia faltar nas instalações do hotel uma magnífica loja da Chopard.

hvendome-21

Atendimento
O atendimento de luxo em Paris nunca desilude, e o Hotel de Vêndome provou isso mais uma vez.

Um sorriso genuíno que nos recebeu como se fossemos da família, uma preocupação em falar algumas palavras básicas de língua portuguesa para alegrar a nossa estadia, e uma atenção constante aos detalhes.

Um hotel de charme, membro do grupo Small Luxury Hotels of The World, de dimensões mais pequenas que os habituais gigantes da hotelaria de luxo, mas onde nos sentimos em casa, um espaço de elegância, um local com séculos de história, e sobretudo com uma das melhores localizações da cidade, tudo isto é o Hotel de Vêndome!

hvendome-26

Hotel de Vêndome
Quartos a partir de 319€
Place Vêndome, 1 – Paris
+33 1 55 04 55 00
reservations@hoteldevendome.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Hotel de Vêndome a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Caso necessitem de transportes privados recomendamos o uso da Blacklane, que nos transportou durante os nossos dias em Paris.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , , , | Skomentuj

Le Bristol Paris

lebristol-73

Localizado na famosa Rue du Faubourg Saint-Honoré, o Le Bristol Paris é um icónico palácio parisiense que funciona como hotel há quase um século.

Imponente quanto baste, este é um dos mais mediáticos hotéis da cidade, tendo sido o primeiro a ser galardoado com a distinção de Palace Hotel em 2011.

Desde 1978 que pertence à Oetker Collection, uma empresa única, que gere verdadeiras obras-primas da hotelaria.

lebristol-52Provavelmente a mais famosa chave do mundo

Primeira Impressão
Confesso que desde que conheço Paris que tenho uma certa obsessão pelo Le Bristol, por isso, a chegada ao hotel traduziu-se num momento de entusiasmo misturado com ansiedade!

Um edifício imperial que tão bem se coaduna com a beleza da rua onde se situa e da restante cidade. Dois elegantes funcionários recebem-nos com um sorriso e com uma das frases que se traduzem “em música para os meus ouvidos”: Bonjour Madame!

lebristol-38

Somos encaminhados à receção e a partir daqui tudo se traduz numa verdadeira encarnação do luxo e da elegância.
O check in é feito sem demoras e somos convidados a tomar o pequeno-almoço ou um aperitivo, enquanto aguardamos pelo quarto.

lebristol-74
Vamos descobrindo o hotel no seu estilo clássico e conservador do século XVIII que não se esforça para ser atual, e isso é o que lhe confere o seu verdadeiro charme, cores claras dadas pela mármore e pelas paredes pálidas Boiserie com espelhos enormes, obras de arte originais do início da história do Le Bristol, candeeiros exuberantes e mobiliário Louis XV e Louis XVI.

lebristol-41
E quando achamos que já nada nos surpreenderá mais, eis que surge no nosso campo visual os dois hóspedes mais importantes do hotel, o Fa-raon e a Kleopatre, dois gatos birmaneses lindíssimos!

lebristol-46Neste momento não sei quem tem mais mimo, eu ou Fa-raon 

Efetivamente os parisienses são peritos a tratar os animais de estimação.
Segundo apuramos junto do staff, o Fa-raon chegou primeiro ao hotel e mostra-se indiferente ao olhar de todos, não se mostrando muito interessado nas lentes fotográficas que o tentam registar, mas felizmente ainda consegui pegar nele ao colo e mimá-lo um pouco! A Kleopatre é ainda uma menina, mas essa sim, capta bem a atenção do Fa-raon! Mais um deleite para os hóspedes!

lebristol-2

Quartos
Contam-se 188, dos quais 92 são suites e 96 são quartos. Ficamos numa Junior Suite, cujo estilo e decoração seguem a mesma vertente do restante hotel. Os espaçosos e luminosos 55m2 combinam um charme acolhedor com uma decoração tipicamente parisiense, expressa na elegância do mobiliário e dos belos tecidos criados por Frey e Rubelli, dois dos designers mais prestigiados de Paris.

lebristol-6

O clássico domina a decoração, e a elegância está presente em cada detalhe. Cama extremamente confortável, e um apontamento de Boas-Vindas que me enche completamente as medidas – chocolates e pastelaria francesa!

lebristol-4As boas vindas a provarem que a equipa de pastelaria do Hotel não brinca em serviço!

