Florença – Cibrèo

Cidades como Paris, Londres ou Florença, nunca cansam, e Florença em particular, bem que poderia tornar-se o meu refúgio, se por algum motivo tivesse de deixar o meu querido Porto!

E é sempre bom voltar onde já se foi feliz! Seja uma cidade para a qual nos apetece viajar vezes sem conta, seja aquele restaurante que fazemos questão de visitar sempre que estamos numa cidade.

Em Florença, capital da Toscana e berço do renascimento, não faltam, felizmente, boas interpretações da cozinha regional, com grandes e emblemáticos restaurantes que apesar do fluxo de turistas sempre souberam respeitar as suas origens, tradições e consequentemente o seu futuro.

E aqui o meu refúgio é este Cibrèo (sobre o qual já vos escrevi aqui ), seja pela atmosfera vintage, o ambiente acolhedor, a figura peculiar e a simpatia de Fabio Picchi, o chef, seja pela pela sua ousadia de não servir pratos de pasta no seu ristorante.

Fabio é hoje uma celebridade entre locais e estrangeiros,  mas mantêm o seu negócio com a mesma inspiração de quando o abriu, há mais de 30 anos e lhe deu um nome modesto, que personifica a sua cozinha – Cibrèo é um famoso ragu, que a mãe de Fabio preparava com astúcia, durante toda a sua infância – uma cozinha assente num receituário familiar, simples, de confecções simples, onde o produto é rei e o sabor ganha destaque.

Falar do regresso a um sítio que nos fez feliz é falar de expectativas, de desejos, de paixão e de memórias de sabores – como o rabo de boi e o bolo de chocolate que por lá tinha provado há anos.

Mas lá fomos, deambulando pelas lindas ruas de Florença, sem mapa, com o destino guardado na memória. A entrada mantém-se a mesma, mudam-se os livros, com as últimas edições a merecerem destaque, mas mantêm-se os rostos, o calor e genuinidade.

Já à mesa verificamos que tudo se mantêm inalterado, da decoração à música, ao ambiente e serviço, até o seu confuso, mas envolvente esquema de apresentar a carta. Continua a existir um funcionário que se senta ao nosso lado e nos descreve os pratos disponíveis naquele dia, é certo que rapidamente nos esquecemos de vários pratos que são descritos, mas as questões sobre as nossas preferências e as sugestões, tornam todo o processo de escolha muito mais carismático e entusiasmante.

Pedido feito e rapidamente a mesa é inundada dos habituais amuse bouche do chef, ou neste caso uma pré refeição, visto que ninguém ficaria mal se se ficasse apenas por aqui. Destaque para o tártaro de Salsicha, invulgar e rico de sabor, a salada fria de tripas e o sempre fantástico Aspic de tomate picante.

Uma fantástica forma não só de aguçar o apetite mas também de reavivar todas as memórias que tinha dos sabores e texturas da cozinha de Fabio Picchi.

Seguiu-se um prosciutto artesanal, curado na Toscana e cortado à mão com o qual o próprio chef nos brindou. Carne com textura e sabor certeiros, gordura intramuscular na medida certa e bom corte. Uma proposta bem mais interessante do que maioria dos prosciuttos que vamos encontrando no mercado e em restaurantes.


Minestrone com Atum Branco
Uma sopa clássica, trabalhada com mestria e enriquecida com pedaços de atum branco, típico da costa Italiana. Sabor rico e bem trabalhado, com destaque para a textura ainda crocante e a técnica de corte dos legumes que a compõe. O Aipo trouxe à sopa a frescura necessária para não se tornar demasiado pesada e linear.


Sformattino de Ricotta, Ragù de carne, parmigiano
Um dos pratos emblemáticos do restaurante, e algumas das texturas que Fabio Picchi domina como poucos. Sabor rico e intenso com um ótimo contraste entre a carne e o queijo. Delicioso!


Cogumelos PorciniFeijão
Feijões e cogumelos são tradição bem patente na região – estando nós de visita em época de Porcini a escolha seria óbvia. Cogumelo de grande qualidade, cozinhado no ponto, carnudo e saboroso, foi bem conjugado com o feijão e o aromático azeite. Simples, tornado perfeito!


Coelho Recheado com Salsicha e presunto
Prato clássico, de coacção irrepreensível, com bom molho e acompanhamentos interessantes, destacando as cebolinhas bem glaciadas e o puré de batata gratinado, que são um must. Mais um prato de gosto afinado e repleto de sabor!


Estufado de rabo de boi, batata, feijão verde
Voltou a ser o prato da noite, estufado que tem tanto de simples como de mestria. Um prato em que o tempo é um dos principais ingredientes e o conjunto se torna surpreendente. Nota alta também para as alcachofras cozinhadas em azeite e o famoso pão – osso de mamute.

Valeu a pena voltar por este rabo de boi.


Tarte de Frutos secos, baunilha e mel
Começamos pela menos interessante das sobremesas, onde o excesso de doçura retira algum do interesse do jogo de texturas e sabores das várias frutas secas.


Tarte de Framboesa e Baunilha
Se a tarte anterior apresentava defeitos, esta apressou-se a corrigi-los, fresca, leve, com bom equilíbrio de doçura, e uma ótima conjugação entre a framboesa fresca e o creme de baunilha. Muito bom!


Tarte de Merengue e cacau em pó
O nome diz pouco sobre a sobremesa em questão, mas a sua textura e o sabor do creme deixaram-nos completamente rendidos!

(Se o Fabio Picchi me estiver a ler pode sempre deixar a receita nos comentários!!!)

A carta de vinhos é também ela uma espécie de museu, com opções para todos os gostos, onde claramente leva primazia a produção de vinhos nas várias sub-regiões da toscana.

A acompanhar a refeição esteve um Chianti Classico Montefioralle Reserva de 2013, um 100% Sangiovese, fruto de uma selecção das melhores vinhas de um pequeno  produtor, que são ficam depois em estágio de 24 meses em madeira. Resultando num vinho complexo, rico e estruturado, com a madeira bem integrada e uns taninos sedosos que se conjugaram otimamente com as texturas mais cremosas dos pratos.

O serviço é de grande qualidade, do primeiro ao último minuto. Com a particularidade, ao contrário do fine dining, de quererem que nos sintamos em casa.

Considerações Finais 
Fabio não é apenas um génio de Marketing, nem um sucesso de geração espontânea, o seu pequeno império (são já 5 espaços num raio de 50 metros)  surge, não pelo roubo ao turista mas pela autenticidade e carisma da sua cozinha. O Cibrèo é um daqueles restaurantes em que nos podemos apaixonar (como é o meu caso), podemos até nem gostar, por variadissímos motivos, mas é daqueles espaços em que é praticamente impossível comer-se mal. É sem dúvida um restaurante e uma cozinha cheia de personalidade e qualidade.

É certo que não é barato, mas como já disse, visitar Florença sem experimentar a cozinha de Fabio Picchi não é a mesma coisa, pelo que podem facilmente optar pelo Caffè ou a Trattoria que propõe a mesma qualidade de confecção mas com um serviço mais informal e descontraído.

Ristorante Cibrèo
Preço médio:100€ por pessoa com vinho
Via del Verrocchio, 8r, Florença
+39 055 234 11 00
info@cibreo.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Posted in Restaurantes - Itália | Otagowano jako , , , , , | Skomentuj

Gallery Hotel Art by Lungarno

Experienciar um hotel que nos transmite a sua herança a sua tradição e o seu design é uma das sensações que mais privilegio.

Saber que estou num hotel em Florença, mesmo ao lado do rio Arno e da Ponte Vecchio, faz-me imensamente feliz! Saber também que esse hotel pertence a um grupo de hotéis de luxo criados pelo emblemático Salvatore Ferragamo é ainda mais entusiasmante!

Assim foi a nossa estadia no Gallery Hotel Art da Lungarno Collection.

Salvatore Ferragamo saiu de Itália aos 16 para começar a sua aventura nos EUA, algum tempo depois, já em 1927, voltou, mais propriamente a Florença, para fazer valer o seu sucesso de “shoemaker” das estrelas de Hollywood, e para levá-lo a um nível ainda mais requintado, com a tradição florentina bem presente.

Onze anos mais tarde abriu a sua primeira loja junto ao rio Arno, e foi a partir daqui que toda a inspiração se revelou para criar, junto com o renomado arquiteto Michele Bonan, os luxuosos hotéis do grupo Lungarno Collection. Hotéis com um sentido refinado de hospitalidade e personalidade, transmitindo os valores fundamentais da família Ferragamo, “compromisso, consistência e continuidade”.

O grupo possui vários hotéis, cinco em Florença (Hotel Lungarno, o Portrait Firenze, o Continental, o Lungarno Apartments e este de que vos falo hoje), um em Roma (Portrait Roma) e dois na Toscana (Villa Le Rose e Resort Baia Scarlino), além de imensos restaurantes, e experiências em iates (Nautor´s Swan Yachts).

Ficamos, então, no Gallery Hotel Art, que como o próprio nome indica é bastante dedicado à arte! Além de que mantém aquele cunho da moda e do lifestyle a cada momento, como eles mesmo se definem: “um local para ver e ser visto”.