A vista que se obtém quando se abre as imensas janelas é o sumptuoso Jardim do hotel, o Le Jardin Français, com as flores a contrastarem com a colorida Instalação de Daniel Buren, especialmente concebida para este Verão. O hotel organiza já há três anos, em parceria com prestigiadas galerias de arte, a exposição de peças únicas de conceituados artistas contemporâneos.

lebristol-12
Nota máxima para a elegância da chave, no Le Bristol não há cartões a substituir chaves, há sim uma chave pesada mas elegante que nos aproxima ainda mais da história e do passado deste verdadeiro palácio.

lebristol-11É impossível pedir mais de uma casa de banho!

lebristol-40Restaurante Le Epicure – 3* Michelin

Restaurantes
Talvez um dos pontos mais altos do Le Bristol, com o nome Eric Frechon e quatro estrelas Michelin a enaltecer a gastronomia que se apresenta no hotel.

lebristol-70

lebristol-67Parte de um exuberante e luxuoso pequeno almoço no Epicure

No Le Bristol encontramos os estrelados Epicure, o mais mediático de todos e com três estrelas no famoso guia vermelho. Um restaurante de cozinha francesa, que é considerado um dos melhores restaurantes do país, e que traz muitas pessoas à cidade e ao hotel; e o 114 Faubourg, uma Brasserie que detém uma estrela Michelin desde 2013, e que se tornou num ponto de encontro assíduo de muitos parisienses.

lebristol-68Le Epicure – 3* Michelin

Gastronomicamente encontramos ainda O Café Antonia, em homenagem à paixão de Marie Antoinette pela vida parisiense, é um espaço que pode ser apreciado a qualquer hora do dia com uma decoração tipicamente clássica duma elegância única, mas com uma atmosfera descontraída; e o Le Jardin Français, um requintado jardim bem ao estilo parisiense que nos brinda com um ambiente sem igual, aqui experienciamos um almoço que deixou grandes memórias, começando pelos brilhantes pães especialmente concebidos pela equipa do hotel, passando por um Salmão fumado artesanal de ir às lágrimas, ou uma salada de Caranguejo Real, e porque estamos em Paris, não podemos deixar de lado  os queijos e a pastelaria, com um delicioso e pecaminoso Frasier.

lebristol-27

  lebristol-25       lebristol-30       lebristol-31

Uma refeição que teve tanto de simples como de perfeita, dos pratos, à companhia, do sol à boa temperatura que se fazia sentir no jardim e claro pelos bons vinhos, com um ótimo Chablis Premier Cru 2014 da casa Droin.

lebristol-32

Por último, mas não menos importante, temos o Le Bar du Bristol, um dos míticos bares de hotel da cidade, com um ambiente luxuriante de Belle Époque e cocktails de assinatura capazes de nos proporcionar um verdadeiro momento de ócio.
lebristol-20

lebristol-21O jardim e a instalação de Daniel Buren

Serviços
Que se pode esperar dum hotel como o Le Bristol? Tudo, basicamente tudo!

Além de todos os serviços habituais dum hotel de luxo, o Le Bristol sabe o que os seus hóspedes precisam antes mesmo destes sentirem qualquer tipo de necessidade. A equipa de Concierges comandada por Sonia Papet, a primeira mulher a receber o título de Chief Concierge de um Palácio Parisiense, é eximia nos detalhes, desde o ato de organizar uma manhã para uma verdadeira shopaolic pelas lojas da cidade, ao prazer de desfrutar dum romântico passeio pelo Sena sem esquecer a simplicidade de tratar cada cliente pelo nome.

lebristol-5
O hotel disponibiliza serviço de transporte com motorista privado dentro e fora de Paris.

Os animais são mais do que bem vindos, mais que não seja porque o Fa-Raon e a Kleopatre precisam de companhia!

lebristol-60
A piscina do Le Bristol é única, com uma arquitetura distinta que faz com que nos sintamos a bordo dum luxuoso navio do século XVIII, a caminho da charmosa Côte d´Azur. Esta situa-se no 18º piso e as vistas são os elegantes terraços e telhados parisienses, com a Sacré-Coeur a destacar-se. Mesmo junto à piscina temos a Sauna e o Ginásio.

lebristol-61Sala de tratamentos no Spa

Um dos maiores ex libris do hotel é o Spa Le Bristol By La Prairie. Este possui um ambiente acolhedor, elegante e requintado com a luz do dia a preencher as diferentes salas de tratamentos (são oito), em que três se abrem para um agradável jardim interior.

Aqui, podemos usufruir do mais perfeito momento de relaxamento, individualmente ou a dois na suite privada de casal.

O Spa Le Bristol by La Prairie é o casamento perfeito entre a famosa marca suíça e a busca por momentos de ócio e beleza. The Organic Pharmacy e Aromaterapy Associates são duas das marcas que garantem as mais reconfortantes experiências orgânicas e naturais à nossa pele.

O Spa oferece também experiências inspiradas no tradicional tratamento russo “Banïya”, com uma sala equipada com uma mesa de mármore aquecida, que aliado às terapias proporciona uma experiência regenerativa e combate o stress.

lebristol-51

O Le Bristol Paris tem também salão de cabeleireiro. Mas, não é tudo, para os pais que desejam deixar os seus filhos num local seguro enquanto desfrutam do Spa, existe o Les Amis d’ Hippolyte, um clube onde as crianças se sentem verdadeiramente felizes!

lebristol-29
O hotel está também preparado para todo o tipo de eventos, desde congressos, conferências, cocktails e diferentes celebrações, quem não gostaria de casar num palácio com mais de um século de história e na capital do amor?! O Le Bristol conta com seis salas com luz natural e com vistas para o jardim, e todo o estilo de salões de acordo com a comemoração ou funcionalidade desejada.

lebristol-42

Por exemplo, no belíssimo salão Castellane, junto ao Lobby do hotel, ornamentado pelas enormes tapeçarias que se apresentam nas paredes, desenrola-se a apresentação de muitas coleções de conceituados estilistas, assim como diversos eventos que o Le Bristol apoia.

lebristol-39

Ao longo do hotel temos acesso a uma mescla exuberante de peças de arte, maioritariamente do século XVIII, sendo que, como já vos havia referido, o hotel já há três anos que se associa a diferentes galerias de arte contemporânea e apresenta exposições de diferentes artistas, como a instalação de Daniel Buren.

Como vos havia dito no início deste tópico, o Le Bristol não deixa absolutamente nada ao acaso.

lebristol-37

Atendimento
O atendimento num hotel de luxo em Paris nunca falha, não há ninguém com melhor formação no atendimento do que os parisienses, isso é um facto.

E o Le Bristol leva isso a um expoente máximo, em que a dedicação é a base do atendimento. O luxo é uma constante nas experiências disponibilizadas pelo hotel, mas este vem acompanhado dum toque familiar e acolhedor que nos faz sentir em casa.

A equipa é atenta, educada, meiga, e exímia na arte de nos receber e acompanhar.
Luxo, elegância, imponência, requinte… são palavras que muito bem definem a estadia neste magnificente palácio.

Além disso já vos disse que o Le Bristol tem a Sonia Papet, a mais simpática concierge que já conheci!

lebristol-75

A minha experiência parece ser coincidente com as demais, razão pela qual os prémios se amontoam! “Melhor Restaurante do Mundo”, “Melhor Spa de Luxo em França”, “Melhor hotel de França”, “Melhor Hotel do Mundo”, “Melhor Hotel de Cidade do Mundo”, e “Melhor Hotel de Paris” são alguns dos prémios dados pelos mais prestigiados rankings internacionais.

O Le Bristol é um sonho tornado realidade, um local único e inesquecível em que o luxo é levado a um patamar digno de Deuses!

lebristol-15

Le Bristol Paris
Quartos a partir de 850€
Rue du Faubourg Saint-Honoré, 112 – Paris
+33 (0)1 53 43 43 00
reservation@lebristolparis.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Le Bristol Paris a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Caso necessitem de transportes privados recomendamos o uso da Blacklane, que nos transportou durante os nossos dias em Paris.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , , , , , , | Skomentuj

Paris – Matsuhisa – Raffles Royal Monceau

matsuhisa-13 A sala do Matsuhisa no Raffles Royal Monceau

Poucos já terão ouvido falar no nome Matsuhisa, mas certamente ninguém fica indiferente ao diminutivo de Nobuyuki Matsuhisa, “NOBU”, o Joel Robuchon ou o Gordon Ramsay da cozinha japonesa.

Nobu tornou-se uma celebridade depois de abrir o seu Matsuhisa em Bervely Hills em 1987, ficando famoso entre as estrelas de Hollywood e acabando por se tornar amigo e sócio de Robert De Niro. Juntos criaram e levaram o nome “Nobu” a todo o globo com cerca de 40 restaurantes e alguns hotéis.

matsuhisa-11

Mas para perceber o sucesso e a cozinha deste mestre japonês é preciso recuar na história até à sua juventude, em que depois de anos de formação e trabalho em restaurantes em Tokyo foi convencido a emigrar para o Peru, onde ficou surpreendido por uma infinidade de ingredientes que começou a utilizar na construção dos pratos de cozinha japonesa – o atual e tão famoso estilo Nikkei.