Primeira Impressão
Que primeira impressão se pode ter dum hotel que fica praticamente em frente à Ponte Vecchio? A melhor, como é óbvio!

O Gallery Hotel Art  é um hotel design de quatro estrelas em que a arte está presente em cada detalhe.

Mal chegamos, ainda antes de entrar, pudemos apreciar o ambiente cosmopolita do Fusion Bar & Restaurant.

Entramos e o Lobby da receção demostra bem a contemporaneidade do hotel, transmitida essencialmente pelas instalações ou peças de arte ali presentes numa retrospetiva da artista Simone D´auria, já desde 2013, que apenas se mantiveram até 2016. Mas outras obras e artistas se seguirão.

Assim, somos de imediato levados a olhar para estas peças, umas das quais um tributo ao maravilhoso Philippe Stark e ao seu icónico Juicy Salif.

A equipa recebeu-nos duma forma bastante descontraída mas elegante, e com simpatia tratou de forma rápida do nosso check in.

Antes de subirmos para o quarto ainda dei uma espreitadela na sala com funcionalidade de biblioteca (e sala de pequeno almoço que viria a descobrir no dia seguinte!), decoração contemporânea e mais alguns pormenores de arte brilhantes.

Quartos
Contam-se 74, e nós ficamos num Studio que mais parecia uma casa! Um quarto com 40m2 constituído por quarto, casa de banho e sala, e ainda um terraço bem acolhedor.


À semelhança do restante hotel, o quarto respirava arte em cada detalhe, com uma decoração contemporânea e bastante aconchegante.


Na casa de banho pude encontrar um dos melhores produtos ao qual já tive acesso em hotéis – a exclusiva linha Tuscan Soul de Salvatore Ferragamo (com um hidratante de lábios com o qual sonho até hoje!).

Em jeito de boas vindas estava um chocolate italiano que se revelou bastante saboroso.

Restaurantes
O Hotel conta com duas opções gastronómicas, o Fusion Bar & Restaurant, com um ambiente cosmopolita, e uma alegria contagiante que nos faz querer entrar. Serve comida Nikkei, Sushi e Cocktails, e é um espaço para descontrair enquanto provamos sabores do mundo, mais propriamente do Japão combinados com o Peru e com um toque do mediterrâneo!


O outro espaço é a Biblioteca de que vos falei há pouco. Um local elegante sem ser pretensioso, com um ambiente mais calmo que o anterior e para desfrutarmos do pequeno-almoço, ou de um chá ou snack ao longo do dia.


Além destes espaços, que se localizam mesmo dentro do hotel, os hóspedes têm a oportunidade de experimentar os outros restaurantes do grupo, como foi o nosso caso, e da nossa experiência no Caffè dell´Oro, com uma das melhores vistas da cidade, a Ponte Vecchio!

O restaurante faz parte do The Portrait Firenze, inserido no mesmo complexo de hotéis que o Gallery, pelo que a  viagem entre um hotel e o outro é de parcos passos.

Aqui degustamos uma cozinha de influência bem italiana, marcada pelo ambiente e a decoração mais cosmopolitas. E  para vincar isso mesmo, começamos com um ótimo e fresco cocktail à base de Vodka, Gin, Lima, pepino e gengibre. 

Seguiram-se Bruschettas de cogumelos Porcinni, com burrata, pimentos e trufa, servidas com abundância e repletas daquele sabor clássico da cozinha Italiana.

E porque estávamos no tempo delas, as imperdíveis trufas brancas chegaram à mesa com uma ótima pasta. Pecaminoso!

Sem dúvida uma das melhores opções gastronómicas junto da Ponte Vecchio!

Serviços
Apesar do Gallery Art Hotel ser um quatro estrelas, o luxo não é deixado de lado em momento algum.

Além de que, o que não estiver disponível no hotel, estará certamente noutro dos hotéis do grupo que se situam muito próximos.

O Lungarno Collection oferece verdadeiras experiências para vivermos a cidade duma forma mais arrebatadora, como por exemplo Tours organizados sobre todos os passos do filme Inferno de Dan Brown, ou simplesmente tours nalguns dos museus mais importantes da cidade, como é o caso do Uffizi.


Apesar de não parecer, pode também transformar-se num verdadeiro hotel de negócios ou de eventos, e para isso nada melhor do que o espaço da Biblioteca. Para quem quiser algo ainda mais memorável, o Palazzo Capponi tem a sala certa, um espaço requintado e que traduz na perfeição a beleza do renascimento, e a apenas alguns minutos do hotel.

Atendimento
A equipa é jovem e animada, não tem pretensiosismos e é descontraída, mas em momento algum essa descontração se sobrepõe à simpatia e à atenção dada ao cliente.

O hotel transmite uma atmosfera de boa disposição, e a arte que se vai revelando em cada pormenor torna o ambiente ainda mais entusiasmante.

Os serviços correspondem praticamente a um hotel de cinco estrelas, porque quando o Gallery Hotel Art  não pode dar resposta a um pedido, adapta a situação para que um dos seus “irmãos” satisfaça o desejo do cliente.

A localização é perfeita, o ambiente é cosmopolita, e a arte é a Rainha!

Outro detalhe importante sobre o atendimento é a celeridade com que resolvem problemas, e aqui entra a minha história com os meus habituais esquecimentos – Deixei um casaco no Hotel que poucas horas depois me contactou para tentarmos agilizar o envio, que recebi dias mais tarde em casa e em perfeitas condições (eu juro que não faço isto de propósito para testar a qualidade do atendimento, eu sou efetivamente esquecida!).

Efetivamente o Grupo Lungarno Collection não deixa nada ao acaso, a beleza, a atenção aos detalhes, a tradição, a arte, a história, tudo é pensado ao pormenor, e garante uma vasta seleção de opções desde o mais clássico ao mais contemporâneo, porque os viajantes não são todos iguais, e cada vez mais é necessário privilegiar a identidade de cada um.

Gallery Hotel Art – Lungarno Collection
Quartos a partir de 200€
Vicolo dell’Oro, 5 – Florença
+39 055 272 63
gallery@lungarnocollection.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Gallery Hotel Art a convite da Lungarno Collection, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

 

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , | Skomentuj

Palazzo Vecchietti

Florença é talvez a minha cidade preferida do mundo (pelo menos do que já conheço), a arte e a história, presentes ao virar de cada esquina, contribuem muito para essa premissa, por isso quando escolhemos o Palazzo Vecchietti como hotel, para mais uma visita à cidade, soube que a experiência iria ser memorável.


E por quê? Porque este Palazzo conta com 5 séculos de história! A família que lhe dá nome, os Vecchietti, foi das mais abastadas e importantes de Florença, e em 1578 encomendaram o projeto de sua casa a Giambologna.

Assim, bem no centro da cidade, ao longo de diferentes áreas e edifícios que a família já possuía (desde a Piazza della Repuplica até ao Palazzo Strozzi) nasceu o Palazzo Vecchietti. Foi construído sobre um antigo edifício do século anterior e uma, ainda mais antiga, torre bizantina.

Volvido alguns séculos o Palazzo Vecchietti transformou-se num hotel de luxo, sem a habitual ostentação e grandiosidade dos cinco estrelas mas com um conceito de luxo com um lado mais discreto e intimista.

Luxo esse que, conjugado com a história e a arte, me apaixonou de imediato!

Primeira Impressão
A entrada faz-se por uma espécie de túnel que nos leva a um autêntico regresso ao passado, a encaminhar-nos estão as pedras da antiga torre bizantina. A adrenalina sobe quando sei que estou a tocar a história!


Chegamos ao lobby, que nada mais é que uma sala enorme com a elegância e a riqueza de outra época, e eu consigo fechar os olhos e imaginar-me noutro século. A lareira é um dos elementos principais desta divisão, assim como as estátuas e os quadros da família Vecchietti. O mobiliário antigo transmite requinte ao espaço, sem descurar o conforto.

A equipa recebe-nos com simpatia e oferece-nos água ou prosecco e snacks, que se encontram, inclusive, à disposição dos hóspedes ao longo do dia.

O nosso check in é feito sem demoras e somos encaminhados ao nosso quarto. E que quarto!!!

Quartos
Contam-se 12 mais 2 apartamentos. Estes têm nomes de algumas das figuras mais importantes de Florença. Ficamos num quarto Deluxe com o emblemático nome de Botticelli, que honestamente era uma casa, uma casa onde eu viveria facilmente!


Mal entramos percebi que o quarto era uma simbiose perfeita entre um luxo intimista e uma grandeza histórica.

O passado mescla-se a cada momento com o contemporâneo numa ligação sem precedentes.

As cores mais neutras conjugam-se na perfeição com a vitalidade do roxo, as tapeçarias, as cortinas e os sofás são aveludadas e transmitem conforto e bem estar.

A lareira e o conjunto de livros que adornam o quarto são os protagonistas de verdadeiros momentos de ócio.

A casa de banho transmite fragrâncias sem igual, e a cozinha é perfeita para qualquer casa.

Como referi, isto não é um quarto, é uma casa numa das cidades mais históricas de mundo.

Restaurantes
Tendo em conta o conceito de casa de família, o Palazzo Vecchietti não possui restaurante, tem sim uma sala principal, no último piso, onde é servido o pequeno almoço, que poderá também ser servido no quarto, de acordo com a preferência de cada hóspede, ou então se saírem muito cedo do hotel, ser-vos-á preparado uma caixa de pequeno almoço com tudo o que é necessário para começar o dia da melhor forma possível.

Há também menu de pequeno almoço vegetariano, e glúten free.

No entanto, e porque o serviço de um verdadeiro hotel de luxo está presente em cada detalhe, se precisarmos de reserva nos diferentes restaurantes da cidade, a equipa trata de tudo.

Ao longo do dia, como já referi, pode encontrar snacks doces e salgados, além de água e prossecco na receção.

Serviços
Estes são em tudo semelhantes a qualquer hotel cinco estrelas. Receção 24h por dia, wi-fi, transporte ou aluguer de carro, visitas organizadas à cidade ou a locais específicos, babysitting, lavandaria, marcação nos melhores spas ou restaurantes da cidade, entre muitas outras opções.

O hotel tem também a particularidade de ser petfriendly.

Atendimento
O Palazzo Vecchietti é um luxo diferente, sem pretensiosismos e sem formalismos, e a equipa trata-nos como sendo os donos da casa e não apenas os hóspedes.

São atentos e não falham em nenhum pormenor, fazem-nos sentir em casa sem nos sentirmos invadidos. Além de nos receberem sempre com um sorriso sincero no rosto, sem a necessidade de aparências!

Cada vez mais acho que o luxo no futuro vai passar por este tipo de experiências, um luxo mais recatado, onde a qualidade dos produtos e do serviço não é descurada em nenhum segundo, mas onde a privacidade se torna o maior dos bens, criando um ambiente mais acolhedor, mais subtil e sem servilismo.

E o Palazzo Vecchietti traduz tudo isto na perfeição, é um luxo único e familiar, é um luxo só nosso!

Palazzo Vecchietti
Quartos a partir de 220€
Via degli Strozzi, 4 – Florença
+39 055 230 280 2
info@palazzovecchietti.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Palazzo Vecchietti a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , | Skomentuj

Roma – Metamorfosi *

metamorfosi-20

Roma é uma cidade clássica, monumental e histórica, onde, e apesar do bulício de ser uma espécie de parque de diversões turístico, o seu povo mantém bem patente o passado, o respeito pelas tradições e continua, em certas áreas, nomeadamente na gastronomia, a ver a mudança e a modernidade com um olhar sisudo e severo.

É uma cidade onde é fácil encontrar grandes restaurantes com pratos emblemáticos e bem enraizados na cultura romana, simples, e baseados unicamente na qualidade do produto. No entanto, quando olhamos para a alta gastronomia a escolha torna-se um pouco mais complicada, são vários os restaurantes estrelados, é certo, mas na sua grande maioria todos eles são demasiado clássicos sem grandes momentos de irreverência e de choque cultural como já acontece noutros restaurantes bem conhecidos de Itália.

Ainda assim existe uma excepção, o Metamorfosi, nascido num dos mais clássicos e burgueses bairros da cidade pela mão de Roy Caceres, um colombiano que cedo chegou a Itália para cozinhar, tendo passado pelo Il Pelicano, Locanda Solarola e  Pipero antes de em 2010 se aventurar em nome próprio.

O restaurante, recentemente remodelado é uma lufada de ar fresco no panorama da cidade, recriado com uma certa influência japonesa, onde menos é mais, com uma decoração minimalista e o uso da madeira e uma espécie de biombos para criar espaços mais acolhedores e intimistas na sala.

Cracker de Azeite e sal

As boas vindas não se fazem esperar e os snacks começam a surgir na mesa a bom ritmo, começando por uns interessantes crackers de azeite e sal e um cocktail à base de Vodka, Tequilla, manjericão gengibre, cardomomo, lima kaffir e figos da Índia.

cocktail

Pão crocante de sementes, peixe marinado e creme de caril

Seguiu-se um pão crocante de sementes com peixe marinado e um creme de caril, um snack de interessantes contrastes de sabor e texturas, onde o creme de caril eleva a fasquia. Passamos de seguida para umas Pontas de chicória com  maionese de anchova e pó de sésamo, delicadas, crunchy e repletas de sabor.

Pontas de chicória com  maionese de anchova e pó de sésamo

Para que não fiquem dúvidas sobre as origens do chef, eis que surgem umas deliciosas e pecaminosas Arepas recheadas com carne. Perfeitas aliás!

Arepas recheadas com carne

Aipo crocante, mexilhões, espuma de batata e sal negro e manjerona, onde e infelizmente, apesar das interessantes texturas o sabor delicado do mexilhão ficou completamente perdido no conjunto.

Após um interessante começo e uma subida a pique das expectativas fazemos uma pausa, mas não uma pausa qualquer, uma quebra para que surja na mesa o pão, que aqui tem direito a um momento específico e por uma boa causa. O pão criado pelo sub chef  sueco John Regefalk, que se apaixonou pela arte da padaria durante a sua passagem pelo Noma.

O lado aromático, o bom nível de hidratação e uma excelente crosta fazem deste pão o melhor que já provamos em Itália. No acompanhamento, aquilo que parece manteiga tratava-se na realidade de um interessante sorbet de azeite que proporcionou ainda um bom contraste de temperaturas com o pão.

Taco de Atum e ervas 
Um regresso à América latina com um inspirado Taco, em que a tortilha é substituída por folhas de várias plantas e ervas. Um prato leve, elegante, que leva muito bem a street food até ao fine dining, elevando a fasquia e os sabores. Por outro lado o prato mostra muito bem a identidade de Roy Caceres que se veio a mostrar ao longo de todo o menu, com um recurso exímio às ervas frescas e ao contraste entre a frescura vegetal e os demais sabores e texturas.

Depois do Cocktail seguiu-se um Riesling Fritz Haag,  Trocken de 2015, um vinho fácil e sem grande complexidade que conquista pela sua boa acidez e as notas de fruta tropical e citrinos. Uma boa harmonização!

 Carbonara
Um prato que nos lembra bem o país em que estamos, com uma reinterpretação muito bem conseguida. Sem recurso a pasta de nenhum tipo, o prato vive do bom ovo cozinhado a baixa temperatura, do guanciale, da combinação de parmegiano e pecorino e dos crocantes torresmos que nos transportam de imediato para o sabor confortável do clássico romano. Muito bem conseguido!

No copo viajamos também por Itália, mais propriamente à região da Umbria, com um Chardonnay Bramìto de 2015 de Castello della Sala, um branco interessante e de grande potencial, com um elegante tom e um nariz aperitivo e complexo com notas tropicais, citrinos e alguma baunilha. Na boca a sua estrutura e acidez revelam uma ótima frescura que cortou muito bem com a untuosidade do prato.

Anti Pasta
O nome acaba por dizer quase tudo, um prato de pasta que na realidade não o é! Para criar uma espécie de linguini, o chef usa um caldo de peixe que é desidratado cortado e novamente hidratado, ganhando uma grande intensidade de sabor e uma textura próxima de uma massa fina de arroz. O prato cresce ainda com a adição de um molho feito com cabeças de camarão,  lulas, camarões e um gel de limão que juntamente com o pó de ervas lhe traz a frescura que o chef procura pôr em todos os pratos. Muito bom!

Para a harmonizar, a escolha recaiu sobre um rosé da Toscana, Bibbona SOF 2015 da Tenuta Campo di Sasso, inspirado nos vinhos da Provença, com notas de morango, romã, groselha e umas certas nuances de balsâmico. Na boca revelou-se menos exuberante mas a sua acidez e elegância permitiram que os sabores marítimos do prato sobressaíssem.

 

Risotto de Cogumelos, avelã caramelizada, queijo robiola 
Outro clássico italiano escondido numa espécie de tambor japonês, com uma capa feita de cebola e cogumelos secos que derrete ao colocarem o creme de queijo Robiola. Quanto ao risotto em si, foi o prato mais clássico e confortável do menu, feito com grande rigor e rico em sabor e textura. Com umas lascas de trufa seria garantidamente inesquecível!

A acompanhar e em grande nível esteve um Verduzzo 2012 da Bressan, de nariz amplo e fresco apesar das notas de mel, alperce, pêssego ou pera. Na boca a sua estrutura e persistência tornou-o uma ótima companhia para as texturas e sabores do risotto.

Wagyu, molho de cebola e menta com Beringela, molho satay e ervas
Prato e acompanhamento servidos e empratados em separado, que mais uma vez demonstra com exactidão a personalidade gastronómica do chef e a sua busca pela frescura e os contrastes de sabor e textura feitos com grande elegância. Carne de altíssima qualidade, molho a remeter para um barbecue muito mais leve e fresco, com o acompanhamento a trazer-nos notas de terra e alguma dimensão com o molho satay. Um grande, grande prato!

Com a carne passou-se ao Tinto, com um vinho siciliano Palari Faro da Azienda Agricola Palari de 2010. Um bonito vinho, leve de cor, complexo no aroma, surpreendentemente elegante para um vinho da Sicília, com excelentes taninos e presença na boca.

Lollypop de queijo azul e chocolate branco, gel de vinho do Porto
Um clássico do metamorfosi, que serve também de pré sobremesa, e nos traz à mesa um elemento Português que tanto apreciamos, o vinho do Porto, neste caso num gel feito com o LBV da Quinta do Noval. Quanto ao prato, excelente equilíbrio na doçura e na combinação do queijo com o chocolate. Delicioso!