Mas deixemos o passado para nos concentrarmos no presente, mais propriamente na recente abertura do Matsuhisa Paris, mais propriamente no Hotel Palácio Royal Monceau, o único restaurante do chef em França, depois de uma experiência mal sucedida em 2001 com um Nobu.

matsuhisa-12

Para isso nada foi deixado ao acaso, com o antigo restaurante de cozinha francesa do Hotel a sofrer algumas alterações para receber uma equipa de sushi masters comandada por Hideki Endo, que trabalhava anteriormente no restaurante de Hong Kong. Manteve-se a decoração e o espírito, onde Starck mescla a luz, com o cromado e a madeira ao seu bom estilo.

Aproveitando uma tarde de Verão em Paris, optamos pela esplanada, também ela assinalada por Starck e que serve de ponto de encontro entre o Bar, o Matsuhisa e o Il Carpaccio (o restaurante italiano do Hotel com 1 estrela Michelin), onde não falta até uma escultura de ferro forjado, ao estilo Alice no País das Maravilhas criada pela portuguesa Joana Vasconcelos!

matsuhisa-10

Já bem instalados, optamos por seguir algumas sugestões da equipa, entre novidades e clássicos do chef.
matsuhisaYellowtail (Charuteiro) com jalapeño e molho de soja e yuzu (29€)
Logo no primeiro prato se percebe a ideia de fusão levada a cabo por Nobu, combinando um sashimi de excelente qualidade com o leve picante do jalapeño e o sal e frescura do molho de soja com yuzu. Um grande, grande início!

matsuhisa-2Tataki de Salmão, karashi su-miso ( 22€)
Salmão de excelente qualidade, elegantemente cortado sobre um molho de karashi su-miso, que é como quem diz um miso ao qual é acrescentada uma mostarda japonesa (karashi). Sabor forte  e bem moldado sem que o salmão se perca no molho. Umami, Umami!

matsuhisa-4Salada de Espinafres, miso seco, óleo de trufa  e parmesão (24€)
Provavelmente o mais simples e inusitado prato que provamos. Folhas de espinafre baby, servidas cruas e temperadas com um leve toque de óleo de trufa (que normalmente repugno), miso seco e parmesão, resultando num prato fresco, leve e com muito sabor, que foi também um ótimo acompanhamento para alguns dos pratos que se seguiram.

matsuhisa-3Arroz Crocante com tártaro de salmão (26€)
Uma espécie de Arancini japonês, com o lado mais leve e ácido do arroz de sushi preparado em cubos e magnificamente frito. A acompanhar, molho de soja e um tártaro de salmão envolto no famoso spicy cream do chef (na realidade tem pouco de picante). Um prato divertido e muito bem conseguido na combinação de texturas e sabores.

A acompanhar esta primeira parte da refeição esteve um Riesling da Alsácia Josmeyer Grand Cru Hengst 2009. Um vinho de produção biodinâmica, seco, com um grande carácter, algo exótico com fruta branca e alguns citrinos, a finalizar com uma bela mineralidade. Grande vinho!

matsuhisa-5Tempura de camarão das rochas com spicy cream, cogumelos e mescla de alfaces (26€)
Um cocktail de camarão que deixa os anos 70 para abraçar os dias de hoje. Untuoso e algo pecaminoso até, com um lado fresco trazido pelos verdes e muito, muito sabor, do molho às notas de terra dos cogumelos. Um belo snack!

matsuhisa-7Niguiris –  Salmão, Yellowtail, Akamai (atum) e Chūtoro (atum) (preço variado)
Excelente o shari (arroz), assim como os peixes que o acompanham, com destaque para a qualidade do Chūtoro (atum gordo).  Foi o momento clássico do almoço, a provar que também nesse campo a cozinha do Matsuhisa se comporta à altura.

matsuhisa-6Bacalhau Negro com saikyo yaki (52€)
Provavelmente um dos mais famosos pratos do chef Nobu, e um clássico da cozinha japonesa, muito particularmente de Kyoto de onde é originária a combinação de miso com sake e mirin, mais conhecida por Saikyo Yaki, um miso meio doce no qual o peixe é marinado antes de ser assado. Neste caso, o peixe estava cozinhado no ponto, com as suas habituais lascas de sabor e textura amanteigada e um lado meio doce trazido pelo molho. Muito bom!

A acompanhar esteve um Suiço Petite Arvine d’anze 2011 da Cave des Amandiers, um branco 100% petite arvine, com uma cor ligeiramente oxidada e um nariz repleto com notas de mel, flor de sabugueiro e lima, e uma boca bem moldada onde se destaca a acidez e a mineralidade que equilibraram muito bem com os pratos, em especial o de bacalhau.

matsuhisa-8Mochi – Matcha, chocolate e mirtilo (12€)
Envolver os Mochi (bolinhos de arroz, bem glutinosos cuja textura anda algures entre a gelatina e a marzipan) é já uma tradição, aqui bem conseguida com os sabores matcha (chá verde) mirtilo e chocolate. Apresentação simples e cuidada ao bom estilo japonês com os sabores leves e o açúcar muito equilibrado.

matsuhisa-9Cheesecake de coco, frutos exóticos e sumo ácido de yuzu (15€)
Uma sobremesa com a apresentação bem ao estilo da cidade luz. Uma esfera de cheesecake de coco recheada com frutos tropicais, onde não falta coco e manga, um bolo de sifão e o delicioso molho de yuzu que liga e equilibra todos os elementos. Um grande, grande final!

A acompanhar esteve um clássico e potente licor de ameixa japonês.

O serviço foi o melhor que se poderia ter, as recomendações foram ótimas, a descontracção aliada ao profissionalismo e rigor merecem nota alta assim como a boa disposição e alguns detalhes de conversação que quebravam qualquer barreira entre a equipa e os comensais, algo nem sempre fácil num hotel e num restaurante considerados de luxo.

Considerações Finais
Esta nova aventura de Nobuyuki Matsuhisa em Paris terá certamente um melhor destino do que o seu antecessor, numa altura em que a cidade está mais preparada para se abrir a novas cozinhas e a “experiências” com a cozinha japonesa, juntamente com o seu posicionamento num dos melhores e mais trendy hotéis da cidade, o Raffles Royal Monceau, que me parece ser uma combinação acertadíssima.

Seja um globetrotter habituado aos restaurantes Nobu por todo o mundo, um ávido gastrónomo ou uma celebridade europeia, ninguém ficará indiferente à combinação de sabores e ingredientes da cozinha de Nobu, ainda para mais quando trabalhada e servida da forma como este almoço foi. Um novo sucesso na cidade!

Matsuhisa – Raffles Royal Monceau
(33) 1 42 99 88 00
Av. Hoche, 37  – Paris

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Nota
Estivemos no Matsuhisa a convite do Raffles Royal Monceau, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Posted in Restaurantes - França | Skomentuj

Shiko – Tasca Japonesa

shikotj

Volvido cerca de um ano e meio desde sua abertura, o Shiko já fez volver muitas páginas, entre blogs, revistas online e jornais, trazendo a expressão “Izakaya” ,que é como quem diz Tasca, até ao vocabulário dos sushilovers portuenses.

Ruy Leão, o seu mentor, era um nome já conhecido na cidade, depois de deixar o Brasil, passar por Guimarães e se juntar ao chef Pedro Nunes para colocar o restaurante Quarentae4 na rota dos principais espaços de sushi da cidade. Anos volvidos, muitos peixes arranjados e experiências feitas (projecto de street food  – Shika) o Ruy e a sua mulher Alexandra decidiram abrir uma casa em nome próprio, onde dariam atenção às ideias com que o chef ia sonhando.

E assim nasce o Shiko – Tasca Japonesa, numa zona pouco valorizada e onde dificilmente se esperaria encontrar um bom espaço de cozinha japonesa, mais propriamente na pouco afamada  Rua do Sol junto da Universidade Lusófona, ali a meio termo entre o Teatro de S.João e o funicular dos Guindais.

Visito o espaço desde a sua abertura e é fácil de perceber que o sucesso que o restaurante teve esteja subjacente ao seu ADN, com uma carta focada em petiscos de cozinha japonesa a que os portuenses não estavam habituados, um ambiente acolhedor, confortável e informal e, claro, o obrigatório Sushi.

Sucesso que lhe valeu a nomeação e a consequente vitória em duas das categorias mais interessantes dos prémios “Flavors & Senses – Os melhores para 2016” com Ruy Leão a vencer a categoria de Chef a Seguir e o Shiko a levar o prémio na concorrida categoria de Restaurante Revelação (ver).