Floresta Negra
Uma versão do clássico bolo, com mascarpone, chocolate negro fermentado com maracujá, crumble de chocolate, ervas e gel de frutos vermelhos. Sabores e conjugações interessantes, com destaque para o chocolate fermentado, resultando num final fresco e leve como pedia um menu já longo.

Já no copo, terminou-se com um Favinia Passulé 2012, um Late Harvest produzido na Sícilia, de cor dourada e nuances de mel, com o nariz a transmitir-nos notas clássicas de figo, casca de laranja e tâmaras e frutos secos, surpreende com a presença de aromas a ervas aromáticas, transmitindo-lhe maior frescura. Na boca revele-se doce na medida certa, com poder e delicadeza onde a fruta ganha destaque. Quanto ao Pairing, é certo que preferiria um vinho do Porto, mas este não desiludiu.

petit fours

Para terminar não faltaram os petit four, apresentados a bom nível com destaque para o bolo de limão com baunilha e groselha. 

O serviço de sala merece também uma nota de destaque por si só, por se ter mostrado, também ele, um nível acima da maioria dos restaurantes com 1 estrela Michelin na Itália. Calmo, sereno, presente no momento certo, com inglês perceptível (coisa que também é rara!) e com um bom conhecimento do menu.

Considerações Finais 
É bom quando entramos em espaços que quebram as regras clássicas e que rapidamente superam as expectativas que levamos quando entramos pela porta, e esse é o caso deste Metamorfosi. Um restaurante que poderia ter tudo para não ser bem aceite numa cidade como Roma, mas que acaba por ter tudo o que é necessário para se tornar num dos grandes destaques da cidade e do País.

A cozinha de Roy Caceres revela detalhes de aprimorada subtileza e elegância, com uma procura constante pela leveza e frescura, acabando por ser esse o elemento comum a todo o menu, desde os pratos inspirados na sua América Latina aos clássicos italianos que servem de base a algumas das suas criações mais arrojadas.

Um restaurante obrigatório para quem visita Roma!

Metamorfosi
Menus a partir de 100€
Via Giovanni Antonelli, 30 –  Roma
+39 068 07 68 39
info@metamorfosiroma.it

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Metamorfosi a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Posted in Restaurantes - Itália | Otagowano jako , , , , | 1 Response

Crossing Condotti

crossingcondotti-15

Muito próximo de uma das zonas mais mediáticas de Roma, a Praça de Espanha, o Crossing Condotti personifica um novo conceito do luxo.

Uma casa que faz com que nos sintamos em paz no nosso apartamento, mas com  todas as comodidades de um hotel de luxo, primando pela privacidade e o conforto!

A 50m da Praça de Espanha, a minutos a pé das maiores atrações de Roma e rodeado de lojas de luxo, o Crossing Condotti foi a localização perfeita para mais uma visita à Cidade Eterna!

Já não íamos a Roma desde 2011, e admito que já estava a morrer de saudades, quem acompanha o blog sabe da minha predileção por história, e que melhor local do mundo do que Roma para vivermos de perto a história?!

crossingcondotti-14

Assim, desta vez escolhemos o hotel Crossing Condotti, uma antiga casa na Via dei Condotti, recentemente restaurada e transformada em hotel que, como já referi, nos transporta para um conceito de casa de família, com muitas das funcionalidades existentes num verdadeiro hotel cinco estrelas.

crossingcondotti-13

crossingcondotti-18

Primeira Impressão
Digamos que a localização do hotel me apaixonou de imediato! O Crossing Condotti fica numa transversal à Via dei Condotti que se situa mesmo em frente à Scalinata di Trinità dei Monti, mais conhecida por Escadaria de Espanha.

Chegamos, tocamos à campainha e de imediato nos abriram a porta, o edifício, constituído por rés-do-chão, primeiro e segundo andar (sem elevador), é um edifício histórico e mantém esse mesmo charme, apesar de recuperado e restaurado no interior.

crossingcondotti-17
Um simpático funcionário ajudou-nos com as malas e acompanhou-nos até à receção, ou melhor dizendo, sala de estar! Um ambiente que tinha tanto de elegante como de aconchegante com mobiliário antigo e cores sóbrias.

Ofereceu-nos água, chá ou café e tratou do nosso check in, sem formalismos, sem pressas, sem pretensiosismos e por fim acompanhou-nos ao nosso quarto, que ficava nesse mesmo piso, nesse momento deu-nos não só a chave do nosso quarto mas também a chave de casa o que nos fez automaticamente sentir donos deste pequeno pedaço de Roma!

crossingcondotti-19

Umas horas mais tarde e após o merecido descanso conhecemos outro funcionário que é como quem diz, o proprietário (são apenas dois, sendo que a receção só funciona das 8h30 às 18h30),  David, que partilhava da mesma simpatia do colega mas que tinha mais uma qualidade fabulosa, falava português, apesar de ser italiano.

crossingcondotti-23

Quartos
O hotel possui nove quartos, dos quais cinco são Superior, um Deluxe, uma Junior Suite, uma Master Room e uma Penthouse Suite. Ficamos num Superior, no quarto de nome Carroze.

Uma decoração sóbria com tetos de madeira originais, mobiliário antigo e quadros dos antigos proprietários da casa. Uma combinação elegante de elementos do passado num ambiente contemporâneo.

crossingcondotti-24
A cama, enorme, era do mais confortável, e os tons neutros das cortinas e das paredes conferiam ao quarto uma elegância sem igual. Na casa de banho os produtos L´occitane preenchiam o ar de um aroma suave e agradável.

crossingcondotti-25
No quarto esperavam-nos chá, café, água, biscoitos. Inclusivamente, as restantes tipologias dos quartos possuem kitchenette com ainda mais opções de bebidas e alimentos, além de frigorífico, máquina de café, e todas as comodidades de uma autêntica casa. Por sua vez, e porque nada é deixado ao acaso, a Junior Suite, a Master Room e a Penthouse possuem banho turco com música e cromoterapia, capazes de garantir o mais perfeito momento de relaxamento.

crossingcondotti-2

Restaurantes
Como já deu para perceber, o hotel, sendo um conceito diferente, não possui serviço de restauração, no entanto, garante uma escolha bastante completa de seleção de alimentos e bebidas aos seus hóspedes. Assim, na cozinha, à disposição (24h/dia) para todos os quartos podem encontrar-se biscoitos, doces, queijos (muito bons!), água, sumos, leite, cerveja, café e chá.

crossingcondotti-16

Além de que, o David garantiu a reserva dos nossos restaurantes e tratou de tudo sem termos que nos preocupar.

Como vos tenho vindo a dizer, o Crossing Condotti é a nossa casa mas com direito a Concierge!

crossingcondotti-21

Serviços
Os serviços são em tudo semelhantes a um hotel cinco estrelas, basta solicitarmos na receção.
Seja a reserva de um restaurante, a necessidade de transporte de e para o aeroporto, visitas guiadas à cidade ou museus específicos, babysitter, lavandaria, cabeleireiro, marcação de spa, entre muitas outras opções que variam de hóspede para hóspede.

Tudo o que for necessário para fazer da nossa estadia memorável, o Crossing Condotti garante!

Uma das coisas que mais interesse me suscitou foi a organização de pequenos convívios que o hotel faz e que decorrem na Penthouse em que os hóspedes são convidados a saborear os divinais queijos italianos e a degustar vinhos de produção orgânica da região de Montefalco da casa Antonelli.

crossingcondotti-8

Esta iniciativa, apesar de já se ter realizado, está ainda em fase de experiência mas será certamente mais uma forma de fazer com que os hóspedes se sintam em sua casa ou em casa de familiares ou amigos.

Tivemos oportunidade de provar um dos vinhos, o MonteFalco Rosso de 2013, um vinho de aroma intenso e repleto de frutos do bosque, que marcou na boca por se apresentar seco, com boa estrutura e equilibrado. Aprovadíssimo!

crossingcondotti-10

Atendimento
O Crossing Condotti não é um hotel de luxo, é sim o luxo encarnado num ambiente de privacidade e de casa de família, em que desde que entramos nos sentimos em nossa casa, com a nossa família e os nossos amigos.

Temos o à vontade para ir à cozinha buscar algo para beber, para sentar no sofá da sala e falar com os funcionários sobre Roma, ou simplesmente sobre a vida. Beber um vinho, conversar e apreciar todos os momentos passados no conforto do nosso espaço. Porque o Crossing Condotti é isso mesmo, o nosso espaço, a nossa casa na cidade de Roma!

crossingcondotti-11

Poderia falar sobre a simpatia do David, dos sorrisos genuínos e da preocupação constante com o nosso bem-estar, mas se durante todo o texto vos disse que me senti na minha casa, saberão que fui excecionalmente bem tratada!

Por vezes cansamo-nos das formalidades constantes das grandes cadeias hoteleiras de luxo, dos pretensiosismos associados, e a única coisa que queremos é o mimo do nosso espaço, e é precisamente isso que encontramos aqui, mas com uma benesse, o luxo e o conforto são uma constante.

crossingcondotti-20
Se tivesse que definir o Crossing Condotti diria que este é um Luxo Intimista!