Depois de muitas visitas, umas melhores que outras, mas sempre com um nível elevado, optamos mais uma vez pela marcação na Mesa do Chef, em que os comensais ficam entregues à selecção e inspiração dos pratos do chef para aquela ocasião (40€ pp, sem bebidas)! E foi aqui que, completamente às escuras Ruy Leão nos surpreendeu com um outro nível!

shikotj-2Couvert, petinga de escabeche, búzios com kimchi e salada de espinafres com Sésamo 
E aqui começa esse outro nível que referi, se já gostava da tempura de tomate cherry, do edamame ou das algas, o escabeche de petinga fez corar muitas das nossas receitas mais tradicionais tal era o apuro do seu tempero. Já o búzio com excelente textura foi bem complementado pelo lado picante do kimchi mas sem perder o seu lado de mar, assim como os espinafres bem preparados com as notas tostadas do sésamo. Grande início!

 shikotj-3Mexilhões com Caril Japonês
No Japão o caril é normalmente mais suave e doce que o Indiano, e este de Ruy Leão prova isso mesmo. Marisco no ponto e molho bem afinado e equilibrado, permitindo que o mexilhão seja o rei do prato. Nota positiva também para a frescura dada pelo cebolo ao conjunto.

shikotj-4Tártaro de Wagyu, folha de arroz e ovo de codorniz 
Apesar do tempero irrepreensível e da técnica rigorosa (excelente a folha de arroz crocante), foi o prato menos interessante da noite, muito por culpa da textura de carne, que sendo wagyu se pretenderia mais tenra e untuosa.

shikotj-5Ceviche de Vieiras
Já todos sabem que este verão Ruy Leão se juntou a Camilo Jaña para juntos abrirem a primeira cevicheria da cidade, o Panca, pelo que uma versão nikkei do famoso prato peruano é obrigatória numa degustação do chef. Aqui numa versão de vieiras, com algas, sumo de lima, ikura e o seu coral. Com as vieiras bem delicadas e o caldo de apurado sabor que se bebeu até às últimas gotas. Muito bom!

shikotj-6Gyoza de Mexilhão, pak choi e molho ponzu
Sou um confesso adepto de gyozas, com a sua camada crocante por baixo e macia por cima, mas aqui o chef optou apenas por cozer a gyoza recheada com mexilhão e envolver tudo em molho ponzu. Prato elegante e de sabores subtis, onde a acidez controlada do molho se equilibra com a doçura do mexilhão, e a textura leve da gyoza encontra um crocante na couve. Um grande prato!

shikotj-7Caranguejo Real, batata nova com vinagre e sardinha seca
Mais um daqueles pratos de que não estava nada à espera, primeiro pelo ingrediente principal, caranguejo real e segundo pelo acompanhamento das batatas cozidas, temperadas com vinagre e pó de sardinha. O Caranguejo envolvido num espesso molho com dashi e gengibre. Um prato pecaminoso que é difícil parar de comer, com o caranguejo e o seu molho a deixar toda a mesa arrebatada.

shikotj-8Lingueirão ao vapor com sake 
Se os nossos restaurantes tradicionais têm amêijoas à bolhão pato, o Ruy traz até à mesa um Lingueirão cozido ao vapor com um molho de citrinos e sake com uma salada de algas. Marisco irrepreensível, algas saborosas e molho fresco que tornaram o conjunto não só diferente como fizeram dele um grande petisco.

shikotj-10Beringela com molho de amendoim e sésamo
Já havia provado uma outra versão deste prato, que na altura não me deixou propriamente encantado por achar o conjunto doce demais, mas aqui o molho revelou-se bem menos enjoativo e mais equilibrado, envolvendo-se bem com a beringela assada, cuja textura quase cremosa se dissolve na boca.

shikotj-9Cavala Marinada
Agora entramos no campo dos clássicos, com um dos pratos que por mais que o Ruy queira é impossível retirar da carta, a cavala marinada com miso e alho. Peixe firme, ligeiramente braseado e molho equilibrado, com o alho a marcar a presença sem excessos. É fácil perceber porque conquistou os palatos portugueses, habituados a sabores fortes e potentes.

shikotj-11Tataki De Salmão
É difícil vir ao Shiko e não encontrar pelo menos um destes tatakis pousado em cada mesa do restaurante, sendo provavelmente o seu best-seller, não só pelos finas e bem preparadas fatias de salmão, como especialmente pelo espesso molho de miso e o shichimi togarashi (tempero japonês à base de 7 ingredientes), que lhe eleva o sabor. É sem dúvida um excelente prato.

shikotj-12Futomaki, Uramaki “carapau valente” e Uramaki ebi nambam
Apesar das barrigas já irem bem cheias não podíamos parar sem provar uma ou duas peças de sushi. Ficando de lado os meus habituais niguiris, a escolha do chef recaiu sobre o seu leve e crocante futomaki – rolo grosso com vegetais marinados e peixe, o “carapau valente”, num uramaki com carapau, gengibre e beringela marinada em miso e um clássico uramaki com camarão panado em panko. Nota altíssima para o shari (arroz), bem cozido e com a acidez certa, e para os sabores dos vários conjuntos, em que o carapau se distingue pela potência, e o futomaki pela subtileza e crocância.

shikotj-13Pavlova Exótica
Para partilhar, no final de toda a refeição, uma sempre irrepreensível Pavlova, o único elemento do jantar que Ruy não assina, estando a criação a cargo da já famosa MissPavlova. Doce quanto baste, com um bom jogo de texturas e um curd de maracujá que eleva e refresca o conjunto.