Crossing Condotti
Quartos a partir de 245€
Via Mario de’ Fiori, 28 – Roma
+39 06 69 29 54 69
info@crossingcondotti.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Crossing Condotti a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , , , | Skomentuj

Grand Palazzo della Fonte

gpf-22

Quando chegamos a um hotel com mais de um século de existência a sua história capta a nossa atenção de imediato, principalmente quando sabemos que nomes como Vittorio Emanuelle III e Pablo Picasso já fizeram parte da lista de hóspedes. Falo-vos do Grand Palazzo della Fonte em Fiuggi.

A famosa terra italiana das termas, cuja água tem a fama de já ter tratado maleitas a Michelangelo, alberga um sumptuoso e elegante hotel, com um século de histórias para contar e com um charme muito peculiar que nos transporta rapidamente para os cenários de Wes Anderson.

gpf-23
Aquando da sua abertura, em 1913, pretendia ser o mais elegante e moderno hotel do seu tempo, sendo inclusive o primeiro a possuir uma piscina privada em toda a Europa. Como é óbvio, depressa se tornou no ponto de encontro das personalidades mais importantes da época e da alta sociedade europeia.

Sobreviveu a duas Guerras Mundiais, e hoje mantém ainda muito do encanto e a magnificência dos charmosíssimos anos 20!

gpf-13

Primeira Impressão
A chegada ao Grand Palazzo della Fonte dá-nos a sensação de estarmos a protagonizar um filme com a elegância e grandeza doutra época, talvez um pouco em jeito de Great Gatsby!
Mal entramos no complexo do hotel ele surge-nos na sua altivez em forma de palácio. Um edifício enorme, branco, em estilo Art Nouveau.

Entramos e o charme da decoração tomou conta de nós e transportou-nos até à beleza da Belle Époque, com riqueza em cada detalhe, destacam-se de imediato a madeira brilhante do mobiliário, os candeeiros, e a elegância dos funcionários.

Após o check in fomos encaminhados ao nosso quarto por um simpático funcionário que parecia saído diretamente do elenco do filme Grand Hotel Budapest!

gpf-2

Quartos
Contam-se 153, dos quais 145 são quartos, 7 suites e uma royal suite, mantendo todos uma decoração inspirada nas casas de campo inglesas. O contacto com a natureza é constante, seja nos motivos florais das paredes, camas ou cortinas, seja nas vistas que entram pelas janelas altas.

Ficamos num quarto em que apesar das dimensões bastantes generosas conseguiu transmitir aconchego. Por sua vez, a casa de banho tinha um aspeto luxuoso dado pela predominância do mármore, mas um pouco datado.

gpf-3

Fomos, também, presenteados com uns saborosos biscoitos de boas vindas.

A única falha? Talvez a ausência de roupão. É que eu não sobrevivo sem aqueles roupões enormes e “fofinhos”! No entanto, após um pedido feito para a receção, rapidamente chegou até mim um roupão cheio de conforto para dar!

gpf-27

Restaurantes
O hotel conta com 4 opções, o Il Portico e Il Portico Bar,o  Fonte Bar, o La Terrazza,  e o Savoia.
O primeiro é o restaurante e bar que fica junto à piscina exterior e que serve diferentes refeições/snacks ao longo do dia. Está aberto somente de Maio a Setembro, assim como a piscina.

gpf-16Fonte Bar

Quanto ao Fonte Bar é um dos espaços mais elegantes e boémios do Grand Palazzo della Fonte. Apreciar um cocktail ao balcão num ambiente de festa dos anos 20 é um momento imperdível.

O La Terrazza, por sua vezé o restaurante de Verão mais informal e onde se servem pratos mais leves.

gpf-35Savoia

Por fim, o Savoia é o restaurante principal do hotel. Um salão enorme com requinte em cada detalhe que serve a cozinha tradicional italiana, que não deixa ninguém indiferente. Aqui tivemos oportunidade de degustar um almoço que nos surpreendeu e conquistou, especialmente depois do pequeno almoço (serviço noutro lindissímo pavilhão do Hotel) ter ficado um pouco aquém do que se esperava.

gpf-33 Começamos por uma excelente Bresaola com creme de castanhas (produzidas no Hotel), um delicioso prato de Polvos bebés com polenta, passando depois para um risotto com trufa preta e raviolis com cogumelos Porcini.

gpf-30 gpf-34Mil Folhas de Baunilha e dióspiro 

Apesar da apresentação dos pratos estar também ela um pouco datada, esta segue a imagem palaciana da sala de jantar. Por sua vez, o sabor e a técnica de cocção foram irrepreensíveis.

gpf-25

Serviços
O Grand Palazzo é o hotel ideal para eventos pessoais ou profissionais, com uma capacidade total de 11 salas/salões oferece todas as funcionalidades necessárias, quer para a celebração de uma data especial, quer para eventos de teambuilding, quer para conferências, congressos ou eventos de entretenimento.

gpf-18

gpf-17

Não é um hotel com ambiente de business hotel mas serve perfeitamente o efeito, mas com muito mais charme, ou não fossem alguns dos salões verdadeiras obras de arte com frescos espalhados pelo teto e paredes. Já para não falar da imensa região de parque natural que permite diferentes atividades ao ar livre, assim como o acesso a um campo de golfe, e dois de ténis.

gpf-5
Mas o ex libris do hotel e uma das maiores razões pelas quais chegam hóspedes de todo o mundo é o seu spa, o Luxury Fonte Spa.

Fiuggi é conhecida pelas suas águas termais que já ajudaram uma infinidade de pessoas ao longo dos séculos, e o Grand Palazzo della Fonte conseguiu trazer o melhor de dois mundos, o luxo e os benefícios destas águas.
Assim, o Luxury Fonte Spa é constituído por duas piscinas, uma exterior e uma interior aquecida, jacuzzi, sauna, banho turco, 10 salas de tratamentos e sala de relaxamento. Os tratamentos são assinados pela famosa marca Carita-Paris.

gpf-6
No complexo do spa existe também um ginásio e água/chá e fruta à disposição dos clientes.

gpf-12

Atendimento
Como referi no início deste artigo o que mais me fascinou neste membro dos Leading Hotels of the World foi mesmo o ambiente de Belle Époque, a loucura dos anos 20 está presente em cada recanto do hotel, e ao longo da nossa estadia sentimo-nos constantemente parte do elenco do Grand Hotel de Budapest!

No entanto, e talvez pela data em que fomos (novembro – época baixa) deu-me a sensação de haver pouco staff, principalmente no complexo do spa, que se encontrava repleto de hóspedes mas com apenas uma funcionária na receção (além das terapeutas). Simpatiquíssima, devo dizer, assim como todos os restantes funcionário, mas num hotel tão grande a equipa tem que ser igualmente extensa.

Tirando este pormenor, a equipa que nos acompanhou foi atenciosa, atenta e com sorrisos genuínos durante toda a estadia.

gpf-19Vistas do Hotel sobre a cidade antiga de Fiuggi

Um agradecimento muito especial ao Daniel Barr, um dos mais simpáticos e prestáveis directores de hotel que já conhecemos, que nos guiou e mostrou a história daquele que foi um dos mais importantes hotéis da Itália!

Quanto ao Hotel, é o melhor destino para quem quiser visitar aquela região do País!

Espero ainda que um dia haja um “pequeno” investimento que restitua toda a glória do passado deste Grand Palazzo!

gpf-36

Grand Hotel Palazzo della Fonte 
Quartos a partir de 180€
Via dei Villini, 7 – Fiuggi
+39 07 75 50 81
information@palazzodellafonte.com

English Version

Fotos: Flavors & Senses

Nota
Estivemos no Grand Hotel Palazzo della Fonte a convite, sendo que isso em nada altera o nosso trabalho cuja opinião e o texto são da exclusiva responsabilidade do seu autor.

Posted in Hotéis | Otagowano jako , , , , | Skomentuj

Pompeia

pompeiaRuínas de Pompeia com o Vesúvio ao fundo

Situada muito próximo de Nápoles, Pompeia, foi em tempos uma verdadeira e importante cidade do Império Romano, que à semelhança de outras cidades italianas,  certamente se manteria com um cunho histórico bastante preservado, não fosse a devastação total, no ano de 79, fruto da ira imparável do Vesúvio.

pompeia-11
Hoje tem sim o peso marcado da história mas principalmente do terror que assombrou toda a cidade e a transformou num cenário de morte eterna!

Se estiverem a viajar de carro pelo país podem tirar um dia para passar em Pompeia, se não estiverem com veículo próprio, o mais lógico será apanhar o comboio da cidade onde estão até Nápoles utilizando como destino Napoli Centrale, e uma vez nessa estação apanhar a linha regional EAV que é a antiga linha Circumvesuviana, que se situa na estação anexa à estação central, a Napoli Garibaldi. Após cerca de 40 minutos deverão sair no destino Pompei Scavi Via dei Misteri, chegando assim a Pompeia.

pompeia-2
Nós visitamos Pompeia na nossa última viagem a Itália, vínhamos da Costa de Amalfi (ver) e antes de seguir para Roma, decidimos fazer uma breve paragem em Pompeia, chegamos bem cedo, a ideia era passar o dia a visitar todo o complexo das escavações de Pompeia (a antiga cidade romana destruída pelo vulcão) e depois seguir novamente viagem de carro.