Na mesa do Chef o serviço é um pouco distinto e mais privado, sendo feito quer pela equipa, quer, como seria expectável, pelo próprio chef que se junta aos comensais para explicar as suas criações. Sempre simpático, eficiente e descomplicado como pede uma boa tasca.

Quanto aos vinhos, tenho sentido uma constante evolução na carta, com algumas opções fora da caixa como o II Terroir da Quinta da Casa Amarela, um vinho que junta alvarinho da Quinta do Regueiro (Melgaço) com as uvas brancas do Douro ( Casa Amarela), resultando num vinho raro, com algum domínio aromático do alvarinho e uma estrutura própria do Douro, mantendo uma frescura delicada que acompanhou bem com os petiscos do menu.

Acompanhou-se a refeição ainda com um Alvarinho Contacto 2015 de Anselmo Mendes e um Riesling da Alsácia de 2014 da família Hugel. Dois belos vinho trazidos para o jantar por um dos comensais, que harmonizam perfeitamente não só com o sushi como com os diversos petiscos de sabores japoneses.

Considerações Finais
O Shiko é um daqueles restaurantes que recomendo aos amigos sempre que me solicitam, seja porque querem um bom sushi ou porque querem provar um prato com ingredientes e temperos  fora daquilo que normalmente se encontra por cá. Mas agora Ruy Leão está mais seguro, já tem o seu público e os seus fervorosos adeptos, pelo que se nota estar a preparar um salto qualitativo.

Depois deste jantar não me restam dúvidas, esta Tasca está a evoluir para caminhos bem interessantes e que me parecem ser a verdadeira praia e desejo do chef, o sushi começa a ocupar um lugar mais pequeno na carta, com os comensais a deixarem-se levar por outros sabores, mostrando que o Japão não é apenas técnica, peixe e shari.

Haja muitos jantares como este e sucesso e clientes nunca faltarão!

Shiko – Tasca Japonesa
22 323 9671
Rua Sol, 238 – Porto

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Posted in Restaurantes - Porto | Otagowano jako , , , , , , , , | Skomentuj

Adega São Nicolau

asnicolau_-11Existem poucos sítios que dispensam apresentações, mas dentro desses existem alguns que mesmo assim as merecem, como é o caso desta veterana Adega São Nicolau.

A história da Adega funde-se com a evolução da própria Ribeira do Porto, onde está inserida, são mais de 80 anos de vida, de uma adega que se transformou em tasca, de uma tasca transformada em casa de pasto e de uma casa de pasto que se transformou numa das referências gastronómicas da cidade.

Essa evolução deve-se sobretudo a António Coelho que comanda o espaço há quase 20 anos com um carisma único e um dedo bem afinado para a cozinha e para o respeito pela tradição e os velhos costumes. Costumes simples mas que marcam a diferença como as idas à “terrinha”, mais propriamente Resende, para se abastecer de carne Arouquesa e outros produtos da terra. Nos últimos anos e com o crescimento do turismo na cidade o espaço evoluiu, foi remodelado, as mesas ganharam mais conforto, os pratos aprimoraram-se (ganhou o título de melhor Restaurante Tradicional nos prémios Flavors & Senses – Os melhores para 2014 e 2016 ver) e o espaço ganhou irmãos noutros pontos da ribeira – Terreiro e Taberna dos Mercadores.

asnicolau_

Mas deixemos a história e passemos à nossa experiência! Chegamos cedo, num início de noite de verão bem quente em que as pessoas se amontoavam na esplanada (que quase merece um prémio de arquitectura do desenrasca!), ficando assim a pequena sala mais calma e confortável.