O caminho até Pompeia é tumultuoso, com o trânsito presente em todo o lado, como já é habitual em Itália! Incrível verificar que não há absolutamente nenhum carro ao longo das ruas que não esteja com estragos, o que só evidencia ainda mais a boa condução dos italianos do sul!

Mas, trânsito à parte, lá chegamos a Pompeia. Estacionamos mesmo em frente ao complexo das escavações, num dos imensos parques de estacionamento, pagamos 10€ (dia inteiro), mas depois apercebemo-nos que havia alguns a 5€.

pompeia-8

Seguimos para a cidade antiga, cuja entrada ficou por 13€ a cada um para visitar todo o complexo. Logo na entrada têm acesso a um mapa que vão querer levar convosco, pois o complexo é grande e tem diferentes locais, assim vão orientar-se mais facilmente.

Pompeia, atualmente Património Mundial da Unesco, manteve-se oculta, e preservada pelas cinzas e lama, durante cerca de 1600anos após a erupção do vesúvio em 79. Foi redescoberta, por acaso, em 1748 e é atualmente uma visão quase macabra do que foi em tempos.

pompeia-6

pompeia-4
Embora a cidade tenha a sua origem nos séculos VI ou VII a.C., as escavações mostram o que ela seria no século I d.C., mostram a vida dos seus cidadãos, as suas construções, as suas casas, e aquando da descoberta destes achados arqueológicos foi possível imaginar todo o terror sentido durante a ira da erupção vulcânica, tal era a preservação dos corpos em fuga, abraçados, com expressões de horror…

pompeia-9

pompeia-10
Por isso, apesar de todo o valor histórico, há também quase a descrição de uma morte imortal da cidade de Pompeia.

Para quem adora história (como eu) Pompeia é um dos locais imperdíveis em Itália, para quem não se identifica com esta vertente não aconselho a ir, mais que não seja para depois não lançar a habitual barbaridade: “aquilo era um monte de pedras!”.

pompeia-12os antepassados romanos de um restaurante e street food

pompeia-13
Ao longo de todo o complexo conseguem identificar perfeitamente a forma de viver dos habitantes de Pompeia, os seus ofícios, as suas casas desde as mais luxuosas às mais humildes, os seus locais de lazer, os seus locais de culto, todas as “avenidas”, os caminhos e ruelas. É incrível a preservação de toda a cidade.

pompeia-19

pompeia-20

pompeia-21

pompeia-22A arte mais moderna a ser bem integrada nas ruínas de Pompeia

Conseguimos fechar os olhos a cada instante e imaginar uma verdadeira viagem ao passado, principalmente junto à arena, onde com um simples estalar de dedos nos transportamos de imediato para uma batalha de gladiadores onde o Spartacus e o Crixus poderiam perfeitamente ser os protagonistas!

pompeia-15

pompeia-16

pompeia-17O coliseu de Pompeia

Pompeia é indubitavelmente uma cidade eterna e imortal!

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses

Posted in Cidades | Otagowano jako , , , , , , | 1 Response

Sorrento – Il Buco *

Ilbuco-16 Localizado na cave de um antigo mosteiro e sobre uma das principais portas da cidade de Sorrento, nasceu em 1997 o Il Buco, considerado por muitos o melhor restaurante da cidade, conquistou em 2003 a sua 1ª estrela Michelin que mantêm com convicção até aos dias de hoje.

Giuseppe Aversa – Peppe para os amigos – focou toda a sua cozinha no território em que se insere, reinventando e modernizando a cozinha tradicional, usando para isso os mais frescos produtos do mar que tem à sua porta, assim como as pastas e os legumes do interior da Campania.

Ilbuco-15

O Restaurante está dividido em várias pequenas salas (entre elas uma magnífica esplanada sobre as arcadas do mosteiro), de decoração bem ao estilo da região, combinando o branco com tons vivos onde sobressai o rosa em contraste com a rusticidade da pedra.

Ilbuco-2

Já bem instalados na mais romântica e privada mesa da sala principal, somos brindados com as boas vindas do chef, uma Polenta frita com molho de tomate, anchova marinada, ricota e molho de manjericão. Um bom presságio para o que se seguiria, numa excelente combinação de sabores e texturas elevadas pelo kick da anchova.

IlbucoPolenta frita com molho de tomate, anchova marinada, ricota e molho de manjericão

Seguiu-se uma enorme variedade de pães feitos na casa, onde se destacava um pão de queijo e salame típico de Nápoles e a Focaccia de Cebola (deliciosa). Nota alta também para o azeite que os acompanhava.

Ilbuco-3

No copo, brindamos com um Espumante Rosé produzido segundo o método clássico na Campania, o DU BL do Feudi di San Gregorio, 100% Aglianico, que se revelou uma agradável e interessante surpresa, dada a sua elegância e qualidade aromática.Ilbuco-5Lula, Atum, Gamba  e Pargo Vermelho
E começamos com o clássico Crudo italiano, que me trouxe boas memórias de outras regiões piscatórias do País. Atum bebé com cebola e teriyaki, lula com sal negro e maracujá, ambas com laranja e finas fatias de pargo vermelho elevadas por molhos de aperol, beterraba e maracujá. Destaque para a doçura e textura da gamba, assim como o equilíbrio e as notas dadas pelos molhos na conjugação de sabores. Excelente matéria prima!

Ilbuco-6Salmonete, escarola, feijão, espelta e lentilhas 
Peixe repleto de sabor a mar conjugado com sabores bem terrestres. Excelente a combinação de  texturas e o contraste de sabores elevados pelas notas ácidas da azeitona verde e do lado doce do tomate seco. Muito bom!

Ilbuco-7Risotto com burrata, camarão e marmelada de maçã
Nesta região não se segue a máxima italiana de não misturar queijo com peixe e marisco (que eu tendo a apreciar), mas aqui o resultado foi bem diferente de outro que havia provado anteriormente. Excelente risotto, com o arroz bem al dente e cheio de cremosidade, com a medida certa de burrata para não se sobrepor à doçura e suavidade do camarão, intensificada pelo molho feito com as cabeças. A maçã intensifica as notas doces do prato.

Para acompanhar serviu-se um Marisa Cuomo Ravello 2015, um branco produzido nas encostas de Ravello, onde se destaca a frescura e acidez  quer na boca quer no aroma.

Ilbuco-10Linguine com Rascasso, flor de curgete , butarga de atum
Peixe em pequenos pedaços cozinhados no ponto, molho envolvente fresco e sedoso com notas elegantes do limão, do tomate e da flor de curgete. Um prato simples e saboroso, elevado pela excelente butarga que lhe serve de tempero e intensificador de sabor.

Ilbuco-11Bonito, Creme de butarga e batata vitelote, curgete, pastel de batata e brócolos, puré de couve flor 
Peixe delicado e cozinhado no ponto, bem acompanhado pelo puré de couve flor e o molho de butarga. Interessante ainda o contraste de texturas com a flor de curgete crocante e o pastel de batata, mas faltou-lhe algo que elevasse o prato a outros voos.

A harmonizar esteve outro branco de 2015, um Fiano di Avellino de Ciropicariello, um branco de aromas expressivos, com flores, frutos secos e algum mel e rosmaninho, revelando na boca uma boa frescura e notas de citrinos e frutas brancas com um bom final. Uma excelente companhia para o Peixe.

Como pré sobremesa – e sem deixar grande memória ou saudade – surgiu um biscoito recheado com ricotta e pistácio com coulis de frutos vermelhos.

Ilbuco-14Babá ao Rum, Chocolate branco, laranja
Uma versão da clássica sobremesa napolitana, com o rum a marcar uma presença bem forte e vincada, equilibrada pela doçura da mousse de chocolate.

Ilbuco-13Tartelete de morangos silvestres, creme inglês, merengue e gelado de limoncello
Excelente sobremesa com todos os sabores a conjugarem-se muito bem, incluindo o lado alcoólico do gelado. Nota menos positiva apenas para a base da tarte que poderia ser mais fina e elegante.

O serviço de sala foi um dos mais interessantes e eficientes que encontramos nesta viagem a Itália, atento aos detalhes, conhecedor dos pratos e com a experiência de saber quando podem conversar e exprimir-se e quando devem deixar o cliente no seu “espaço e ambiente”.

Ilbuco-9Chateaubriand a ser preparado na mesa

Considerações Finais
A personalidade do chef, que pude perceber depois de uma curta mas interessante conversa, transparece na sua cozinha. Peppe Aversa é um apaixonado pelo produto, pelas suas raízes e por viajar e aprender sobre técnicas e sabores de outras culturas (ainda falamos um pouco sobre o nosso Bacalhau!). Isso reflete-se nos pratos, nas suas combinações e na predominância dos sabores marítimos, ou não estivesse o Il Buco a escassos metros do mar. É um dos melhores restaurantes da região, com uma estrela bem merecida, de onde se sai com satisfação e felicidade sem que ninguém se sinta roubado (algo comum nos preços praticados na costa de Amalfi e Sorrento).

É um espaço obrigatório para quem visita a cidade e a região.

Il Buco Ristorante
Menus a partir de 75€
2ª rampa Marina Piccola –  Piazza S.Antonino – Sorrento
+39 081 87 82 354
info@ilbucoristorante.it

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses

Posted in Restaurantes - Itália | Otagowano jako , , , , , , , , | Skomentuj

Dia dos Namorados – 12 Restaurantes imperdíveis no PORTO e arredores

É já uma tradição todos os anos fazermos uma sugestão de restaurantes para esta data, cada vez mais importante no calendário da Hotelaria e Restauração, que é o São Valentim.

Como sabem, muitos restaurantes aproveitam para criar bonitos menus, na maior parte das vezes mais caros e nem sempre tão interessantes quanto o menu habitual, mas isso agora não interessa nada!

É dia de celebração e toda a gente vai jantar fora, assim, e para ajudar alguns românticos indecisos sobre o melhor sítio para levarem a sua amada, escolhemos alguns restaurantes do Porto e da região, com base na sua oferta gastronómica, ambiente e experiência e divididos em várias categorias, de forma a ir ao encontro de todos os gostos e bolsas!

TRADICIONAL

Mário Luso, Carvalhos – Gaia

marioluso Mário Luso

No caso do Mário Luso, provavelmente um dos mais antigos restaurantes ainda no activo na região, onde a tradição ainda é o que era, ingredientes de alta qualidade cozinhados por mãos precisas e uma sala de serviço clássico e cuidado.

marioluso2 Arroz de Robalo

Mais informações, Mário Luso

Cozinha da Terra, Louredo – Paredes

cozinha da terraCozinha da Terra*

A cozinha tradicional e familiar juntamente com o ambiente revivalista criado por Teresa Ruão são o mote perfeito para uma refeição calma e romântica ao bom estilo do Norte do País. São as paredes de Granito, o calor da Lareira e as receitas mais tradicionais do Minho que não deixam ninguém indiferente.

Têm ainda a possibilidade de ficar a dormir no espaço.

cozinha da terra2Bacalhau Lascado em Pão*

Mais informações, Cozinha da Terra

COSMOPOLITA

Romando Privé, Vila do Conde

romandoRomando Privé*

Nasceu em 2015, fruto da junção da experiência do Romando e do Sushi Café com um club noturno, criando assim um ambiente único no Norte do País que nos transporta facilmente para qualquer capital mundial. Um espaço de glamour em que a comida não é posta de lado em detrimento do ambiente de festa. Os cocktails e o Sushi são os pontos fortes e o grande elemento diferenciado do espaço.

romando2Sushi*

Para mais informações, Romando Privé

Cafeína, Foz do Douro

cafCafeína

O nome Cafeína dispensa apresentações, sendo presença assídua em todos os rankings da cidade nos últimos 20 anos, tendo já vencido os prémios Flavors & Senses nesta mesma categoria “Restaurante Trendy”. A cozinha de inspiração na Bistronomie aliada à atmosfera única da sala são motivos mais do que suficientes para uma noite muito bem passada a dois.

cafeinaCoulibiac de Salmão

Mais informações, Cafeína

Tenra, Centro do Porto

tenraTenra*

Foi uma das grandes aberturas da Baixa do Porto em 2016, um restaurante dedicado às carnes mais nobres, com assinatura do chef Pedro Braga. O Bar que serve de peça central à sala transporta-nos rapidamente para um ambiente cool e cosmopolita, que aliados à modernidade e técnica apresentada nos pratos trazem ao Porto uma atmosfera cada vez mais internacional.

tenra2Tártaro de Wagyu

Mais informações, Tenra

INFORMAL

Shiko – Tasca Japonesa, Centro do Porto

shikotj

O Shiko foi um dos grandes vencedores dos prémios Flavors & Senses em 2016. Um projecto de identidade bem vincada a que ninguém tem ficado indiferente. Dos Sabores clássicos da cozinha Japonesa às combinações mais inusitadas criadas pelas mãos afinadas de Ruy Leão! Este ano o Shiko tem um menu especial para o dia dos namorados em jeito de Omakase entre clássicos e novidades da carta.(Ler Mais)

shikotj-3Mexilhões e Caril Japonês

Mais informações, Shiko – Tasca Japonesa

Esquina do Avesso, Leça da Palmeira

esquinadoavesso - 1Esquina do Avesso

Não sendo um espaço novo, foi em 2016 que o restaurante recebeu um refresh e que a assinatura do jovem chef Nuno Castro mais se começou a evidenciar. É um espaço informal, jovem e cool, onde o conceito passa por partilhar os pratos em jeito de petisco, mas desenganem-se os mais incautos, aqui os petiscos não são propriamente o que a tradição portuguesa escreveu na memória, mas sim combinações de autor, com bons ingredientes e excelente apresentação.

Eavesso-6Mousse de manteiga de amendoim

Mais informações, Esquina do Avesso

FINE DINING

Pedro Lemos, Foz do Douro

pedrolemos- 2Pedro Lemos

Pedro Lemos é mais do que um nome próprio, é um nome incontornável da cozinha feita em Portugal. A mestria com que domina os ingredientes e lhes retira o máximo de sabor com a máxima sensibilidade e simplicidade, fazem com que cada refeição se torne única. Certamente neste Dia dos Namorados não faltará um menu repleto dos melhores ingredientes do mercado e uma grande selecção de vinhos. (Ler Mais)

vesuviopl-6Vaca, aipo e cantarelos

Mais informações, Pedro Lemos

Antiqvvm, Porto

antiqvvmAntiqvvm*

Foi a grande novidade do final de 2016 ao conseguir a sua 1ª estrela Michelin em pouco mais de um ano após a sua abertura. A assinatura de Vítor Matos, um chef com veia de artista, garante a qualidade e a capacidade de surpreender os comensais com combinações menos previsíveis. A vista deslumbrante dos seus jardins e a decoração do espaço fazem do Antiqvvm um ótimo local para o romance!

antiqvvmA Horta de Vítor Matos

Mais informações, Antiqvvm

Boa Nova, Leça da Palmeira

rui paula - 1Boa Nova

A Boa Nova é o restaurante de assinatura do célebre chef Rui Paula, e foi também um dos novos premiados no último guia Michelin. Um edifício emblemático (assinado por Siza Vieira), uma vista deslumbrante e uma cozinha de autor irrepreensível, são o mote perfeito para um jantar de sonho inesquecível.

ccbnWagyu, Amaranto e couve flor

Mais informações, Restaurante Boa Nova

O Paparico, Areosa – Porto

opaparicoO Paparico*

O Paparico é fruto de um sonho e de uma visão muito própria da restauração e em particular da cozinha portuguesa do seu proprietário, Sérgio Cambas. A sala transporta-nos para uma casa antiga e rural do Norte de Portugal, num ambiente privado e acolhedor em que o serviço de sala se assegura de que nenhum detalhe é deixado ao acaso (venceram em 2016 o prémio de Melhor Serviço de Sala nos prémios Flavors & Senses).(Ler Mais)

 opaparico2016-6 Feijoada de Carabineiro

Mais informações, O Paparico

FerrugemFamalicão

ferrugem2016-13Ferrugem

O Ferrugem é um marco da gastronomia nacional, muito por culpa da “ingrata” missão a que se propôs – levar a cozinha criativa a bom porto e a um preço justo numa zona do interior de uma região tão tradicional como o Minho. Para o dia dos Namorados, o chef Renato Cunha irá preparar um menu exclusivo em harmonização com alguns grandes vinhos nacionais. (Ler Mais)

ferrugem2016-7Bacalhau com todos

Para mais informações, Ferrugem

Fotos: Flavors & Senses com a excepção das assinaladas com (*) pertencentes ao respectivo restaurante.

Posted in Portugal | Otagowano jako , , , | Skomentuj

Don Alfonso 1890 **

donalfonso-15

Existem destinos e viagens com as quais sonhamos toda a vida e felizmente existem aqueles que vamos tornando realidade.

Amalfi era um desses sonhos, não só pelo ambiente luxuoso de cidades como Ravello e Positano, pelo cenário único desenhado pela natureza ou pela famosa estrada esculpida pelos homens. Para mim, era um sonho também pela sua comida, pelas tradições enraizadas do sul da Itália e muito em particular por um nome, o Don Alfonso 1890.

Como o próprio nome indica, falar do Don Alfonso é falar de uma história de família, de tradição e acima de tudo de uma enorme paixão. O restaurante está hoje entregue à 3ª e 4ª geração de uma família única, que soube desenvolver o seu projecto como muito poucos.

Muito antes de surgirem restaurantes como o Noma ou o The Blue Hill at Stone Barns, em que a quinta, a cozinha orgânica e sustentável ou o terroir, ganharam expressão máxima,  Alfonso e Livia Iaccarino acharam que esse seria o seu caminho quando em 1973 tomaram por completo as rédeas do restaurante, Alfonso na cozinha e Livia com todo o seu charme na sala.

Volvidos quase 50 anos têm ao seu lado Ernesto e Mario, os filhos que lhes seguiram as pisadas e continuam a desenvolver o trabalho dos pais com a mesma paixão com que eles próprios foram criados. O restaurante cresceu, ganhou duas estrelas no famoso guia michelin, e juntou-se um pequeno e luxuoso hotel com chancela da Relais & Chateaux, uma escola de cozinha e uma série de restaurantes de Macau a Marrakech passando por Roma e Dubai.