Já bem recebidos e instalados começa o debate sobre as escolhas entre pratos mais comuns e outros menos usuais do receituário tradicional, enquanto vamos provando a boa broa e uns pães simpáticos com um azeite de notas verdes que estimula as papilas.

asnicolau_-2Bolinhos de Bacalhau – ou pastéis para não ferir a regionalização – (1€/un)
Para começar, nota positiva para o facto de não sermos bombardeados com entradas, especialmente tendo em conta a localização turística do restaurante, não resistimos a pedir uns clássicos bolinhos de bacalhau, muito bem fritos e enxutos, com uma fina capa crocante e a relação certeira entre a batata e o peixe. Um início confortável e apetitoso.

asnicolau_-5Filetes de Polvo com arroz do mesmo (15,5€)
Se há prato que raramente falha no menu de um restaurante tradicional na cidade é este (as tripas não contam, mas sim também lá estão). Filetes finos e tenros com uma fritura exímia, mas o melhor deste prato na Adega São Nicolau é mesmo o arroz, cozinhado no ponto e com o sabor bem afinado e próprio, que denota ali umas gotinhas de uma qualquer “mezinha” secreta do Sr. Coelho.

asnicolau_-4Língua de Vitela Estufada com ervilhas (12,5€)
Mais uma prova de que não se limitam a cozinhar para turistas, cozinhando um prato que não agrada nem a estrangeiros nem a grande parte das novas gerações nacionais, cozinhando uma das partes menos nobres mas mais interessantes do animal, a Língua. Estufado bem apurado, com um molho envolvente e a carne no ponto, suculenta e tenra. A acompanhar estavam umas chips de batata bem crispy.

asnicolau_-3Rabo de Vitela à nossa moda (14,5€, na foto estão duas doses)
Quem me conhece sabe que quando existe num menu raramente me escapa um bom rabo (de vitela ou de boi, claro!). Carne a desfazer como é mandatário, com a gelatina e os vestígios de tutano a fundirem-se bem com o molho suculento de tempero certeiro à base de tomate e cenoura. Para acompanhar, raramente abdico de um bom puré, mas aqui o arroz branco bem soltinho cumpriu bem com as ordens, quando envolvido com a carne e o molho.

asnicolau_-7Quindim (4€)
Partindo para o capítulo doceiro, fizemos uma viagem até ao Brasil com um excelente Quindim. Doce como manda a lei, base de côco na medida certa e textura sedosa do creme. Muito bom!

asnicolau_-6Toucinho do Céu (4€)
Um clássico nacional e a minha sobremesa favorita na infância, muito por culpa de um toucinho que os meus pais compravam, em dias de festa, a uma velha artesã da doçaria tradicional, e não, ainda não encontrei um melhor! Por sinal este da Adega São Nicolau foi um dos melhores que provei nos últimos tempos, doce certa de amêndoa, textura correcta e sabor certeiro.

A carta de vinhos percorre o País com referências que demonstram o que de melhor temos para oferecer e conta ainda com alguns champanhes (a perdição do Sr. Coelho) não vá o dia ser de festa. O dia pedia um branco, pelo que optei por vinho mais encorpado que se comportasse bem com a carne, escolhendo o Quinta de Cidrô Chardonnay 2015 da Real Companhia Velha, a um preço imbatível de 15€.

Quanto ao serviço decorreu maravilhosamente para aquilo que se pretende de um restaurante deste género, equipa com extrema simpatia, mesmo tendo em conta a azáfama do serviço, tempos respeitados e aqueles pequenos apontamentos que nos trazem conforto e a sensação de estar em casa.

asnicolau_-9Comensais com direito a tunas e fado na escadaria que dá acesso à esplanada

Considerações Finais
É certo que a oferta gastronómica da Ribeira nunca foi das melhores, vivendo a maioria dos seus espaços do vaivém diário de turistas, mas esta Adega é um daqueles restaurantes que mostra que existem excepções. Cozinha portuguesa bem preparada, com apresentação simples e eficiente, e acima de tudo muito sabor. O crivo que António Coelho vai passando pelas suas cozinhas continua certeiro e beneficia hoje da ajuda da filha Renata, que comanda as brigadas de  sala dos seus 3 restaurantes.

Em suma, e com a crescente moda da cozinha dita contemporânea e dos holofotes no fine dining, poderia cair-se no erro de dizer que a Adega São Nicolau é “apenas” um bom restaurante de cozinha tradicional, mas com todos os fiascos que se vão vendo em novos restaurantes e os crimes cometidos em muitos restaurantes de cozinha portuguesa, o “apenas” ganha toda uma nova dimensão, porque este é um restaurante que apetece visitar. Visitar vezes sem conta, onde queremos levar os amigos ou as avós e acima de tudo, é um restaurante de onde se sai feliz!

Adega São Nicolau 
Rua de São Nicolau nº 1 (Ribeira), Porto
+351 222 008 232

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses 

Posted in Restaurantes - Porto | Otagowano jako , , , , , | 1 Response