A esta altura perguntar-se-ão como se mantém a tal sustentabilidade e preocupação com a qualidade do produto – pois bem, a cerca de 30 minutos do restaurante, e num sítio onde poderiam ter edificado um hotel com uma das melhores vistas da costa, os Iaccarino criam a Le Peracciole, uma quinta de 8 hectares, instalada entre a o golfo de Nápoles e o golfo de Sorrento com vista directa para Capri, onde plantam os legumes, uma larga quantidade de espécies de tomate, oliveiras e galinhas que lhes dão os chamados “ovos felizes”.

donalfonso-19

Mas deixemos esses e outros detalhes para um pouco mais tarde e prossigamos com a nossa experiência! Depois de uma longa condução desde a Toscana até à Costa de Amalfi, mais propriamente a Sant’Agata Sui Due Golfi, chegar ao restaurante  de tons brancos e apontamentos coloridos, ao bom estilo da região, foi como chegar ao Olimpo (se é que existe descrição para isso). Salas amplas e bem iluminadas, decoradas com bom gosto, com destaque para algumas peças centenárias que vão fazendo o deleite dos olhos enquanto somos acompanhados até à mesa.

cortonaCroquete de Batata, queijo, cenoura e molho de laranja

Já bem instalados, somos recebidos com um copo de Derbusco Cives Blanc de Blanc Doppio Erre, um espumante Franciacorta bem interessante, de tons amarelos e aromas amplos de fermento e fruta de polpa branca com nuances de baunilha. Na boca revelou-se seco e com a bolha elegante. A acompanhar, um delicioso croquete de batata, queijo e cenoura, refrescado por um leve molho de laranja.

Um início como deve ser!

donalfonsoLula, queijo ricotta, gel de vegetais e molho de pimento amarelo 
A primeira entrada traz-me à memória toda aquela história do cuidado com os produtos, os vegetais e em especial o pimento são de uma elegância e uma subtileza quase impossíveis de encontrar. Um prato simples, refinado e repleto de sabor, que reflete bem o almoço que se seguiria!

Segue-se o pão produzido na casa, com uma ótima selecção de pães, desde o branco, ao sourdough, azeitona e funcho e um azeite extra virgem  produzido na Le Peracciole que roça a perfeição.

donalfonso-2Gelado de enguia, caviar Oscietra, pasta de rosa e ervas
Uma entrada em que todo o lado criativo de Ernesto vem ao de cima. A pasta é infusionada com rosas que trazem alguma frescura a um conjunto salino de sabores a mar, com um brilhante gelado de enguia a transmitir tudo isso, mais ainda quando acompanhado do caviar. As notas de manjericão trazem-nos de volta a terra –  um conjunto em que estranhamente tudo funciona, das texturas aos sabores!

donalfonso-3Peito de Pato, canela, maça e redução de balsâmico
Se a apresentação do prato parecia um tanto ou quanto datada, os sabores  elevavam-se a outro nível, excelente o creme de maça em jeito de marmelada e a conjugação nada enjoativa do pato com a canela e a redução de balsâmico (daquele sério).

donalfonso-4Ovo, Burrata, feijão verde e trufa
Um prato inspirado no pequeno almoço de infância de  Ernesto, uma vez que as trufas eram guardadas no mesmo frigorífico que o leite e este adquiria os aromas únicos do fungo. Um prato brilhante, muito por culpa da qualidade da trufa apresentada, e a untuosidade e sabor criado pela conjugação da burrata em estado liquido e da gema a baixa temperatura. O luxo da simplicidade!

donalfonso-5Spaghetti, Cavala, pão ralado, pinhões, cebola caramelizada, molho de atum albacora e emulsão de manjericão
Pensar em massa e atum lembra-me os anos de juventude e faculdade, infelizmente os sabores na memória estão bem longe daquilo que este prato me proporcionou. Um dos melhores pratos de pasta que alguma vez provei, da qualidade e cocção da massa à conjugação dos molhos, sabores e texturas. Um prato que representa bem a cozinha do sul da Itália, com ingredientes aparentemente modestos que nos levam a outro patamar!

donalfonso-7 Capelli recheado com porco preto, molho amatriciana, parmigiano e trufa 
Outro grande prato, tecnicamente perfeito e munido de grandes ingredientes. A amatriciana de tomate amarelo deixa saudades, assim como a qualidade da trufa. De realçar também o interessante crocante de funcho, cuja textura e as notas de sabor acrescentam dimensão ao prato. Delicioso!

A harmonizar com estes pratos esteve o Contrada Marotta Greco di Tufo 2013 Villa Raiano um branco produzido na região, a nordeste de Nápoles. Um vinho complexo que conquista à primeira prova, aromas de pêssego, nêspera e toranja, com toques florais, revelando na boca uma mineralidade e uma acidez de grande nível. Foi uma excelente companhia para os primi platti.

donalfonso-8Lombo em crosta de pão, mozzarella, bochecha de porco, puré de tomate picante e creme mediterrâneo
A vitela utilizada é cuidadosamente selecionada de produtores na região de Benevento, também na Campania e isso nota-se na sua qualidade, um lombo com sabor, textura e suculência, envolto em queijo e bochecha de porco com uma capa fina e crocante de pão. Muito bem acompanhado e enriquecido pelos molhos que acompanhavam a carne.

No copo esteve outro vinho da Villa Raiano um Taurasi de 2012 , elegante no nariz, com fruta negra e notas de cacau e tabaco com a madeira bem integrada. Na boca a sua estrutura e potência revelou-se uma boa companhia para a carne.

donalfonso-9Petit fours

Entretanto surgem na mesa os petit fours, que em Itália tendem a surgir na mesa antes da pré e da sobremesa – destaque para o cannoli, os bombons de chocolate com laranja e as tarteletes, tudo ótimo.

donalfonso-10Pré-sobremesa

Para limpar o palato, nada como um eficiente gelado de limão de amalfi, crocante de pistácio e frutos vermelhos.

donalfonso-11Um Concerto de Limão – fragrâncias e sabores 
Uma sobremesa clássica do Don Alfonso que dá destaque a um dos ingredientes mais relevantes da região, o Limão. Frescura e doçura bem equilibrados, num jogo de texturas interessante, entre a massa choux, as frituras o creme e o caramelo crocante.

donalfonso-12Castanha e Romã
Uma sobremesa bem ao jeito do Outono (altura em que visitamos), com a conjugação da romã com a castanha. Nota alta para os sabores embora o creme de castanhas se revelasse denso em demasia para o “mil folhas”.

 Sobre os vinhos, a carta do Don Alfonso é uma das mais conceituadas de Itália, com mais de 25.ooo garrafas e 1.300 referências, guardadas numa cave histórica, que remonta a um túnel Etrusco, com muitos e muitos séculos de História.

 donalfonso-18 A cave

No final da refeição e depois de uma visita guiada à cozinha e à escola seguimos até à cave (algo que já faz parte da “experiência Don Alfonso”). Os vinhos estão distribuídos por vários andares e por fim em patamares de uma longa escadaria que termina no espaço onde curam e afinam os enchidos e os queijos produzidos pela equipa.

donalfonso-14Ernesto  Iaccarino na colorida e impressionante cozinha do restaurante

Quanto ao serviço, que infelizmente em Itália está normalmente muitos patamares abaixo da cozinha, aqui foi irrepreensível, demonstrando um bom jogo de técnica e movimentação, fluindo pela sala quase sem que se desse por eles, com conhecimento sobre os pratos e uma simpatia e sorrisos certeiros. Se falarmos sobre Livia e Mario, sobem ainda mais a fasquia espalhando o clássico charme italiano e paixão pelo seu trabalho em cada mesa por onde passam, deixando-nos ansiosos por provar o prato que nos estão a apresentar.

donalfonso-20 Mario Iaccarino

Considerações Finais 
Por vezes nem as estrelas Michelin ou os selos da JRE, da Le Soste, Relais & Chateaux ou Les Grandes Tables du Monde são suficientes para garantir uma marca de satisfação, é preciso estudar, ver, visitar, e acima de tudo provar para se entender um trabalho, ou neste caso uma Convicção, que Alfonso e Livia passaram como ninguém aos seus filhos.

A cozinha de Ernesto é profundamente marcada pela importância e qualidade do produto, é do mais sensível e refinado que se pode encontrar, o sabor de cada ingrediente é destacado sem máscaras, onde todo o rigor técnico é posto à prova para que cada elemento mostre o melhor de  si e isso nota-se a cada garfada.

A experiência no Don Alfonso 1890 é marcante a todos os níveis, desde o ambiente familiar para o qual somos transportados, à comida e ao ambiente. Dá vontade de ficar, de nos sentarmos a ouvir as histórias da família, aprender sobre os ingredientes e partilhar a refeição com pessoas únicas.

Até um regresso!

Don Alfonso 1890
Menus a partir de 140€
Corso Sant’Agata, 11/13 – Sant’Agata Sui Due Golfi
+39 081 878 00 26
info@donalfonso.com

 English Version

 Fotos: Flavors & Senses

Posted in Restaurantes - Itália | Otagowano jako , , , , , , | Skomentuj